Pular para o conteúdo principal

Caminhos da Cidade

Ando pela cidade,
Não sem rumo,
Só saudade.

Ando pela cidade
Sem caneta,
Só guiado por palavras,
Palavras de qualquer idade.

Ando pela cidade
Sem minha tela,
Só cores
Me fazem ter cautela.

Ando pela cidade
Sem um script,
São os atos dos que atuam
Que me botam a sorrir.

Ando pela cidade
Sem meus flashes
Os faróis e postes
Já iluminam por aqui.

Ando pela cidade
Sem meu livro
É só olhar, com isso me contento,
Observatório de conhecimento.

Ando pela cidade
Só ando por aí
Calculando com meus dedos
Olhando a folha a cair,
Gravidade!
O vapor do que evapora a subir

Prédios que se erguem
Orgulhos que se perdem
Mas minha arte continua
Firme, forte
Nada abala aquela estrutura

Ando pela cidade
Sem pauta,
São os sons a zunir
Que vão me fazer sentir.

Na cidade tudo aflora
Na cidade tudo mora
Na cidade tudo vive, tudo morre
É um drama, é um porre.

É de noite, é de dia
Que agonia!
A vida de um artista,
Tanto faz a sua arte,
É só andar na cidade.

Ando pela cidade
Com um rumo, um caminho
O da arte.
Nesses versos, eu demonstro
Os caminhos da cidade.

Comentários

  1. awwwwwwwwwwwwwwwwwn, que fofa! *-* Amei, tem talento pra tudo. até pra poetisa! amo você

    ResponderExcluir
  2. perfeito ;D
    queria eu ter esse talento pra escrever, continua assim.

    ResponderExcluir
  3. A cada obra você evolui. É difícil você escrever nesse gênero, mas ainda sim não deixa de demonstrar o talento *-*

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

Leite com Vodka

Sua bebida favorita sempre foi leite. Aquele líquido branco e um pouco denso, que bebês adoram. Bebia com tudo: chocolate, morango, groselha... Era um bebedor. Seus lanches não eram feitos sem leite. E se não o bebia, misturava em algum outro ingrediente. Sucrilhos, frutas batidas. Nutritivo da cabeça aos pés. O alimentava por dentro e ele consumia com orgulho.

Então cresceu. Você sabe, quando crescem eles mudam os interesses. Não mais desenhava os programas que via. Agora via apenas a parede do quarto e festas banhadas a vodka. Ah, a vodka. Virou sua bebida preferida, com toda certeza. Aquele cheiro forte no líquido transparente, que jovens usam para se mostrar descolados. Bebia com tudo: frutas batidas, sucos, refrigerantes, sem nada. Virava uma dose e outra. Descolado da cabeça aos pés, na moda, inteiramente parte do grupo.

Mas a vida não era só Leite ou Vodka. Pelo menos não mais. Foi em mais um dia de Vodka que a encontrou. Ela lhe sorriu e ele se aproximou. Parece que foi à …

Outro Estranho na Janela

Leia a primeira parte dessa história: Um Estranho Na Janela
Texto para a oficina criativa do colégio, inspirado na imagem de uma edição do Bloínquês que não consegui participar porque não consegui escrever o texto a tempo.
Dedicado aos Chapeleiros e Alices do mundo.
O sol dourado de outono brilhava a meio caminho do chão. A moça sentava-se em uma telha mais macia, no telhado de sua casa. Usava um vestido confortável e tinha os pés descalços. Largou o pequeno livro amarelo que lia no peitoril da janela e viu as árvores se espreguiçarem.

Nas casas ao redor, cachorros latiam para os donos que chegavam mais cedo. Crianças vinham sorrindo da escola. Um dia comum e pacato.

Alice gostava de sentar-se no telhado desde a noite em que seu irmão disse ter visto Papai Noel na janela. Fora tão surpreendente ouvir Felipe dizendo aquilo, já que ele costumava ser tão chato e estraga-prazeres, que seu passatempo virou sentar-se no telhado e esperá-lo.

Mas um dia todos crescem e Alice parou de acredit…