Pular para o conteúdo principal

Botações

Antes que você diga "o que raios essa menina colocou no título", apesar de eu ter certeza que você já disse isso, eu vou explicar contando uma história bem nostálgica, que remete a um passado remoto (ou não, né) da minha vida, quando eu era uma garotinha que não sabia falar direito.

Eu acho que sempre gostei de votações. Naquela época eu decidia tudo por votações, que eu simpática e ingenuamente chamava de "Botações". Era bem democrático. Começavam a discutir qual sabor de pizza era melhor e logo eu aparecia com a idéia "vamos fazer uma botação!". Ficavam na dúvida de que filme ver, e prontamente eu resolvia a situação.

E então eu cresci e a democracia ficou um pouquinho mais séria. Pequenas eleições na escola para representantes de classe ou grêmio estudantil. Até uma certa época, em meu desespero em participar, eu me candidatava e recebia uns dois ou três votos no máximo. Mas não importava, era legal mesmo assim.

E então eu cresci mais ainda e fiz dezesseis anos. E então me lembrei que eu poderia votar para presidente, no ano seguinte. Inicialmente minha mãe defendeu a ideia de que eu não deveria votar pois ainda não entendia de política. Já meu pai fazia questão que eu votasse. Então chegou a época de tirar o título e minha mãe já se orgulhava do fato de sua "filhinha estar tão moça votando". Uma fila enorme embaixo do sol, de pé durante horas, e então consegui meu pedaço de papel que comprovava que eu era uma cidadã que pode exercer seus direitos de cidadã. Ou algo assim.

E daí começou a aventura.

Meu objetivo não é exatamente criticar os candidatos que apareciam no horário político (que estava uma coisa fantasticamente hilária, com um candidato mais TOSCO que outro) ou o que o pessoal votou. É só contar essa experiência.

Tive certeza de quem eu ia votar desde o início, talvez até desde "criança" (porque eu sempre simpatizei com a turma em questão).

E então eu acordei no domingo que mudaria o futuro do meu país, e minha barriga dava voltas de ansiedade. Eu iria votar e, me conhecendo muito bem, tinha medo de errar na hora, me perder, não saber o que fazer. Acontece que entrei na sala certa e não tinha fila nenhuma. Apenas uma mulher na minha frente e outra que já estava votando. E, enquanto esperava, uma das mesárias me perguntou minha idade, e quando respondi "dezesseis" ela disse "puxa, e já está exercendo a cidadania, muito bom. Parabéns!".

E dai eu fiquei frente a frente com a máquina. E abri minha cola enorme (pra não errar MESMO na hora de votar). E digitei número após número, lentamente, mais para não errar, mas também pra sentir a emoção do momento.

Em poucos segundos estava indo embora.

Ou seja, você espera dezesseis anos para participar de uma "botação" de verdade, você aguenta meses de preparação, você fica meses assistindo aqueles caras na televisão, você faz todo aquele monte de coisas e se informa e fica morrendo de medo de fazer caca porque é a primeira vez... E acaba em menos de cinco minutos.

Mas tudo bem. Porque, pelo menos para mim, a primeira vez de coisas importantes na sua vida, que em pouco tempo se tornarão cotidianas, é a unica da qual você sempre se lembrará; e é exatamente por isso que você deve registrar cada segundo do seu momento. Para ser inesquecível, para que depois você possa contar pra qualquer um que queira ouvir como foi seu momento. Para poder reviver aquilo todas as noites que quiser, quando tiver a cabeça no travesseiro.

Comentários

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

Leite com Vodka

Sua bebida favorita sempre foi leite. Aquele líquido branco e um pouco denso, que bebês adoram. Bebia com tudo: chocolate, morango, groselha... Era um bebedor. Seus lanches não eram feitos sem leite. E se não o bebia, misturava em algum outro ingrediente. Sucrilhos, frutas batidas. Nutritivo da cabeça aos pés. O alimentava por dentro e ele consumia com orgulho.

Então cresceu. Você sabe, quando crescem eles mudam os interesses. Não mais desenhava os programas que via. Agora via apenas a parede do quarto e festas banhadas a vodka. Ah, a vodka. Virou sua bebida preferida, com toda certeza. Aquele cheiro forte no líquido transparente, que jovens usam para se mostrar descolados. Bebia com tudo: frutas batidas, sucos, refrigerantes, sem nada. Virava uma dose e outra. Descolado da cabeça aos pés, na moda, inteiramente parte do grupo.

Mas a vida não era só Leite ou Vodka. Pelo menos não mais. Foi em mais um dia de Vodka que a encontrou. Ela lhe sorriu e ele se aproximou. Parece que foi à …

Outro Estranho na Janela

Leia a primeira parte dessa história: Um Estranho Na Janela
Texto para a oficina criativa do colégio, inspirado na imagem de uma edição do Bloínquês que não consegui participar porque não consegui escrever o texto a tempo.
Dedicado aos Chapeleiros e Alices do mundo.
O sol dourado de outono brilhava a meio caminho do chão. A moça sentava-se em uma telha mais macia, no telhado de sua casa. Usava um vestido confortável e tinha os pés descalços. Largou o pequeno livro amarelo que lia no peitoril da janela e viu as árvores se espreguiçarem.

Nas casas ao redor, cachorros latiam para os donos que chegavam mais cedo. Crianças vinham sorrindo da escola. Um dia comum e pacato.

Alice gostava de sentar-se no telhado desde a noite em que seu irmão disse ter visto Papai Noel na janela. Fora tão surpreendente ouvir Felipe dizendo aquilo, já que ele costumava ser tão chato e estraga-prazeres, que seu passatempo virou sentar-se no telhado e esperá-lo.

Mas um dia todos crescem e Alice parou de acredit…