Pular para o conteúdo principal

Papel e Caneta

Uma crônica/conto/sei lá pra alegrar (ou não) você.


A aproximação foi lenta. Primeiro uma breve reverência, pois educação nunca é demais. Depois se tocaram e algo mágico começou ali. Uma dança. Era um balé, ensaiado, nos compassos certos, com piruetas e saltos. Às vezes, caiam. Mas logo se reerguiam e recomeçavam a dançar.

Depois mudaram o ritmo. Uma salsa, talvez? Nuances em seus passos, uma mistura de tantos estilos.

E não importava a cor de um ou de outro, o formato, suas origens. A arte final era maravilhosa do mesmo modo. Algo fluía e vazava para o mundo observar e admirar. Algo para pensar, sentir, tocar, observar, viver.

Seus passos eram fortes e decididos, e então se aquietavam e, repentinamente, se tornavam tranquilos e relaxantes. Quando isso ocorria, era possível identificar algumas lágrimas de comoção dos espectadores.

E não era só isso.

Como se cada passada falasse, uma nota musical ou um som eram ouvidos. Depois, era possível ver pequenos mundos surgindo de seus saltos, piruetas e pliês.

Num momento haviam flores, raios de sol, uma música lenta e tranquila. Era possível sentir a cumplicidade dos dançarinos dentro de si próprio. E então algo acontecia. Penso que eram as benditas nuances de ritmos. Agora, sentia-se melancolia, ouviam-se notas estrondosas e via-se uma lua tristonha refletindo em um lago tristonho.

Mas que belo era assistir à tudo aquilo. Podia durar todo o tempo do mundo, a eternidade. Aquela era a mais bela dança já vista e, com certeza, a obra final era a mais bela e de melhor gosto.

Mas infelizmente, tudo tem um fim. Fui obrigada a ver a caneta pousando no papel. A tinta secando enquanto a luz era apagada e uma bela história era deixada para trás.

Mas vou te contar um segredo: nenhuma história realmente é deixada para trás; elas são imortalizadas para outras pessoas poderem sempre apreciar a bela dança do papel e da caneta.

Comentários

Postagens mais visitadas

Eu odeio gripe

Sabe, eu poderia falar de muitas coisas. Poderia falar do aquecimento global, das eleições, das pessoas babacas... Mas não.

Vou falar da minha garganta.

Porque estava indo tudo bem. O frio estava chegando sem nariz escorrendo, garganta inflamada ou coisa assim. Eu ia montar um altar pra alguém (não sei quem, mas ia) em comemoração a isso, porque é um milagre eu não ter ficado com absolutamente nenhuma marca da mudança de tempo.

Mas então hoje, do nada, minha garganta ficou irritada.

Sabe quando fica difícil de engolir, coça, e parece que você poderia tossir para sempre? É assim minha situação agora.

Eu, pessoalmente, acho que é castigo. Porque, mentalmente, "caçoei" das pessoas que tinham ficado assim. Não foi bem um "ahaha, você está doente e eu não". Na verdade foi mais um "nossa, ele tá doente e eu tô na boa!".

E agora aqui estou.

E, sabe o mais cômico? Tá um frio do caramba e a única coisa que alivia minha garganta (comprovado por mim mesma ao longo do…

Real Demais

Caminhou tremulamente até a ponta. Olhou para baixo e viu o mundo. Estava tão no alto, tão superior às pessoas e carros minúsculos lá embaixo... Até os outros prédios pareciam pequenos. Resolveu sentar-se.

Sua espinha congelava enquanto se movia lentamente, para sentar-se. Precisou forçar tanto sua coluna para baixo que sentiu que ela era um pedaço de gelo quebrando-se. Seu braço estava arrepiado. Ela odiava alturas.

Não poderia arriscar olhar para cima, porque seria tão ruim ou pior. A imensidão sobre sua cabeça lhe causava arrepios, principalmente estando sentada em um lugar tão... instável. Se desequilibraria mais facilmente ainda.

Ficou parada um tempo, decidindo para que ponto olhar. Percebeu que manter a cabeça reta e os olhos baixos não lhe trazia aquela sensação... horrível. A cabeça girava, tudo ficava preto, o coração acelerava...

Tum. Tum. Tum.

Ela se virou e revistou a mochila. Tirou algo de lá e, lentamente, esticou uma perna para baixo. Depois se arrastou para frente co…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…