Pular para o conteúdo principal

Tudo Ao Mesmo Tempo Agora

Tenho muitos posts a fazer. Mas ESTE vale a pena fazer AGORA. Mesmo com tendinite. Mesmo com idéias para outras coisas borbulhando na cabeça.

Porque o amor é bem maior que tudo isso.

A oito anos, nove meses e 21 dias eu conheci algo grande, que mudou minha vida. Neste dia, minha tia ganhou um livro, que ela havia ouvido falar, e ela pediu de aniversário. Lhe deram os dois primeiros volumes de uma série, que na época tinha só até o quarto volume. E, mais ou menos no dia seguinte, ela se sentou comigo e começou a ler. Eu tinha apenas sete anos (um número curioso, levando em conta o número de livros na série e o quão importante este número é na saga toda) e não sabia ler muito bem (pelo menos não livros daquele jeito).

Como por magia, o nome Harry Potter, e tudo o que era relacionado a ele, se gravou em meu coração. Talvez como a cicatriz de trovão do garotinho, eu tenha uma marca permanente aqui dentro.

Eu me lembro de tudo o que senti quando li os primeiros capítulos com minha tia. Me lembro que naquele dia paramos no capítulo oito, mais ou menos. E me lembro que, mais tarde, no lançamento do filme, fui com minha avó e minha tia avó. Nos sentamos bem na frente e de lado, e havia tanta gente na sala que muitos sentaram no chão. E me lembro também de cada coisa que se passou pela minha cabeça e daquele sentimento indescritível dentro de mim.

A partir dai, foi um livro a cada ano, e muitas idas no cinema a cada filme. Comecei minha coleção de coisas de Harry Potter, e meu amor só cresceu. Me lembro de ficar escondida no banheiro lendo os outros livros durante toda a madrugada e não aguentando a escola de manhã. Me lembro das lições, dos risos, das lágrimas.

Essa série não só me divertiu durante muitos anos. Ela dividiu (e divide) uma vida comigo. Olhando agora para trás, ela me deu forças e me ajudou em muitos momentos. O que Harry vivia no papel, eu vivia em minha vida. Quando ele perdeu seu padrinho, eu perdi o meu, então foi como se um ajudasse o outro a superar isso.

E conforme ele cresceu, eu também cresci. E quando ele fez 15, decidiu que seria auror. Quando eu fiz 15, descobri que o que sempre amei, e o que eu precisava ser, era escritora.

Porque a mulher que criou tudo aquilo era escritora (claro).

E hoje, Harry faz 30 anos. E, olha que coincidência, a mulher que criou tudo isso, J.K. Rowling, faz 45. E, puxa vida, Richard Griffts, o tio Válter, faz 63 anos!

Sou eternamente grata por tudo o que eles me ensinaram e fizeram por mim. E espero continuar aprendendo e vivendo com eles por muito mais anos.

Feliz aniversário!



Mudando de assunto (mas nem tanto assim)...

Está se perguntando "Por que tudo ao mesmo tempo agora?"?

Bom, hoje também é "Meg Cabot Day", outra mulher maravilhosa que me inspira a muitos anos com seus vários livros maravilhosos e que participou da minha decisão por escrever também. A minha segunda maior inspiração, como escritora. Eu a amo demais e acho que vou ler um de seus livros hoje, comendo chocolate (como ela sugeriu).

E, também, faltam 98 dias para o show de Jonas Brothes e Demi Lovato. Eles, ocupando o pódio de inspirações da vida em primeiro lugar junto com Harry, e de inspirações da música em primeiro lugar, sozinhos. Ela, empatada com mais algumas moças fantásticas, está classificada como diva da música, e também é uma boa inspiração.

Acho que já deu pra perceber que hoje é um dia muito agitado (porque, além de tudo isso, tive de terminar uma super lista de exercícios - socorro!) e por isso o título.

Mas quem não gosta de viver uma agitação, tudo ao mesmo tempo agora?

Comentários

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

À Luz da Manhã

Para Matheus e João.
Ouça. Crescer é como correr descalço na areia. Os pequenos grãos tocam sua pele e você sente, mesmo com a maciez do movimento ou o impacto suave, a aspereza do solo. A sensação é incômoda, mas ao mesmo tempo libertadora. Você para, então, e olha ao redor. Olha as marcas de seu pé no caminho que fez e o modo como, em alguns momentos, eles foram suaves e quase imperceptíveis e, em outros, foram largos e espalhafatosos. Você olha para o outro lado e vê o quanto ainda há para ser marcado. O som do oceano chega aos seus ouvidos e a brisa sopra seus cabelos e você sorri: está bem ali, entre onde já correu e para onde ainda vai correr. Mas, no fim, você só quer sentir seus pés afundando na areia enquanto o mar sopra sua canção ao vento.
Crescer é como subir uma colina de grama verde molhada pelo orvalho da manhã. Você quer saber, mais do que tudo, o que há do outro lado: serão montanhas ou vales? Serão córregos ou lagos? Que tipos de árvores haverão para serem escaladas? …

Dia Três: Walmart e Downtown Disney

Dia 15... de Setembro, sábado.

A dois meses atrás, na hora que estou escrevendo isso, contando o fuso-horário, eu estava me arrumando, ou tomando café ou pegando o táxi. Alguma coisa assim.

Nosso café da manhã nesse dia foi o resto da pizza da noite anterior. Estive refletindo sobre o assunto e, sim, nós jantamos uma pizza enorme e linda e sobrou mais um monte para o café da manhã (e foi o que comi). A pizza americana não é tão boa quanto a nossa, mas também não é ruim. É aceitável, digamos assim. Apesar de que em certo ponto da viagem eu já não aguentava mais olhar pra dita cuja.

Só que eu adoraria olhá-la agora, afinal, significaria que estou lá, entende? Ok, prometo que parei.

Enfim, pegamos um táxi na porta do hotel. Vou falar um pouco do hotel, já que não tem muito o que ficar falando do Walmart. Tinha uma sala "Arcade", mas acabamos nem entrando nela porque não deu tempo, no mesmo corredor que (uma das) a entrada do "restaurante" e também a loja (uma miniatura…