Pular para o conteúdo principal

Papel e Caneta

Uma crônica/conto/sei lá pra alegrar (ou não) você.


A aproximação foi lenta. Primeiro uma breve reverência, pois educação nunca é demais. Depois se tocaram e algo mágico começou ali. Uma dança. Era um balé, ensaiado, nos compassos certos, com piruetas e saltos. Às vezes, caiam. Mas logo se reerguiam e recomeçavam a dançar.

Depois mudaram o ritmo. Uma salsa, talvez? Nuances em seus passos, uma mistura de tantos estilos.

E não importava a cor de um ou de outro, o formato, suas origens. A arte final era maravilhosa do mesmo modo. Algo fluía e vazava para o mundo observar e admirar. Algo para pensar, sentir, tocar, observar, viver.

Seus passos eram fortes e decididos, e então se aquietavam e, repentinamente, se tornavam tranquilos e relaxantes. Quando isso ocorria, era possível identificar algumas lágrimas de comoção dos espectadores.

E não era só isso.

Como se cada passada falasse, uma nota musical ou um som eram ouvidos. Depois, era possível ver pequenos mundos surgindo de seus saltos, piruetas e pliês.

Num momento haviam flores, raios de sol, uma música lenta e tranquila. Era possível sentir a cumplicidade dos dançarinos dentro de si próprio. E então algo acontecia. Penso que eram as benditas nuances de ritmos. Agora, sentia-se melancolia, ouviam-se notas estrondosas e via-se uma lua tristonha refletindo em um lago tristonho.

Mas que belo era assistir à tudo aquilo. Podia durar todo o tempo do mundo, a eternidade. Aquela era a mais bela dança já vista e, com certeza, a obra final era a mais bela e de melhor gosto.

Mas infelizmente, tudo tem um fim. Fui obrigada a ver a caneta pousando no papel. A tinta secando enquanto a luz era apagada e uma bela história era deixada para trás.

Mas vou te contar um segredo: nenhuma história realmente é deixada para trás; elas são imortalizadas para outras pessoas poderem sempre apreciar a bela dança do papel e da caneta.

Comentários

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

As minhas Bienais do Livro

Mais um ano de Bienal do Livro de São Paulo passou por aí. Mais um monte de dias de livros, autores, leitores, cosplays, cenários e brindes.

Um dia em que fui eu.

Depois de um longo tempo sem ter vontade e energia para ler e escrever, comecei a voltar para este universo, pouco a pouco. Escrevi aqui e ali, voltei com o blog e comecei a ler um livro no meu Kobo.

Aí veio a Bienal e fiz minha listinha. Compraria coisas para dar aula e HQs que queria há muito tempo. Não achei as HQs, não comprei livros para dar aula, comprei outros que sempre quis ou que me interessei na hora. Comprei jogos. Comprei colecionáveis.

Mas a parte mais legal foi interagir com autores e leitores e divulgar o por-fora. Cumprindo, de certa forma, o que prometi há tanto tempo...

Vamos passear um pouco pelas minhas Bienais.

Há oito anos, quando estava no Ensino Médio, fui com a escola em minha primeira Bienal. Rendeu alguns livros, um botton que amo muito (eu coleciono e amo demais) e muitas fotos épicas com os amig…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…