Pular para o conteúdo principal

A Última Estação

Sou uma imigrante italiana que acabou de voltar de uma aventura de doze horas. Estive no cais, em pé em um par de saltos, com mosquitos ao meu redor, em meio a montes de pessoas desconhecidas; Acabei conversando com algumas dessas pessoas, e elas se mostraram muito simpáticas, cheias de histórias interessantes para contar.


O lugar tinha equipamentos de vários tipos, para a filmagem sair direito. Pude ver a correria da equipe que nos levou aos anos 50. Havia dois gatinhos muito simpáticos que alegraram as criancinhas (e também os adultos) largados no cais. Não faço ideia do que aconteceu com eles depois.

Ao longe, dois garotos brigaram e caíram na água suja do cais, depois de ensaiarem muitas vezes.
E uma garota precisou vomitar uma vitamina horrível mais ou menos umas 10 vezes. Parecia um dejavu.

Eu e o diretor :)
Por falar em dejavu, em um dado momento, eu senti que já havia sonhado com aquilo, o que foi estranho, mas principalmente desanimador. Afinal de contas, eu pensando que era algo totalmente novo e já havia vivido em meus sonhos uns 10 minutos de tudo aquilo.

Depois, eu, juntamente com os outros imigrantes, fomos recebidos por nossos parentes brasileiros de vários ângulos, várias vezes. Aí sim foi cansativo, eu acho.

Foi uma viagem longa e exaustiva, mas de grande aprendizado e experiência para a vida. Estou agora com mordidas de mosquito nas mãos e na perna; meus pés e pernas doem horrores, meu corpo todo dói, na verdade. Minha cabeça parece estar prestes a explodir e muitos diriam que fiz tudo isso por quase nada.

Mas, tenho penas destes. Nunca viveriam igual aventura que experimentei nessas últimas horas, por simples medo de se cansar. O que é a vida sem umas mordidas aqui e dores ali, afinal? Para mim, o importante é se arriscar para viver cada segundo de algo novo, com vontade. Aventuras novas nos trazem experiências e conhecimentos novos. E assim, quando chegarmos à última estação, teremos inúmeras recordações, que ficarão conosco pela eternidade.

Comentários

  1. Po, foi mó sufoco mesmo. Mas eu gostei muito de ter participado. Achei a ambiguidade da última frase genial.

    ResponderExcluir
  2. porque você é TÃO genial?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Chá de cadeira

Se não quer tomar um, não leia. Eu falei pacas kk
Já ouviu essa expressão, chá de cadeira? É quando você fica muito tempo sentado esperando alguma coisa. Pois é. Ontem experimentei as delícias (ou não) de um chá de cadeira.
Guarda isso na cabeçinha. Arquivou? Beleza, vamos continuar.
Sabe quando você assiste aquele filme ou série de médico (tipo House, haha, amo) e você pensa "cara, como será que é trabalhar aí?!". Não digo na série filme, digo no hospital. Eu já pensei muito isso. Seria bem legal experimentar um corre-corre de hospital, ver como é um corpo humano DE VERDADE, sem esquemas em livros, ver médicos, ter os conhecimentos de médicos... seria tudo! Mas medicina não é pra mim, sabe, é tenso ter a vida de uma pessoa nas suas mãos. Muita responsabilidade.
Agora, lembra do que você tinha arquivado, do chá de cadeira? Não lembra? Ok, lê o começo do post de novo pra lembrar. Lembrou? Ok, então vem comigo.
Ontem fui com minha mãe para o hospital porque ela não se sentia …

A Música da Estrada

Lá estava ele novamente na estrada, caminhando tranquilamente e olhando ao redor. Na mão a maleta com o seu melhor amigo e companheiro de profissão: o violão. Não era nada demais, não. A marca não era daquelas mais caras e já não era tão novo. Mas cuidava tão bem do dito cujo... Sentava-se e limpava-o, afinava-o, olhava com paixão. Era o filho dele, a mulher de sua vida, seu pai, seu irmão. Era o mundo em suas mãos, ao seu comando.

Espera... Eu disse que o violão estava ao seu comando? Ah, nem o músico sabia quem comandava o que ali. Quando começavam com uma nota e não paravam nunca mais, ele tinha bastante certeza de que era um trabalho no qual os dois pensavam juntos.

O músico mandava apenas no caminho, pois era ele que tinha as pernas. E, sendo assim, escolhia as platéias. Tive sorte de ser uma delas. Caminhava, apenas, disseminando seu dom. Ensinava uns aqui e outros ali. Nunca parava. Diziam a ele que iria explodir se continuasse assim. Mas era do que ele vivia e do que gostav…

Hoje é o Seu Dia, Que Dia Mais Feliz!

Muita gente critica festas de crianças. Pessoalmente, acho que há mais para se elogiar do que para se criticar. Veja bem, quem não gosta de uma boa e velha bolinha de queijo? Tudo bem, velha talvez não (sabe, porque comer coisa mofada não é bom, confie em mim), mas ela é boa, muito boa. Festa de criança sempre tem essas comidas gostosas e elas fazem valer a pena.

Sempre que a festa é em buffet tem um determinado brinquedo legal que adulto pode ir. E aí é a hora de todo mundo que já passou da idade se juntar e usar o brinquedo, gritando e fazendo a maior bagunça. Um desses é o "la bamba", um hit da atualidade, um disco com cadeiras onde as pessoas sentam e ficam girando repetidamente. Acredite, é divertido. Claro que, criança ou adulto, alguém sempre tenta surfar e é aí que vemos uma criatura rolando pelo chão do brinquedo enquanto um monte de outras criaturas riem da cara do pobre coitado. Pois é.

E, pra finalizar, os doces. Ah, esperar as quatro horas, o parabéns com direit…