Pular para o conteúdo principal

Opiniões Divergentes

Estou fazendo um post muito sério, o que acho que vai ser um certo disperdício porque ninguém lê este blog. Mas eu realmente não ligo.

Tudo começou quando eu estava no almoço e minha tia, mais uma vez, não permitiu que eu expressasse minha opinião. No caso era sobre Crepúsculo, coisa que ela é fã. Mas ela sempre é assim, qualquer opinião divergente da dela ela não quer nem escutar. Foi assim com Avatar também. O que é irônico, porque ela dava bronca em MIM dizendo que eu era assim.

Enfim. Eu gosto quando as pessoas são daquele tipo que ouvem você até o fim, escutam seus motivos para pensar daquela forma, e depois concordam ou não com você. Hoje no almoço, eu ia dizer que um escritor não escreve sobre o que não conhece. E ela não me escutou. "É ficção, ela fala o que quer". PORRA, mas e daí?

Um engenheiro não vai construir um prédio se ele se especializou em pontes.

Depois disso, eu faço a besteira de ir no Twitter e ver nos trending topics as pessoas falando (NO MUNDO) do Felipe Neto. Porque as pessoas perdem tempo falando sobre o nada?

Tipo, eu também gasto o tempo na internet. Mas ultimamente tenho gasto meu tempo neste blog, tanto que abandonei TODOS os meus projetos. E aposto que o Felipe gasta o tempo dele com o canal dele e todos os outros trabalhos dele na internet.

Mas e os caras que sentam no computador e apenas ficam sendo tietes (o que admito que também já fiz) ou chingadores compulsivos? Felipe Neto nos assuntos mais falados do mundo, em segundo lugar, é simplesmente RIDÍCULO. As pessoas perdem tempo com besteira. Estamos em época de eleições e as pessoas que votam também estão "tietando" ou "trolando" por aí. E as crianças que não votam, que deveriam se preocupar com o próprio futuro (tanto pessoal - estudos e etc - quanto em um sentido planetário - se liga no estado em que o planeta está!) também estão perdendo tempo. Claro que eu também estou perdendo meu tempo agora, você pode achar que sou hipócrita, mas porque tenho postado tão pouco aqui?

Estou vivendo minha vida.

E é isso que as pessoas tem que fazer. Eu não conseguia fazer direito, achava que estava conseguindo, mas só agora comecei a realmente viver. Sair de casa, ver a luz do Sol, conhecer lugares novos, pessoas novas, ver a natureza, sair um pouco do concreto, ver as coisas simples e bonitas. Ver, simplesmente.

Porque acho, ou melhor, tenho certeza de que é ISSO que falta no mundo hoje em dia. Se ocupar com coisas que são realmente necessárias, que valem a pena. Porque ao invés de perder o tempo chingando alguém no twitter, você não sai com seus amigos para ir caminhar, conversar? Não tem amigos? Faça alguns!

As pessoas precisam aprender a enxergar a felicidade nas pequenas coisas da vida. A ver o lado bom das coisas e, mais que tudo, a ver o que há dentro do outro. Não é fácil, mas não é impossível.

É exatamente o que tentaram mostrar em Avatar. E é aí que vem minha crítica que, por ser uma opinião divergente, não pude expor. Com o desespero em mostrar os grandes efeitos gráficos, a moral do filme ficou esquecida, jogada de lado. Eles perderam o foco, mostraram guerra, dor, sofrimento e explosões, ao invés de mostrarem o que deveria ser nossa primeira lição de vida, porque é ela que guia para todas as outras. Aquele tal do "eu vejo você".

Agora desligue seu computador e vá VER o mundo.

Comentários

  1. GENIAL!!! Nossa, essa palavra tá sempre presente nos meus comentário nos seus posts por uma razão né..... vai ver é porque você é genial mesmo. Ah-dorei! To boquiaberta, você sempre me surpreende! Te adoro, Let <3

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

À Luz da Manhã

Para Matheus e João.
Ouça. Crescer é como correr descalço na areia. Os pequenos grãos tocam sua pele e você sente, mesmo com a maciez do movimento ou o impacto suave, a aspereza do solo. A sensação é incômoda, mas ao mesmo tempo libertadora. Você para, então, e olha ao redor. Olha as marcas de seu pé no caminho que fez e o modo como, em alguns momentos, eles foram suaves e quase imperceptíveis e, em outros, foram largos e espalhafatosos. Você olha para o outro lado e vê o quanto ainda há para ser marcado. O som do oceano chega aos seus ouvidos e a brisa sopra seus cabelos e você sorri: está bem ali, entre onde já correu e para onde ainda vai correr. Mas, no fim, você só quer sentir seus pés afundando na areia enquanto o mar sopra sua canção ao vento.
Crescer é como subir uma colina de grama verde molhada pelo orvalho da manhã. Você quer saber, mais do que tudo, o que há do outro lado: serão montanhas ou vales? Serão córregos ou lagos? Que tipos de árvores haverão para serem escaladas? …

Dia Três: Walmart e Downtown Disney

Dia 15... de Setembro, sábado.

A dois meses atrás, na hora que estou escrevendo isso, contando o fuso-horário, eu estava me arrumando, ou tomando café ou pegando o táxi. Alguma coisa assim.

Nosso café da manhã nesse dia foi o resto da pizza da noite anterior. Estive refletindo sobre o assunto e, sim, nós jantamos uma pizza enorme e linda e sobrou mais um monte para o café da manhã (e foi o que comi). A pizza americana não é tão boa quanto a nossa, mas também não é ruim. É aceitável, digamos assim. Apesar de que em certo ponto da viagem eu já não aguentava mais olhar pra dita cuja.

Só que eu adoraria olhá-la agora, afinal, significaria que estou lá, entende? Ok, prometo que parei.

Enfim, pegamos um táxi na porta do hotel. Vou falar um pouco do hotel, já que não tem muito o que ficar falando do Walmart. Tinha uma sala "Arcade", mas acabamos nem entrando nela porque não deu tempo, no mesmo corredor que (uma das) a entrada do "restaurante" e também a loja (uma miniatura…