Pular para o conteúdo principal

Modinha

Não, eu não copio as ideias de Felipe Neto. Ele é só um cara que tem as mesmas opiniões que eu e que me inspira a desabafar toda a minha revolta. Mas agora eu não vou xingar as coisas que estão na moda nem xingar as pessoas que gostam ou não de algo porque está na moda. Vou xingar a moda.

Quem foi o INFELIZ que criou a moda? Me diga? Porque, pare para pensar, já imaginou quantas garotas ficam com problemas psicológicos porque elas "não usam roupa na moda" e os outros tiram sarro dela? E os garotos que não tem a "chuteira da moda", ou sei lá, e também acabam apanhando?

Meus exemplos foram horríveis, mas tá.

Eu não gosto disso. Não só moda "fashion", moda de roupa, não. Eu não gosto do fato de que as coisas que nunca ninguém imaginou existir explodem e de repente todo mundo usa/ouve/gosta/assiste/lê/come/joga...!

Um exemplo: Jonas Brothers. Sei que tem um monte de gente que odeia eles, tem gente que ama, mas a questão não é essa. A questão é que eu descobri eles quando tinham lançado o primeiro CD e acabado o contrato e procuravam nova gravadora. NÃO TINHA HOLLYWOOD RECORDS E DISNEY MANDANDO NELES. E daí eles foram contratados pelas empresas que acabei de falar. E aí, com divulgação e rostos simpáticos, eles dominaram o mundo.

E eu fico com cara de pessoa que gosta do que é modinha.

Porque, ao mesmo tempo que eu descobri eles, eu abri os olhos pro mundo (lentamente, mas abri) e comecei DE VERDADE a acompanhar o mundo da música, dos filmes, séries, roupas, etc. E tinham MUITAS coisas que eu queria vestir, fazer, ser, ouvir e NINGUÉM IMAGINAVA QUE IRIA ACONTECER. E agora eu ando na rua e tem criança vestida com minha ROUPA DOS SONHOS!

Eu queria poder andar na rua com calça skinny, óculos Ray-ban (Wafarer), lenço xadrez, camisa, colete... e não vendia. Não mesmo. Isso tudo era moda da geração passada, nossos pais. E então eu nem ia atrás de conseguir algo assim, porque não tinha mesmo.

E de repente até minhas professoras usam lenço xadrez.

O que quero dizer é que tudo isso que era obscurecido e não tinha chegado aos olhos do povão, e eu já queria mostrar que conhecia. Porque eu gostava. Não porque "tá se usando agora", "tá entre as dez melhores", "ganhou um oscar qualquer", etc. Não. Eu queria porque era com o que eu me identificava.

E agora, se eu ando na rua com uma coisa dessas, eu vou virar só mais uma.

Minha amiga queria uma calça colorida a anos atrás. Ela achou uma azul em Curitiba por R$79,00. Ela foi uma das primeiras. Daí uns caras bem babacas que montaram uma banda resolveram que era legal pegar trinta cores e vesti-las de uma só vez. E roubar os óculos dos nerds, pra deixar claro.

E agora se ela andar na rua com aquilo, vão achar que ela é colorida. E ELA NÃO É! ELA ODEIA ESSAS BANDAS COLORIDAS!

É daí que chegamos na questão dos esteriótipos, que eu discuti brevemente a uns posts atrás. Um cara não pode vestir e ouvir e gostar, falar, comer, assistir, sei lá, o que quer, porque vai ser julgado. Ele vai ser julgado e vão montar toda uma opinião sobre ele. É UM CONCEITO CRIADO ANTES DE CONHECÊ-LO. É UM PRECONCEITO.

E isso é errado. Uma pessoa pode ouvir "garota radical" e não ser colorida. Pode ver Hannah Montana e não ser um bebezão. Pode usar camiseta de Iron Maiden e não ser do inferno. Pode cantar "Higway to Hell" e não querer ir pro inferno. Pode ouvir Jonas Brothers mas pode ouvir também Aretha Franklin, Elton John, Queen, Black Sabbath. Pode ler e assistir Harry Potter e gostar do Crepúsculo e vice-versa. Pode assistir Star Wars e Star Trek e não ser nerd.

Claro que alguns dos exemplos que dei são deprimentes, mas é a verdade. O que a pessoa gosta/lê/ouve/assiste/veste não interfere no que ela é por dentro.

Por isso, antes de julgar alguém, pense em como aquele alguém pode ser surpreendente. E em como alguém pode não gostar só do que está na moda (tipo eu; que culpa tenho se o que gosto explode). E em como é um absurdo você não poder usar o que quer porque vai ser julgado como modinha/algum estilo qualquer.

Ou, pior, como esse alguém pode não ser julgado e virar só mais um alguém. Um OUTRO POR-FORA.

Comentários

  1. Issae - Nath com preguiça de digitar a senha do orkut

    ResponderExcluir
  2. SHLAHSKAHLHAKHAKSHAKLS euri muito

    preguiçosa, não pode não u.u'

    ResponderExcluir
  3. alguém já disse que você ahaza? pois é, você ahaza!

    ResponderExcluir
  4. Concordo plenamente e queria acrescentar que uma das coisas que mais me irrita é alguém falar que gosta de uma coisa só porque tem amigos que gostam ou coisa do tipo. Cadê a autenticidade? Busquem formar uma opinião própria!
    E Let...você é demais

    ResponderExcluir
  5. é verdade elo, autenticidade é tudo!

    nossa gente, assim vou ficar me achando oO' HSLAKHS

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

As Bolhas

Sigo uma filosofia de olhar todos como neutros. Cada dia, as pessoas são uma coisa. De vez em quando, bolhas de sabão. Outras vezes, são todos bonecos de papelão.
Não importa a figura do dia, todos são idênticos à minha frente.
Não os vejo assim porque penso em um mundo massificado onde todos são iguais, dominados e alienados. Nada disso. Mesmo porque, de qualquer forma, já vivemos mais ou menos assim.
Os vejo como bolhas de sabão porque sei que é o certo a se fazer. Enquanto não conhecer a pessoa, ela é uma bolha. Dentro há uma infinidade de curiosidades para se descobrir. Quando a bolha estoura descubro o nome e, depois, a pessoa em si. Como ela é, o que pensa, o que gosta.
E, ainda assim, mesmo depois de a bolha estourar, tenho em mente que todos fomos bolhas. Eu era a bolha dele, ele a minha, nós dois a sua.
Escolhi bolhas porque elas são simplesmente redondas, de sabão e ar, e flutuam por aí, iguais, livres. Mas todas têm um brilho especial ao sol e um quê de diversão... Quem não gost…

À Luz da Manhã

Para Matheus e João.
Ouça. Crescer é como correr descalço na areia. Os pequenos grãos tocam sua pele e você sente, mesmo com a maciez do movimento ou o impacto suave, a aspereza do solo. A sensação é incômoda, mas ao mesmo tempo libertadora. Você para, então, e olha ao redor. Olha as marcas de seu pé no caminho que fez e o modo como, em alguns momentos, eles foram suaves e quase imperceptíveis e, em outros, foram largos e espalhafatosos. Você olha para o outro lado e vê o quanto ainda há para ser marcado. O som do oceano chega aos seus ouvidos e a brisa sopra seus cabelos e você sorri: está bem ali, entre onde já correu e para onde ainda vai correr. Mas, no fim, você só quer sentir seus pés afundando na areia enquanto o mar sopra sua canção ao vento.
Crescer é como subir uma colina de grama verde molhada pelo orvalho da manhã. Você quer saber, mais do que tudo, o que há do outro lado: serão montanhas ou vales? Serão córregos ou lagos? Que tipos de árvores haverão para serem escaladas? …

Sobre os meses sem novas postagens

Estudar é difícil. Você tem que usar seu tempo para isso e acaba não dando a atenção que devia para as outras coisas da sua vida, no meu caso, a escrita. E meu blog.

Então, o motivo para meu sumiço absoluto é esse (além de alguns acontecimentos no meio do caminho que sugaram minha força de vontade). Porém, estou ajeitando o caminho para voltar, talvez não com tudo ainda, mas voltar.

Preparem-se, "Letícia is coming".

Dentro em breve novas postagens, algumas de alguns textos escritos ao longo do ano e outras de textos escritos agora. E é isso aí.

Obrigada pela atenção!