Pular para o conteúdo principal

Filmes Educativos (ou não)

Uma vez eu estava com a televisão ligada porque alguém estava vendo alguma coisa. Olhei pra dita cuja (a TV, não o "alguém") e vi uns homens sequestrando uma mulher. Pra isso eles chegaram por trás com um pano cheio de clorofórmio e colocaram no rosto dela. Ela desmaiou e eles colocaram-na dentro do carro.

O que aprendi com isso?

Aprendi que os filmes ensinam coisas erradas. Afinal de contas, eles ensinaram como sequestrar uma pessoa usando clorofórmio!! Isso não está certo!!

E aqueles filmes de terror, de serial killer? Eles MOSTRAM o que o cara faz pra matar as pessoas. Oi? Tem muito psicopata que vai no cinema. Eu acho. E daí me vem e ensinam a matar pessoas!

E depois tem aquela série de filmes que virou até piadinha, onde o garoto é esquecido em casa. O que esse filme te ensina?

1- Não prenda seu filho no sótão na noite antes de viajar, principalmente se sua casa está lotada de pessoas e você tem um vizinho parecido com ele;
2- Ponha um despertador e não confie na sua mãe para acordar;
3- Se você ficar sozinho em casa no feriado de Natal, nada melhor que bagunçar ela toda;
4- Se dois bandidos querem invadir sua casa, construa armadilhas absurdas e torça para que eles sejam dois babacas;
5- Não pegue carona no caminhão de pessoas alegres demais que tocam músicas alegres demais;
6- Preste atenção nos policiais que visitam sua casa;
7- Use bombinhas e uma fita cassete para assustar o pobre entregador de pizza.

Esses são alguns exemplos de lições aprendidas com o Esqueceram de Mim. O um. Porque também eu nem sei se assisti os outros. De qualquer modo, podemos ter certeza de uma coisa: a mãe do garoto não aprendeu a lição de cara.

Mas é claro também que existem filmes com lições legais. Que inicialmente parecem inúteis mas que quando você menos esperar vai aparecer a oportunidade de usá-las. Por exemplo, quem nunca quis usar a frase "Eu vi isso num filme"? Uma vez minha latinha não abriu e o anelzinho (que não faço ideia de como se chama aquilo, mas enfim) caiu. Dai meu amigo João disse "Ah, pera, me dá uma chave, eu vi isso num filme" e ele pressionou a chave na latinha pra abrir e TCHARAM!

Ou seja, nós podemos extrair coisas úteis de filmes. Afinal, o que eu poderia fazer com a latinha se eu não soubesse daquilo?

Comentários

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…