Pular para o conteúdo principal

Ponto de ônibus

Então, hoje teve aula de português, (esse ano portugues tá muito show) e eu fiquei um tanto inspirada... aqui vai minha crônica - que está um pouco tosca. Ah, e dedico elas a minhas amiguinhas lily e eloísa, que discutiram algo parecido comigo hoje.



Estavam todos no ponto de ônibus. Duas senhoras, um homem grande e com certo sobrepeso, uma mulher com uma criança de colo e um menininho animado e eu. Estava calor, e isso me irritava. As senhoras tagarelavam, piorando o stress:
- mas o tempo está louco! Ontem mesmo fui fazer um exame e estava chovendo!
- sim sim, e eu tive que tomar quatro banhos ontem!
Olhei disfarçadamente com nojo para a segunda senhora, a que falou sobre os banhos. Afinal, quem está interessado em saber quantos banhos ela tomou? E, o pior, ela já se sente tão íntima assim para falar sobre isso com tanta naturalidade?
- e hoje esse calor... me desculpe, você falou quatro banhos? Mas por quê ?
- tive que sair tanto de casa e pegar tanta chuva que me molhava e me sujava toda!
Mal imagino quantos ela tomaria hoje, que estava calor. O homem gordo se mexeu no banco e empurrou sem querer a mulher com a criança pra cima de mim; a criança, logicamente, chorou. E daí começou mais barulho: as senhoras conversando sobre banho, o homem se desculpando, a criança chorando e o menininho pedindo doçe para a mãe. Uma moça parou ao meu lado e perguntou:
- o 30 já passou?
- não - respondi, parecendo alegre e educada. Sempre o ônibus 30 passava quando ninguém precisava. E quando precisavam, não passava. Ouvindo a pergunta da moça, o assunto das senhoras se voltou para a demora do ônibus. Calculei mentalmente o quanto queria que ele chegasse logo: o resultado foi bem alto. Dez minutos de espera, ainda a mesma bagunça. Só que agora o homem gordo encontrara um amigo de faculdade, parece, e conversava alegremente com ele. Quando eles se viram eu quase caí do banco do ponto de ônibus.
- Alberto!
- Ricardo, fala rapaz! - então o gordo se chama Alberto, foi o que pensei, depois de recuperar o fôlego com a voz grossa dos dois dando aqueles berros de velhos amigos se reencontrando. E eles falavam alto. Bem alto.
- como está a Susie?
- ah, nem me fale. Ela está com uma gripe horrível - Ricardo disse como se isso fosse a pior coisa que poderia acontecer.
- puxa, é sério? Mas que coisa triste.
- é sim... e ela teve pneumonia a alguns meses atrás.
- puxa que mal... mas e aí, viu o jogo do Palmeiras com o São Paulo?
Parei de ouvir ali. Como dois amigos de faculdade tem capacidade de se encontrar na rua e conversar sobre futebol? Não existem outras coisas mais interessantes para se falar? Depois de mais algum tempo (e um executivo se sentar dois bancos de distância de mim e discutir no nextel sobre algum evento importante - com direito a falar alto além do bip irritante do aparelho) o ônibus finalmente chegou. Após a viagem (com todas as pessoas do ponto dentro do ônibus, sendo que havia um rapaz ouvindo música muito alta no fone de ouvido) cheguei em casa e parei pra pensar no seguinte: é ridículo como as pessoas arranjam assunto para falar com desconhecidos e como existem assuntos ridículos para serem falados. E, claro, como um ponto de ônibus pode ser barulhento... e também bastante revelador.

Comentários

  1. a tal lilly da dedicatória13/04/2009 22:57

    caraaaaaaaaca lets, eu sempre amei ler cronicas.. mas ler uma sua? QUE DEMAIS! adorei, muito boa SLPJELPS *-* e foi dedicada pra mim e pra elok :'D que emoção! te amo ♥

    ResponderExcluir
  2. UHAUAH ela realmente presta atenção no que eu digo ! e ainda escreveu uma crônica em nossa homenagem, que linda *-*

    ResponderExcluir
  3. Como viajante de ônibus veterano, e como entrevistador de velhinhas, me surpreendo com a habilidade que as pessoas tem de realmente conversar com estranhos coisas do nada. Principalmente de falar da própria vida. Parece que com a idade a necessidade de fazer isso aumenta também.
    E pra cá onde moro, as pessoas nem se preocupam mais com fone de ouvido, agora elas entram no ônibus com celulares que tocam música ruim e alta.
    Pura realidade tudo ali.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Eu odeio gripe

Sabe, eu poderia falar de muitas coisas. Poderia falar do aquecimento global, das eleições, das pessoas babacas... Mas não.

Vou falar da minha garganta.

Porque estava indo tudo bem. O frio estava chegando sem nariz escorrendo, garganta inflamada ou coisa assim. Eu ia montar um altar pra alguém (não sei quem, mas ia) em comemoração a isso, porque é um milagre eu não ter ficado com absolutamente nenhuma marca da mudança de tempo.

Mas então hoje, do nada, minha garganta ficou irritada.

Sabe quando fica difícil de engolir, coça, e parece que você poderia tossir para sempre? É assim minha situação agora.

Eu, pessoalmente, acho que é castigo. Porque, mentalmente, "caçoei" das pessoas que tinham ficado assim. Não foi bem um "ahaha, você está doente e eu não". Na verdade foi mais um "nossa, ele tá doente e eu tô na boa!".

E agora aqui estou.

E, sabe o mais cômico? Tá um frio do caramba e a única coisa que alivia minha garganta (comprovado por mim mesma ao longo do…

Real Demais

Caminhou tremulamente até a ponta. Olhou para baixo e viu o mundo. Estava tão no alto, tão superior às pessoas e carros minúsculos lá embaixo... Até os outros prédios pareciam pequenos. Resolveu sentar-se.

Sua espinha congelava enquanto se movia lentamente, para sentar-se. Precisou forçar tanto sua coluna para baixo que sentiu que ela era um pedaço de gelo quebrando-se. Seu braço estava arrepiado. Ela odiava alturas.

Não poderia arriscar olhar para cima, porque seria tão ruim ou pior. A imensidão sobre sua cabeça lhe causava arrepios, principalmente estando sentada em um lugar tão... instável. Se desequilibraria mais facilmente ainda.

Ficou parada um tempo, decidindo para que ponto olhar. Percebeu que manter a cabeça reta e os olhos baixos não lhe trazia aquela sensação... horrível. A cabeça girava, tudo ficava preto, o coração acelerava...

Tum. Tum. Tum.

Ela se virou e revistou a mochila. Tirou algo de lá e, lentamente, esticou uma perna para baixo. Depois se arrastou para frente co…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…