Pular para o conteúdo principal

Consulta Com o Amor

Pensei nisso hoje no almoço, como uma cena de filme meio anos 40, e achei legal escrever e colocar aqui. Divirta-se. (editado 11/03/12 - imagem meramente ilustrativa, não imagine a cena exatamente como está na imagem)

- Estou com um problema, Doutor! - a moça disse se sentando na cadeira de madeira, de frente para o médico que se sentava do outro lado da mesa, também de madeira. Ela olhou para o homem grisalho de sorriso simpático. Ele tinha olhos acinzentados e usava óculos. E, apesar de parecer bem arrumado e estar sorrindo, podia-se perceber que estava cansado.
- Diga, minha jovem, o que a aflige? - ele olhou para a jovem na sua frente, que tinha os cabelos longos presos em uma trança e usava um sobretudo que cobria a maior parte de sua roupa, só deixando a mostra os sapatos e a calça. Ela parecia pálida e suava frio, seus olhos castanhos buscavam consolo e, de vez em quando, ela assoava o nariz afinado com um lenço.
- Bom, Doutor, acho que estou doente! - disse trêmula.
- Mas isso já notei, minha cara.
- O senhor então acha mesmo que estou doente! - ela exasperou-se.
- Fique calma, por favor. Não posso lhe diagnosticar sem examiná-la, e como ainda não a examinei, não posso dizer que já sei o que você tem. Mas se veio até aqui, você provavelmente deve estar sentindo alguma coisa.
- Bom, Doutor, tudo começou muito de repente. - o médico levantou-se e começou a examinar garganta, olhos, escutar seu coração e outras coisas que médicos sempre fazem - eu simplesmente comecei a sentir algo estranho dentro de mim. E o pior é que sempre acontecia do nada!
- Conte-me o que sentia.
- Meu coração se acelerava e batia como se não coubesse mais em mim. E minhas mãos começavam a suar, e eu me sentia ficando vermelha, cada vez mais vermelha. E parecia que eu tinha perdido a voz, simplesmente não conseguia falar! E depois eu sentia um frio na espinha e algo como se todos os meus órgãos despencassem dentro de mim. E eu fiquei tonta, até um pouco abobada com tudo isso.
- Ora, minha cara, acho que já sei o que você tem!
- Mesmo? O senhor sabe? - ela perguntou esperançosa, olhando para o médico que estivera prestando tanta atenção enquanto ela falava. Ele sorriu.
- Você está apaixonada!
A moça ficou boquiaberta por alguns segundos e então finalmente respondeu:
- Meu Deus, que maravilha, estou apaixonada, é isso mesmo! - ela abraçou o médico, que muito curioso, perguntou:
- Mas então, quem é o felizardo?
A moça apenas sorriu, pois aquele era um segredo que nem o médico poderia diagnosticar.

Comentários

  1. Parabens Leticia,você conseguiu me deixar curiosa u.u QUERO O II u.u

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkkk euri nath :p eu acho que não vai ter dois. vai ter livro. aguarde :x

    ResponderExcluir
  3. Nossa, que fofinho. awn *-* Mas iagora, como a Nath, também estou curiosa. mimimimi *-*

    ResponderExcluir
  4. *aguardando loucamente*

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

As minhas Bienais do Livro

Mais um ano de Bienal do Livro de São Paulo passou por aí. Mais um monte de dias de livros, autores, leitores, cosplays, cenários e brindes.

Um dia em que fui eu.

Depois de um longo tempo sem ter vontade e energia para ler e escrever, comecei a voltar para este universo, pouco a pouco. Escrevi aqui e ali, voltei com o blog e comecei a ler um livro no meu Kobo.

Aí veio a Bienal e fiz minha listinha. Compraria coisas para dar aula e HQs que queria há muito tempo. Não achei as HQs, não comprei livros para dar aula, comprei outros que sempre quis ou que me interessei na hora. Comprei jogos. Comprei colecionáveis.

Mas a parte mais legal foi interagir com autores e leitores e divulgar o por-fora. Cumprindo, de certa forma, o que prometi há tanto tempo...

Vamos passear um pouco pelas minhas Bienais.

Há oito anos, quando estava no Ensino Médio, fui com a escola em minha primeira Bienal. Rendeu alguns livros, um botton que amo muito (eu coleciono e amo demais) e muitas fotos épicas com os amig…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…