Pular para o conteúdo principal

Baby, You Can Drive My Car

Fazia muito tempo que não vivia uma aventura digna de virar história. Aquelas aventuras bem ridículas, que nos fazem rir muito, tipo a do famoso "Chá de Cadeira". Mas então hoje aconteceu, finalmente. E, pela primeira vez, foi uma com meu pai.

Fomos dar uma volta no shopping, e não aconteceu nada demais lá (apesar de eu ainda odiá-lo. O shopping, não meu pai. Porque não superei aquela coisa tosca que fizeram com ele, que já comentei em outro post, naquelas reformas absurdas). O problema foi na saída.

Já viu a história do cavaleiro sem cabeça? É meio assustador, não é (pelo menos a intenção era que fosse)? Agora imagina um CARRO sem BATERIA. Não sei dizer se é mais ridículo ou mais assustador. Veja bem, se você estivesse lá ia dar umas boas gargalhadas, pelo meu ponto de vista.

Chegamos no G3, que é descoberto, e estava a maior ventania. Meu pai foi tentar ligar a pick up. Ela não pareceu nem tossir. De novo. Cof. Mais uma vez. Nada. Dai é que ele percebeu que tinha deixado o farol ligado.

Claro, porque simplesmente não podia dar tudo certo de uma vez. Porque será que as vezes eu sou tão... pé frio?



Ele ficou parado pensando e então resolveu procurar apoio no "Apoio do Shopping". Eu resolvi ficar no carro. Então meu pai volta, com um rapaz e um cara (que por acaso tinham ACABADO de estacionar ali do lado) para ajudar a empurrar o carro, pra ver se ele pegava. Então mais dois amigos deles e dois funcionários do shopping (os caras que ficam ali pegando seu bilhete e colocando na máquina, concertando a cancela porque ela parece nunca funciona direito) chegaram.

Parece que o Apoio do Shopping não queria cumprir sua função de apoiar ("só na hora que o shopping fechar", foi o que disseram"). Então, basicamente, os caras que deviam ajudar não ajudaram, e os que não tinham nada a ver com aquilo deram tudo de si para resolver o problema.

Enfim, meu pai entrou no carro e mais seis homens começaram a empurrar. Pra lá, pra cá, pra lá, pra cá. Eles fizeram o percurso de ida e volta pela pista umas dez vezes, com direito a gritos de "Vamo! Vamo! Vamo! Vamo!".

Dai meu pai desistiu dessa técnica e todos foram procurar um cabo pra ligar na bateria do meu pai e de algum outro carro aleatório. Dai os caras foram curtir o passeio deles, porque né.

E, do nada, meu pai virou e disse "já volto, vou arranjar o cabo". Um século depois ele volta com um cabo de verdade que ele comprou no supermercado. E dai foi mais uma coisa incrível pra conseguir alguém legal pra ajudar cedendo sua bateria. O primeiro carro não deu certo. Dai meu pai pediu pra mais dois, que estavam atrasados (aham, sei). E dai veio um carro enorme que dava até medo.

O carro do cara desligado já começou a carregar a bateria, pra você ter noção. Dai depois de usarmos a bateria do cara ele foi embora e eu fiquei toda torta (porque eu tive que me esticar do meu bando até os pedais) acelerando a pick up pra sei lá o que (eu não entendo de carro, desculpe) enquanto meu pai guardava as coisas em seus devidos lugares. Quando eu fui tirar a perna CLARO eu me arranhei legal.

Porque eu PRECISAVA finalizar com um arranhão daqueles bem ardidos.

Daí nós fomos embora. E o que posso tirar dessa aventura?

Primeiro: nunca confie no apoio do shopping; eles não apoiam nada. Segundo: tem uma escala, segundo meu pai, de pessoas dispostas a ajudar. Em São Paulo as pessoas xingariam ele, em Santos alguns são legais e vão lá te ajudar e em Extrema pararia até o cara com o cavalo pra te ajudar.

Ou seja, se você ver alguém com um carro morto no meio de um estacionamento de shopping, seja lá de que cidade você for, por favor, AJUDE-OS. A garota boiando ali no canto esfregando os braços pode estar MESMO com frio. O que significa que você pode emprestar o casaco pra ela, também.




Obs: o título está horrível mas estou a tanto tempo pensando em um sem nenhum sucesso, que é melhor deixar esse mesmo.

Comentários

Postagens mais visitadas

Chá de cadeira

Se não quer tomar um, não leia. Eu falei pacas kk
Já ouviu essa expressão, chá de cadeira? É quando você fica muito tempo sentado esperando alguma coisa. Pois é. Ontem experimentei as delícias (ou não) de um chá de cadeira.
Guarda isso na cabeçinha. Arquivou? Beleza, vamos continuar.
Sabe quando você assiste aquele filme ou série de médico (tipo House, haha, amo) e você pensa "cara, como será que é trabalhar aí?!". Não digo na série filme, digo no hospital. Eu já pensei muito isso. Seria bem legal experimentar um corre-corre de hospital, ver como é um corpo humano DE VERDADE, sem esquemas em livros, ver médicos, ter os conhecimentos de médicos... seria tudo! Mas medicina não é pra mim, sabe, é tenso ter a vida de uma pessoa nas suas mãos. Muita responsabilidade.
Agora, lembra do que você tinha arquivado, do chá de cadeira? Não lembra? Ok, lê o começo do post de novo pra lembrar. Lembrou? Ok, então vem comigo.
Ontem fui com minha mãe para o hospital porque ela não se sentia …

A Música da Estrada

Lá estava ele novamente na estrada, caminhando tranquilamente e olhando ao redor. Na mão a maleta com o seu melhor amigo e companheiro de profissão: o violão. Não era nada demais, não. A marca não era daquelas mais caras e já não era tão novo. Mas cuidava tão bem do dito cujo... Sentava-se e limpava-o, afinava-o, olhava com paixão. Era o filho dele, a mulher de sua vida, seu pai, seu irmão. Era o mundo em suas mãos, ao seu comando.

Espera... Eu disse que o violão estava ao seu comando? Ah, nem o músico sabia quem comandava o que ali. Quando começavam com uma nota e não paravam nunca mais, ele tinha bastante certeza de que era um trabalho no qual os dois pensavam juntos.

O músico mandava apenas no caminho, pois era ele que tinha as pernas. E, sendo assim, escolhia as platéias. Tive sorte de ser uma delas. Caminhava, apenas, disseminando seu dom. Ensinava uns aqui e outros ali. Nunca parava. Diziam a ele que iria explodir se continuasse assim. Mas era do que ele vivia e do que gostav…

Hoje é o Seu Dia, Que Dia Mais Feliz!

Muita gente critica festas de crianças. Pessoalmente, acho que há mais para se elogiar do que para se criticar. Veja bem, quem não gosta de uma boa e velha bolinha de queijo? Tudo bem, velha talvez não (sabe, porque comer coisa mofada não é bom, confie em mim), mas ela é boa, muito boa. Festa de criança sempre tem essas comidas gostosas e elas fazem valer a pena.

Sempre que a festa é em buffet tem um determinado brinquedo legal que adulto pode ir. E aí é a hora de todo mundo que já passou da idade se juntar e usar o brinquedo, gritando e fazendo a maior bagunça. Um desses é o "la bamba", um hit da atualidade, um disco com cadeiras onde as pessoas sentam e ficam girando repetidamente. Acredite, é divertido. Claro que, criança ou adulto, alguém sempre tenta surfar e é aí que vemos uma criatura rolando pelo chão do brinquedo enquanto um monte de outras criaturas riem da cara do pobre coitado. Pois é.

E, pra finalizar, os doces. Ah, esperar as quatro horas, o parabéns com direit…