Pular para o conteúdo principal

A Última Estação

Sou uma imigrante italiana que acabou de voltar de uma aventura de doze horas. Estive no cais, em pé em um par de saltos, com mosquitos ao meu redor, em meio a montes de pessoas desconhecidas; Acabei conversando com algumas dessas pessoas, e elas se mostraram muito simpáticas, cheias de histórias interessantes para contar.


O lugar tinha equipamentos de vários tipos, para a filmagem sair direito. Pude ver a correria da equipe que nos levou aos anos 50. Havia dois gatinhos muito simpáticos que alegraram as criancinhas (e também os adultos) largados no cais. Não faço ideia do que aconteceu com eles depois.

Ao longe, dois garotos brigaram e caíram na água suja do cais, depois de ensaiarem muitas vezes.
E uma garota precisou vomitar uma vitamina horrível mais ou menos umas 10 vezes. Parecia um dejavu.

Eu e o diretor :)
Por falar em dejavu, em um dado momento, eu senti que já havia sonhado com aquilo, o que foi estranho, mas principalmente desanimador. Afinal de contas, eu pensando que era algo totalmente novo e já havia vivido em meus sonhos uns 10 minutos de tudo aquilo.

Depois, eu, juntamente com os outros imigrantes, fomos recebidos por nossos parentes brasileiros de vários ângulos, várias vezes. Aí sim foi cansativo, eu acho.

Foi uma viagem longa e exaustiva, mas de grande aprendizado e experiência para a vida. Estou agora com mordidas de mosquito nas mãos e na perna; meus pés e pernas doem horrores, meu corpo todo dói, na verdade. Minha cabeça parece estar prestes a explodir e muitos diriam que fiz tudo isso por quase nada.

Mas, tenho penas destes. Nunca viveriam igual aventura que experimentei nessas últimas horas, por simples medo de se cansar. O que é a vida sem umas mordidas aqui e dores ali, afinal? Para mim, o importante é se arriscar para viver cada segundo de algo novo, com vontade. Aventuras novas nos trazem experiências e conhecimentos novos. E assim, quando chegarmos à última estação, teremos inúmeras recordações, que ficarão conosco pela eternidade.

Comentários

  1. Po, foi mó sufoco mesmo. Mas eu gostei muito de ter participado. Achei a ambiguidade da última frase genial.

    ResponderExcluir
  2. porque você é TÃO genial?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…