Pular para o conteúdo principal

Desculpe-nos o Transtorno

Já foi em algum lugar público em reforma? Eles sempre põe aquelas placas "desculpe-nos o transtorno. Estamos em reforma para melhor atendê-los".

Não! Não desculpo!

Porque, oi, eu vou em um lugar público para poder fazer todas as atividades que aquele lugar me proporciona. Só que quando aparece uma placa dessas, metade das atividades vai por água abaixo!

Ontem eu fui no shopping. Aquele lugar onde tem montes de lojas, restaurantes, pessoas, atrações, pessoas, vendedores chatos que te cercam cada vez que você entra em uma loja, pessoas. E o shopping que eu fui está passando por uma reforma.

Até a última vez que havia visitado aquele shopping, ele tinha um pedaço do último andar todo fechado. E, além disso, tapumes no teto da praça de alimentação (porque o arquiteto - ou engenheiro - genial que construiu aquilo fez o favor de deixar a praça de alimentação aberta para o parque das crianças, no andar de cima, que é onde eles estavam reformando. Imaginem o barulho desses dois ambientes, somados a um teto abobadado. Acústica horrenda) que abafavam o som, o que até foi bom.

Só que ontem eles tinham piorado ainda mais a situação.



Porque quando estavam os tapumes estava tudo bem. Haviam umas colunas aqui e ali para segurar os tapumes, mas dava para andar muito bem por lá. Só que agora, eles diminuíram dois terços do espaço da fila do cinema com mais tapumes. Eles fizeram a cafeteria praticamente fechar. Porque ela tem aqueles plásticos que se desenrolam e prendem no chão, que na rua são de metal. Eu esqueci o nome disso.

Enfim, eles puxaram o que fica BEM NA FRENTE da cafeteria, porque o tapume está colado ali. Isso significa que pra passar de um lado para o outro na praça de alimentação você tem que:

a) Entrar no cinema e sair;
b) Passar espremido por entre as mesas da cafeteria;
c) Dar uma volta no shopping novamente.

E, se você acha que isso é tudo, se engana. É, porque os caras conseguiram piorar muito mais as coisas.

Sabe as mesas de mármore, em que a mesa em si e as cadeiras são presas no chão? Pois bem, querendo fazer o shopping parecer mais chique, eles trocaram essas mesas por mesas de madeira (que ficam presas no chão) e cadeiras móveis. Eu não reclamaria dessa ideia, porque até que é legal, mas o problema é que eles conseguiram misturar DOIS tipos de cadeira, uma quadrada e uma redonda. E, além disso (sim, ainda tem mais), colocaram aqueles bancos que é uma coisa só com um encosto/parede. Eles são legais, se você colocar encostado na parede e eles terminarem no meio das suas costas.

Só que os que colocaram no shopping estão desordenados, ocupando lugar, fazendo um paredão no meio do caminho e são tão altos que as cabeças das pessoas encostam nele.

Então não podemos dizer que está exatamente bonito.

E o pior é que em cidade de praia é chover que vai todo mundo pro shopping mais próximo (ou mais "top"). E, como o shopping em questão é o maior e "o mais legal"... Aquilo tinha tanta gente que tinha gente pendurada no lustre, praticamente.

Ok, nem tanto. Mas quase isso.

Enfim, espero que acabem logo com isso. E que dêem um jeito na decoração tosca que colocaram lá. Se não eles não poderão tirar aquelas placas irritantes.

E desculpe o transtorno do abandono deste blog. Estou em aulas.

Ou não desculpe também. Eu nem ligo pra você... talvez.

Comentários

  1. Eu já disse que você é genial? Acho que já :/ Pena, então não sei o que falo ):

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

As Bolhas

Sigo uma filosofia de olhar todos como neutros. Cada dia, as pessoas são uma coisa. De vez em quando, bolhas de sabão. Outras vezes, são todos bonecos de papelão.
Não importa a figura do dia, todos são idênticos à minha frente.
Não os vejo assim porque penso em um mundo massificado onde todos são iguais, dominados e alienados. Nada disso. Mesmo porque, de qualquer forma, já vivemos mais ou menos assim.
Os vejo como bolhas de sabão porque sei que é o certo a se fazer. Enquanto não conhecer a pessoa, ela é uma bolha. Dentro há uma infinidade de curiosidades para se descobrir. Quando a bolha estoura descubro o nome e, depois, a pessoa em si. Como ela é, o que pensa, o que gosta.
E, ainda assim, mesmo depois de a bolha estourar, tenho em mente que todos fomos bolhas. Eu era a bolha dele, ele a minha, nós dois a sua.
Escolhi bolhas porque elas são simplesmente redondas, de sabão e ar, e flutuam por aí, iguais, livres. Mas todas têm um brilho especial ao sol e um quê de diversão... Quem não gost…

À Luz da Manhã

Para Matheus e João.
Ouça. Crescer é como correr descalço na areia. Os pequenos grãos tocam sua pele e você sente, mesmo com a maciez do movimento ou o impacto suave, a aspereza do solo. A sensação é incômoda, mas ao mesmo tempo libertadora. Você para, então, e olha ao redor. Olha as marcas de seu pé no caminho que fez e o modo como, em alguns momentos, eles foram suaves e quase imperceptíveis e, em outros, foram largos e espalhafatosos. Você olha para o outro lado e vê o quanto ainda há para ser marcado. O som do oceano chega aos seus ouvidos e a brisa sopra seus cabelos e você sorri: está bem ali, entre onde já correu e para onde ainda vai correr. Mas, no fim, você só quer sentir seus pés afundando na areia enquanto o mar sopra sua canção ao vento.
Crescer é como subir uma colina de grama verde molhada pelo orvalho da manhã. Você quer saber, mais do que tudo, o que há do outro lado: serão montanhas ou vales? Serão córregos ou lagos? Que tipos de árvores haverão para serem escaladas? …

Sobre os meses sem novas postagens

Estudar é difícil. Você tem que usar seu tempo para isso e acaba não dando a atenção que devia para as outras coisas da sua vida, no meu caso, a escrita. E meu blog.

Então, o motivo para meu sumiço absoluto é esse (além de alguns acontecimentos no meio do caminho que sugaram minha força de vontade). Porém, estou ajeitando o caminho para voltar, talvez não com tudo ainda, mas voltar.

Preparem-se, "Letícia is coming".

Dentro em breve novas postagens, algumas de alguns textos escritos ao longo do ano e outras de textos escritos agora. E é isso aí.

Obrigada pela atenção!