Pular para o conteúdo principal

Botações

Antes que você diga "o que raios essa menina colocou no título", apesar de eu ter certeza que você já disse isso, eu vou explicar contando uma história bem nostálgica, que remete a um passado remoto (ou não, né) da minha vida, quando eu era uma garotinha que não sabia falar direito.

Eu acho que sempre gostei de votações. Naquela época eu decidia tudo por votações, que eu simpática e ingenuamente chamava de "Botações". Era bem democrático. Começavam a discutir qual sabor de pizza era melhor e logo eu aparecia com a idéia "vamos fazer uma botação!". Ficavam na dúvida de que filme ver, e prontamente eu resolvia a situação.

E então eu cresci e a democracia ficou um pouquinho mais séria. Pequenas eleições na escola para representantes de classe ou grêmio estudantil. Até uma certa época, em meu desespero em participar, eu me candidatava e recebia uns dois ou três votos no máximo. Mas não importava, era legal mesmo assim.

E então eu cresci mais ainda e fiz dezesseis anos. E então me lembrei que eu poderia votar para presidente, no ano seguinte. Inicialmente minha mãe defendeu a ideia de que eu não deveria votar pois ainda não entendia de política. Já meu pai fazia questão que eu votasse. Então chegou a época de tirar o título e minha mãe já se orgulhava do fato de sua "filhinha estar tão moça votando". Uma fila enorme embaixo do sol, de pé durante horas, e então consegui meu pedaço de papel que comprovava que eu era uma cidadã que pode exercer seus direitos de cidadã. Ou algo assim.

E daí começou a aventura.

Meu objetivo não é exatamente criticar os candidatos que apareciam no horário político (que estava uma coisa fantasticamente hilária, com um candidato mais TOSCO que outro) ou o que o pessoal votou. É só contar essa experiência.

Tive certeza de quem eu ia votar desde o início, talvez até desde "criança" (porque eu sempre simpatizei com a turma em questão).

E então eu acordei no domingo que mudaria o futuro do meu país, e minha barriga dava voltas de ansiedade. Eu iria votar e, me conhecendo muito bem, tinha medo de errar na hora, me perder, não saber o que fazer. Acontece que entrei na sala certa e não tinha fila nenhuma. Apenas uma mulher na minha frente e outra que já estava votando. E, enquanto esperava, uma das mesárias me perguntou minha idade, e quando respondi "dezesseis" ela disse "puxa, e já está exercendo a cidadania, muito bom. Parabéns!".

E dai eu fiquei frente a frente com a máquina. E abri minha cola enorme (pra não errar MESMO na hora de votar). E digitei número após número, lentamente, mais para não errar, mas também pra sentir a emoção do momento.

Em poucos segundos estava indo embora.

Ou seja, você espera dezesseis anos para participar de uma "botação" de verdade, você aguenta meses de preparação, você fica meses assistindo aqueles caras na televisão, você faz todo aquele monte de coisas e se informa e fica morrendo de medo de fazer caca porque é a primeira vez... E acaba em menos de cinco minutos.

Mas tudo bem. Porque, pelo menos para mim, a primeira vez de coisas importantes na sua vida, que em pouco tempo se tornarão cotidianas, é a unica da qual você sempre se lembrará; e é exatamente por isso que você deve registrar cada segundo do seu momento. Para ser inesquecível, para que depois você possa contar pra qualquer um que queira ouvir como foi seu momento. Para poder reviver aquilo todas as noites que quiser, quando tiver a cabeça no travesseiro.

Comentários

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

Dia Três: Walmart e Downtown Disney

Dia 15... de Setembro, sábado.

A dois meses atrás, na hora que estou escrevendo isso, contando o fuso-horário, eu estava me arrumando, ou tomando café ou pegando o táxi. Alguma coisa assim.

Nosso café da manhã nesse dia foi o resto da pizza da noite anterior. Estive refletindo sobre o assunto e, sim, nós jantamos uma pizza enorme e linda e sobrou mais um monte para o café da manhã (e foi o que comi). A pizza americana não é tão boa quanto a nossa, mas também não é ruim. É aceitável, digamos assim. Apesar de que em certo ponto da viagem eu já não aguentava mais olhar pra dita cuja.

Só que eu adoraria olhá-la agora, afinal, significaria que estou lá, entende? Ok, prometo que parei.

Enfim, pegamos um táxi na porta do hotel. Vou falar um pouco do hotel, já que não tem muito o que ficar falando do Walmart. Tinha uma sala "Arcade", mas acabamos nem entrando nela porque não deu tempo, no mesmo corredor que (uma das) a entrada do "restaurante" e também a loja (uma miniatura…

Chá de cadeira

Se não quer tomar um, não leia. Eu falei pacas kk
Já ouviu essa expressão, chá de cadeira? É quando você fica muito tempo sentado esperando alguma coisa. Pois é. Ontem experimentei as delícias (ou não) de um chá de cadeira.
Guarda isso na cabeçinha. Arquivou? Beleza, vamos continuar.
Sabe quando você assiste aquele filme ou série de médico (tipo House, haha, amo) e você pensa "cara, como será que é trabalhar aí?!". Não digo na série filme, digo no hospital. Eu já pensei muito isso. Seria bem legal experimentar um corre-corre de hospital, ver como é um corpo humano DE VERDADE, sem esquemas em livros, ver médicos, ter os conhecimentos de médicos... seria tudo! Mas medicina não é pra mim, sabe, é tenso ter a vida de uma pessoa nas suas mãos. Muita responsabilidade.
Agora, lembra do que você tinha arquivado, do chá de cadeira? Não lembra? Ok, lê o começo do post de novo pra lembrar. Lembrou? Ok, então vem comigo.
Ontem fui com minha mãe para o hospital porque ela não se sentia …