Pular para o conteúdo principal

Lá vamos nós de novo...

(Mais um chá de cadeira. Só depende de você)

Foi exatamente isso que pensei quando soube que Demi Lovato vinha para o Brasil. Lá vamos nós de novo. Mas foi uma afirmação animada, de felicidade. E realmente, o meu dia foi MUITO feliz. A alegria durou toda a espera pelo grande dia (com vários pequenos dramas no meio do caminho, que não é necessário citar) e só aumentou no dia antes do show. Mais especificamente na noite antes do show.

Fui dormir na casa de minha amiga Aliane, e o João também foi e tudo se passou muito rápido. Quando percebi, estava no carro a caminho de São Paulo. E, de novo, quando percebi estava em uma esquina na fila para o show (que se estendeu por todo o quarteirão). Foi uma tarde muito feliz, com meus amigos, me diverti muito e VI A VAN DA DEMI. É. Também morri nessa hora.

Enfim, porque estou contando tudo isso? Quero registrar meu momento, quero contar como foi, e quero criticar as pessoas mal educadas do planeta.

Do nada, todo mundo saiu correndo. E nós corremos também. E em meio a várias correrias (porque tiveram vários momentos em que todos correram, cada vez mais colados, até chegar em um ponto em que todos andavam compactados, parecendo pinguins), começa o drama:

- Amanda deixa cair o ingresso e fica pra trás. Graças a Deus ela recuperou e nos encontrou de novo.
- Meu pai demora a chegar e eu começo a ficar MUITO nervosa porque eu sei como ele é e eu sabia que ele ia ficar MUITO bravo. Mas eu ia entrar com ou sem ele (como o fiz).
- Se não fosse o ar livre, nós não respiraríamos. E olha que o ar livre nem era tão bom, levando em conta que estávamos num nível bem acima do mar e com uma ultra camada de poluição.
- Eu carreguei o grupo todo, praticamente, puxando pela mão, um agarrado no outro, em meio a fila.

Chegamos na grade, na porta da Via Funchal e a barriga já revirava de ansiedade. A grade quase caiu várias vezes e nós nos separamos por alguns segundos quando estávamos na fila indiana em direção aos seguranças para dar nossos ingressos.

Aí, as meninas e a mãe da Lih entraram. E a mulher resolveu revistar minha bolsa (porque é claro que eu, com uma headband de hippie e uma camiseta toda colorida escrito "here we go again", também bem hippie, iria ser uma terrorista). E o João me esperou.

Dai nós dois subimos correndo as escadas para o show, eu quase morrendo sem ar, tropeçando, nós dois nos ajudando, chegamos no andar do show, corremos em direção a fila da nossa pista, de encontro as meninas. Ufa.

E lá dentro, mais drama: Falta de ar, ondas de pessoas se empurrando (BANDO DE MAL EDUCADO. Sabe, devia ser proibido que vendessem ingressos para esses macacos de auditório, literalmente. As pessoas só passam mal e não assistem show porque estão desmaiadas porque ESSAS criaturas estão lá, esmagando elas. Eles sim mereciam passar mal), meu pai tentando comunicação...

Dai eu explodi de desespero acumulado e chorei um pouco. Magicamente, tudo se resolveu.

A mãe da Lih falou com meu pai. Mais tarde ele encontrou agente, logo depois do show da Lú (ele conseguiu entrar e ficar conosco, e não ficou o dia todo na fila. Me ferrei, porque agora não vou conseguir mais curtir as "causarias" de uma fila de show). Eu fiquei em um degrau, com João, Lih e sua mãe, logo atrás de toda aquela massa de gente compactada. Consegui ver tudo e ficar perto dela, sem passar mal.

Os shows foram lindos. A Lú não é muito boa... Mas agente supera. Vimos tia Sara, também. E então a Demi entrou e eu quase morri do coração. E então começou um show MUITO bom, de música, sem grandes estravagancias. Gosto disso, shows voltados para a MÚSICA. Como o da Demi.

Ela falou português, falou que nos ama, chamou uma garotinha para o palco, fez coração, apareceu com uma bandeira do Brasil, riu de nossas reações, ficou boquiaberta e revelou que aquela era a noite mais insana da vida dela.

Devo concordar com ela, aquela também foi uma noite MUITO insana. O show dos Jonas+Demi foi um show mais "meus ídolos estão na minha frente uaau!". Esse foi um show "Demi, que saudades!" e onde experimentei coisas loucas e desesperos desesperantes (duh). Claro que depois do show ainda teve mais um drama, porque a mãe da Lih e a Amanda passaram mal. Mas isso foi contornado rapidamente.

Então, acho que, apesar dos pontos ruins, valeu a pena. Muito mesmo. Revi pessoas, conheci pessoas, cantei, gritei, me diverti e aprendi muito. Aprendi que shows podem ser muito perigosos e que devemos nos importar mais com nosso bem-estar do que com o desejo de tocar por três segundos na mão de alguém. Eu vi a Demi e curti o show, talvez melhor do que muitas pessoas que queriam ficar na grade.

E no segundo semestre, ela volta. Com os Jonas.

Lá vamos nós de novo...

Comentários

  1. Valeu muuuuuuito a pena! Sempre vale. NÓS VIMOS A VAN DA DEMI CARA ALOKKKKKKKKKKKKKKKKKKK A LU FOI A MELHOR "[MODO IRÔNICO ON]" KKKK Esse dia foi um dos melhores da minha vida, e isso é um fato porque você estava lá comigo <3 amo você

    ResponderExcluir
  2. Eu não estava lá, mas como acompanhei por telefone e ouvi seus comentários depois, tenho certeza de que foi uma experiência incrível e inesquecível. São essas as coisas que valem a pena.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

Real Demais

Caminhou tremulamente até a ponta. Olhou para baixo e viu o mundo. Estava tão no alto, tão superior às pessoas e carros minúsculos lá embaixo... Até os outros prédios pareciam pequenos. Resolveu sentar-se.

Sua espinha congelava enquanto se movia lentamente, para sentar-se. Precisou forçar tanto sua coluna para baixo que sentiu que ela era um pedaço de gelo quebrando-se. Seu braço estava arrepiado. Ela odiava alturas.

Não poderia arriscar olhar para cima, porque seria tão ruim ou pior. A imensidão sobre sua cabeça lhe causava arrepios, principalmente estando sentada em um lugar tão... instável. Se desequilibraria mais facilmente ainda.

Ficou parada um tempo, decidindo para que ponto olhar. Percebeu que manter a cabeça reta e os olhos baixos não lhe trazia aquela sensação... horrível. A cabeça girava, tudo ficava preto, o coração acelerava...

Tum. Tum. Tum.

Ela se virou e revistou a mochila. Tirou algo de lá e, lentamente, esticou uma perna para baixo. Depois se arrastou para frente co…

Leite com Vodka

Sua bebida favorita sempre foi leite. Aquele líquido branco e um pouco denso, que bebês adoram. Bebia com tudo: chocolate, morango, groselha... Era um bebedor. Seus lanches não eram feitos sem leite. E se não o bebia, misturava em algum outro ingrediente. Sucrilhos, frutas batidas. Nutritivo da cabeça aos pés. O alimentava por dentro e ele consumia com orgulho.

Então cresceu. Você sabe, quando crescem eles mudam os interesses. Não mais desenhava os programas que via. Agora via apenas a parede do quarto e festas banhadas a vodka. Ah, a vodka. Virou sua bebida preferida, com toda certeza. Aquele cheiro forte no líquido transparente, que jovens usam para se mostrar descolados. Bebia com tudo: frutas batidas, sucos, refrigerantes, sem nada. Virava uma dose e outra. Descolado da cabeça aos pés, na moda, inteiramente parte do grupo.

Mas a vida não era só Leite ou Vodka. Pelo menos não mais. Foi em mais um dia de Vodka que a encontrou. Ela lhe sorriu e ele se aproximou. Parece que foi à …