Pular para o conteúdo principal

Opiniões Divergentes

Estou fazendo um post muito sério, o que acho que vai ser um certo disperdício porque ninguém lê este blog. Mas eu realmente não ligo.

Tudo começou quando eu estava no almoço e minha tia, mais uma vez, não permitiu que eu expressasse minha opinião. No caso era sobre Crepúsculo, coisa que ela é fã. Mas ela sempre é assim, qualquer opinião divergente da dela ela não quer nem escutar. Foi assim com Avatar também. O que é irônico, porque ela dava bronca em MIM dizendo que eu era assim.

Enfim. Eu gosto quando as pessoas são daquele tipo que ouvem você até o fim, escutam seus motivos para pensar daquela forma, e depois concordam ou não com você. Hoje no almoço, eu ia dizer que um escritor não escreve sobre o que não conhece. E ela não me escutou. "É ficção, ela fala o que quer". PORRA, mas e daí?

Um engenheiro não vai construir um prédio se ele se especializou em pontes.

Depois disso, eu faço a besteira de ir no Twitter e ver nos trending topics as pessoas falando (NO MUNDO) do Felipe Neto. Porque as pessoas perdem tempo falando sobre o nada?

Tipo, eu também gasto o tempo na internet. Mas ultimamente tenho gasto meu tempo neste blog, tanto que abandonei TODOS os meus projetos. E aposto que o Felipe gasta o tempo dele com o canal dele e todos os outros trabalhos dele na internet.

Mas e os caras que sentam no computador e apenas ficam sendo tietes (o que admito que também já fiz) ou chingadores compulsivos? Felipe Neto nos assuntos mais falados do mundo, em segundo lugar, é simplesmente RIDÍCULO. As pessoas perdem tempo com besteira. Estamos em época de eleições e as pessoas que votam também estão "tietando" ou "trolando" por aí. E as crianças que não votam, que deveriam se preocupar com o próprio futuro (tanto pessoal - estudos e etc - quanto em um sentido planetário - se liga no estado em que o planeta está!) também estão perdendo tempo. Claro que eu também estou perdendo meu tempo agora, você pode achar que sou hipócrita, mas porque tenho postado tão pouco aqui?

Estou vivendo minha vida.

E é isso que as pessoas tem que fazer. Eu não conseguia fazer direito, achava que estava conseguindo, mas só agora comecei a realmente viver. Sair de casa, ver a luz do Sol, conhecer lugares novos, pessoas novas, ver a natureza, sair um pouco do concreto, ver as coisas simples e bonitas. Ver, simplesmente.

Porque acho, ou melhor, tenho certeza de que é ISSO que falta no mundo hoje em dia. Se ocupar com coisas que são realmente necessárias, que valem a pena. Porque ao invés de perder o tempo chingando alguém no twitter, você não sai com seus amigos para ir caminhar, conversar? Não tem amigos? Faça alguns!

As pessoas precisam aprender a enxergar a felicidade nas pequenas coisas da vida. A ver o lado bom das coisas e, mais que tudo, a ver o que há dentro do outro. Não é fácil, mas não é impossível.

É exatamente o que tentaram mostrar em Avatar. E é aí que vem minha crítica que, por ser uma opinião divergente, não pude expor. Com o desespero em mostrar os grandes efeitos gráficos, a moral do filme ficou esquecida, jogada de lado. Eles perderam o foco, mostraram guerra, dor, sofrimento e explosões, ao invés de mostrarem o que deveria ser nossa primeira lição de vida, porque é ela que guia para todas as outras. Aquele tal do "eu vejo você".

Agora desligue seu computador e vá VER o mundo.

Comentários

  1. GENIAL!!! Nossa, essa palavra tá sempre presente nos meus comentário nos seus posts por uma razão né..... vai ver é porque você é genial mesmo. Ah-dorei! To boquiaberta, você sempre me surpreende! Te adoro, Let <3

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

As minhas Bienais do Livro

Mais um ano de Bienal do Livro de São Paulo passou por aí. Mais um monte de dias de livros, autores, leitores, cosplays, cenários e brindes.

Um dia em que fui eu.

Depois de um longo tempo sem ter vontade e energia para ler e escrever, comecei a voltar para este universo, pouco a pouco. Escrevi aqui e ali, voltei com o blog e comecei a ler um livro no meu Kobo.

Aí veio a Bienal e fiz minha listinha. Compraria coisas para dar aula e HQs que queria há muito tempo. Não achei as HQs, não comprei livros para dar aula, comprei outros que sempre quis ou que me interessei na hora. Comprei jogos. Comprei colecionáveis.

Mas a parte mais legal foi interagir com autores e leitores e divulgar o por-fora. Cumprindo, de certa forma, o que prometi há tanto tempo...

Vamos passear um pouco pelas minhas Bienais.

Há oito anos, quando estava no Ensino Médio, fui com a escola em minha primeira Bienal. Rendeu alguns livros, um botton que amo muito (eu coleciono e amo demais) e muitas fotos épicas com os amig…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…