Pular para o conteúdo principal

Modinha

Não, eu não copio as ideias de Felipe Neto. Ele é só um cara que tem as mesmas opiniões que eu e que me inspira a desabafar toda a minha revolta. Mas agora eu não vou xingar as coisas que estão na moda nem xingar as pessoas que gostam ou não de algo porque está na moda. Vou xingar a moda.

Quem foi o INFELIZ que criou a moda? Me diga? Porque, pare para pensar, já imaginou quantas garotas ficam com problemas psicológicos porque elas "não usam roupa na moda" e os outros tiram sarro dela? E os garotos que não tem a "chuteira da moda", ou sei lá, e também acabam apanhando?

Meus exemplos foram horríveis, mas tá.

Eu não gosto disso. Não só moda "fashion", moda de roupa, não. Eu não gosto do fato de que as coisas que nunca ninguém imaginou existir explodem e de repente todo mundo usa/ouve/gosta/assiste/lê/come/joga...!

Um exemplo: Jonas Brothers. Sei que tem um monte de gente que odeia eles, tem gente que ama, mas a questão não é essa. A questão é que eu descobri eles quando tinham lançado o primeiro CD e acabado o contrato e procuravam nova gravadora. NÃO TINHA HOLLYWOOD RECORDS E DISNEY MANDANDO NELES. E daí eles foram contratados pelas empresas que acabei de falar. E aí, com divulgação e rostos simpáticos, eles dominaram o mundo.

E eu fico com cara de pessoa que gosta do que é modinha.

Porque, ao mesmo tempo que eu descobri eles, eu abri os olhos pro mundo (lentamente, mas abri) e comecei DE VERDADE a acompanhar o mundo da música, dos filmes, séries, roupas, etc. E tinham MUITAS coisas que eu queria vestir, fazer, ser, ouvir e NINGUÉM IMAGINAVA QUE IRIA ACONTECER. E agora eu ando na rua e tem criança vestida com minha ROUPA DOS SONHOS!

Eu queria poder andar na rua com calça skinny, óculos Ray-ban (Wafarer), lenço xadrez, camisa, colete... e não vendia. Não mesmo. Isso tudo era moda da geração passada, nossos pais. E então eu nem ia atrás de conseguir algo assim, porque não tinha mesmo.

E de repente até minhas professoras usam lenço xadrez.

O que quero dizer é que tudo isso que era obscurecido e não tinha chegado aos olhos do povão, e eu já queria mostrar que conhecia. Porque eu gostava. Não porque "tá se usando agora", "tá entre as dez melhores", "ganhou um oscar qualquer", etc. Não. Eu queria porque era com o que eu me identificava.

E agora, se eu ando na rua com uma coisa dessas, eu vou virar só mais uma.

Minha amiga queria uma calça colorida a anos atrás. Ela achou uma azul em Curitiba por R$79,00. Ela foi uma das primeiras. Daí uns caras bem babacas que montaram uma banda resolveram que era legal pegar trinta cores e vesti-las de uma só vez. E roubar os óculos dos nerds, pra deixar claro.

E agora se ela andar na rua com aquilo, vão achar que ela é colorida. E ELA NÃO É! ELA ODEIA ESSAS BANDAS COLORIDAS!

É daí que chegamos na questão dos esteriótipos, que eu discuti brevemente a uns posts atrás. Um cara não pode vestir e ouvir e gostar, falar, comer, assistir, sei lá, o que quer, porque vai ser julgado. Ele vai ser julgado e vão montar toda uma opinião sobre ele. É UM CONCEITO CRIADO ANTES DE CONHECÊ-LO. É UM PRECONCEITO.

E isso é errado. Uma pessoa pode ouvir "garota radical" e não ser colorida. Pode ver Hannah Montana e não ser um bebezão. Pode usar camiseta de Iron Maiden e não ser do inferno. Pode cantar "Higway to Hell" e não querer ir pro inferno. Pode ouvir Jonas Brothers mas pode ouvir também Aretha Franklin, Elton John, Queen, Black Sabbath. Pode ler e assistir Harry Potter e gostar do Crepúsculo e vice-versa. Pode assistir Star Wars e Star Trek e não ser nerd.

Claro que alguns dos exemplos que dei são deprimentes, mas é a verdade. O que a pessoa gosta/lê/ouve/assiste/veste não interfere no que ela é por dentro.

Por isso, antes de julgar alguém, pense em como aquele alguém pode ser surpreendente. E em como alguém pode não gostar só do que está na moda (tipo eu; que culpa tenho se o que gosto explode). E em como é um absurdo você não poder usar o que quer porque vai ser julgado como modinha/algum estilo qualquer.

Ou, pior, como esse alguém pode não ser julgado e virar só mais um alguém. Um OUTRO POR-FORA.

Comentários

  1. Issae - Nath com preguiça de digitar a senha do orkut

    ResponderExcluir
  2. SHLAHSKAHLHAKHAKSHAKLS euri muito

    preguiçosa, não pode não u.u'

    ResponderExcluir
  3. alguém já disse que você ahaza? pois é, você ahaza!

    ResponderExcluir
  4. Concordo plenamente e queria acrescentar que uma das coisas que mais me irrita é alguém falar que gosta de uma coisa só porque tem amigos que gostam ou coisa do tipo. Cadê a autenticidade? Busquem formar uma opinião própria!
    E Let...você é demais

    ResponderExcluir
  5. é verdade elo, autenticidade é tudo!

    nossa gente, assim vou ficar me achando oO' HSLAKHS

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Eu odeio gripe

Sabe, eu poderia falar de muitas coisas. Poderia falar do aquecimento global, das eleições, das pessoas babacas... Mas não.

Vou falar da minha garganta.

Porque estava indo tudo bem. O frio estava chegando sem nariz escorrendo, garganta inflamada ou coisa assim. Eu ia montar um altar pra alguém (não sei quem, mas ia) em comemoração a isso, porque é um milagre eu não ter ficado com absolutamente nenhuma marca da mudança de tempo.

Mas então hoje, do nada, minha garganta ficou irritada.

Sabe quando fica difícil de engolir, coça, e parece que você poderia tossir para sempre? É assim minha situação agora.

Eu, pessoalmente, acho que é castigo. Porque, mentalmente, "caçoei" das pessoas que tinham ficado assim. Não foi bem um "ahaha, você está doente e eu não". Na verdade foi mais um "nossa, ele tá doente e eu tô na boa!".

E agora aqui estou.

E, sabe o mais cômico? Tá um frio do caramba e a única coisa que alivia minha garganta (comprovado por mim mesma ao longo do…

Real Demais

Caminhou tremulamente até a ponta. Olhou para baixo e viu o mundo. Estava tão no alto, tão superior às pessoas e carros minúsculos lá embaixo... Até os outros prédios pareciam pequenos. Resolveu sentar-se.

Sua espinha congelava enquanto se movia lentamente, para sentar-se. Precisou forçar tanto sua coluna para baixo que sentiu que ela era um pedaço de gelo quebrando-se. Seu braço estava arrepiado. Ela odiava alturas.

Não poderia arriscar olhar para cima, porque seria tão ruim ou pior. A imensidão sobre sua cabeça lhe causava arrepios, principalmente estando sentada em um lugar tão... instável. Se desequilibraria mais facilmente ainda.

Ficou parada um tempo, decidindo para que ponto olhar. Percebeu que manter a cabeça reta e os olhos baixos não lhe trazia aquela sensação... horrível. A cabeça girava, tudo ficava preto, o coração acelerava...

Tum. Tum. Tum.

Ela se virou e revistou a mochila. Tirou algo de lá e, lentamente, esticou uma perna para baixo. Depois se arrastou para frente co…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…