Pular para o conteúdo principal

Botações

Antes que você diga "o que raios essa menina colocou no título", apesar de eu ter certeza que você já disse isso, eu vou explicar contando uma história bem nostálgica, que remete a um passado remoto (ou não, né) da minha vida, quando eu era uma garotinha que não sabia falar direito.

Eu acho que sempre gostei de votações. Naquela época eu decidia tudo por votações, que eu simpática e ingenuamente chamava de "Botações". Era bem democrático. Começavam a discutir qual sabor de pizza era melhor e logo eu aparecia com a idéia "vamos fazer uma botação!". Ficavam na dúvida de que filme ver, e prontamente eu resolvia a situação.

E então eu cresci e a democracia ficou um pouquinho mais séria. Pequenas eleições na escola para representantes de classe ou grêmio estudantil. Até uma certa época, em meu desespero em participar, eu me candidatava e recebia uns dois ou três votos no máximo. Mas não importava, era legal mesmo assim.

E então eu cresci mais ainda e fiz dezesseis anos. E então me lembrei que eu poderia votar para presidente, no ano seguinte. Inicialmente minha mãe defendeu a ideia de que eu não deveria votar pois ainda não entendia de política. Já meu pai fazia questão que eu votasse. Então chegou a época de tirar o título e minha mãe já se orgulhava do fato de sua "filhinha estar tão moça votando". Uma fila enorme embaixo do sol, de pé durante horas, e então consegui meu pedaço de papel que comprovava que eu era uma cidadã que pode exercer seus direitos de cidadã. Ou algo assim.

E daí começou a aventura.

Meu objetivo não é exatamente criticar os candidatos que apareciam no horário político (que estava uma coisa fantasticamente hilária, com um candidato mais TOSCO que outro) ou o que o pessoal votou. É só contar essa experiência.

Tive certeza de quem eu ia votar desde o início, talvez até desde "criança" (porque eu sempre simpatizei com a turma em questão).

E então eu acordei no domingo que mudaria o futuro do meu país, e minha barriga dava voltas de ansiedade. Eu iria votar e, me conhecendo muito bem, tinha medo de errar na hora, me perder, não saber o que fazer. Acontece que entrei na sala certa e não tinha fila nenhuma. Apenas uma mulher na minha frente e outra que já estava votando. E, enquanto esperava, uma das mesárias me perguntou minha idade, e quando respondi "dezesseis" ela disse "puxa, e já está exercendo a cidadania, muito bom. Parabéns!".

E dai eu fiquei frente a frente com a máquina. E abri minha cola enorme (pra não errar MESMO na hora de votar). E digitei número após número, lentamente, mais para não errar, mas também pra sentir a emoção do momento.

Em poucos segundos estava indo embora.

Ou seja, você espera dezesseis anos para participar de uma "botação" de verdade, você aguenta meses de preparação, você fica meses assistindo aqueles caras na televisão, você faz todo aquele monte de coisas e se informa e fica morrendo de medo de fazer caca porque é a primeira vez... E acaba em menos de cinco minutos.

Mas tudo bem. Porque, pelo menos para mim, a primeira vez de coisas importantes na sua vida, que em pouco tempo se tornarão cotidianas, é a unica da qual você sempre se lembrará; e é exatamente por isso que você deve registrar cada segundo do seu momento. Para ser inesquecível, para que depois você possa contar pra qualquer um que queira ouvir como foi seu momento. Para poder reviver aquilo todas as noites que quiser, quando tiver a cabeça no travesseiro.

Comentários

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

As minhas Bienais do Livro

Mais um ano de Bienal do Livro de São Paulo passou por aí. Mais um monte de dias de livros, autores, leitores, cosplays, cenários e brindes.

Um dia em que fui eu.

Depois de um longo tempo sem ter vontade e energia para ler e escrever, comecei a voltar para este universo, pouco a pouco. Escrevi aqui e ali, voltei com o blog e comecei a ler um livro no meu Kobo.

Aí veio a Bienal e fiz minha listinha. Compraria coisas para dar aula e HQs que queria há muito tempo. Não achei as HQs, não comprei livros para dar aula, comprei outros que sempre quis ou que me interessei na hora. Comprei jogos. Comprei colecionáveis.

Mas a parte mais legal foi interagir com autores e leitores e divulgar o por-fora. Cumprindo, de certa forma, o que prometi há tanto tempo...

Vamos passear um pouco pelas minhas Bienais.

Há oito anos, quando estava no Ensino Médio, fui com a escola em minha primeira Bienal. Rendeu alguns livros, um botton que amo muito (eu coleciono e amo demais) e muitas fotos épicas com os amig…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…