Pular para o conteúdo principal

Baby, You Can Drive My Car

Fazia muito tempo que não vivia uma aventura digna de virar história. Aquelas aventuras bem ridículas, que nos fazem rir muito, tipo a do famoso "Chá de Cadeira". Mas então hoje aconteceu, finalmente. E, pela primeira vez, foi uma com meu pai.

Fomos dar uma volta no shopping, e não aconteceu nada demais lá (apesar de eu ainda odiá-lo. O shopping, não meu pai. Porque não superei aquela coisa tosca que fizeram com ele, que já comentei em outro post, naquelas reformas absurdas). O problema foi na saída.

Já viu a história do cavaleiro sem cabeça? É meio assustador, não é (pelo menos a intenção era que fosse)? Agora imagina um CARRO sem BATERIA. Não sei dizer se é mais ridículo ou mais assustador. Veja bem, se você estivesse lá ia dar umas boas gargalhadas, pelo meu ponto de vista.

Chegamos no G3, que é descoberto, e estava a maior ventania. Meu pai foi tentar ligar a pick up. Ela não pareceu nem tossir. De novo. Cof. Mais uma vez. Nada. Dai é que ele percebeu que tinha deixado o farol ligado.

Claro, porque simplesmente não podia dar tudo certo de uma vez. Porque será que as vezes eu sou tão... pé frio?



Ele ficou parado pensando e então resolveu procurar apoio no "Apoio do Shopping". Eu resolvi ficar no carro. Então meu pai volta, com um rapaz e um cara (que por acaso tinham ACABADO de estacionar ali do lado) para ajudar a empurrar o carro, pra ver se ele pegava. Então mais dois amigos deles e dois funcionários do shopping (os caras que ficam ali pegando seu bilhete e colocando na máquina, concertando a cancela porque ela parece nunca funciona direito) chegaram.

Parece que o Apoio do Shopping não queria cumprir sua função de apoiar ("só na hora que o shopping fechar", foi o que disseram"). Então, basicamente, os caras que deviam ajudar não ajudaram, e os que não tinham nada a ver com aquilo deram tudo de si para resolver o problema.

Enfim, meu pai entrou no carro e mais seis homens começaram a empurrar. Pra lá, pra cá, pra lá, pra cá. Eles fizeram o percurso de ida e volta pela pista umas dez vezes, com direito a gritos de "Vamo! Vamo! Vamo! Vamo!".

Dai meu pai desistiu dessa técnica e todos foram procurar um cabo pra ligar na bateria do meu pai e de algum outro carro aleatório. Dai os caras foram curtir o passeio deles, porque né.

E, do nada, meu pai virou e disse "já volto, vou arranjar o cabo". Um século depois ele volta com um cabo de verdade que ele comprou no supermercado. E dai foi mais uma coisa incrível pra conseguir alguém legal pra ajudar cedendo sua bateria. O primeiro carro não deu certo. Dai meu pai pediu pra mais dois, que estavam atrasados (aham, sei). E dai veio um carro enorme que dava até medo.

O carro do cara desligado já começou a carregar a bateria, pra você ter noção. Dai depois de usarmos a bateria do cara ele foi embora e eu fiquei toda torta (porque eu tive que me esticar do meu bando até os pedais) acelerando a pick up pra sei lá o que (eu não entendo de carro, desculpe) enquanto meu pai guardava as coisas em seus devidos lugares. Quando eu fui tirar a perna CLARO eu me arranhei legal.

Porque eu PRECISAVA finalizar com um arranhão daqueles bem ardidos.

Daí nós fomos embora. E o que posso tirar dessa aventura?

Primeiro: nunca confie no apoio do shopping; eles não apoiam nada. Segundo: tem uma escala, segundo meu pai, de pessoas dispostas a ajudar. Em São Paulo as pessoas xingariam ele, em Santos alguns são legais e vão lá te ajudar e em Extrema pararia até o cara com o cavalo pra te ajudar.

Ou seja, se você ver alguém com um carro morto no meio de um estacionamento de shopping, seja lá de que cidade você for, por favor, AJUDE-OS. A garota boiando ali no canto esfregando os braços pode estar MESMO com frio. O que significa que você pode emprestar o casaco pra ela, também.




Obs: o título está horrível mas estou a tanto tempo pensando em um sem nenhum sucesso, que é melhor deixar esse mesmo.

Comentários

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

À Luz da Manhã

Para Matheus e João.
Ouça. Crescer é como correr descalço na areia. Os pequenos grãos tocam sua pele e você sente, mesmo com a maciez do movimento ou o impacto suave, a aspereza do solo. A sensação é incômoda, mas ao mesmo tempo libertadora. Você para, então, e olha ao redor. Olha as marcas de seu pé no caminho que fez e o modo como, em alguns momentos, eles foram suaves e quase imperceptíveis e, em outros, foram largos e espalhafatosos. Você olha para o outro lado e vê o quanto ainda há para ser marcado. O som do oceano chega aos seus ouvidos e a brisa sopra seus cabelos e você sorri: está bem ali, entre onde já correu e para onde ainda vai correr. Mas, no fim, você só quer sentir seus pés afundando na areia enquanto o mar sopra sua canção ao vento.
Crescer é como subir uma colina de grama verde molhada pelo orvalho da manhã. Você quer saber, mais do que tudo, o que há do outro lado: serão montanhas ou vales? Serão córregos ou lagos? Que tipos de árvores haverão para serem escaladas? …

Dia Três: Walmart e Downtown Disney

Dia 15... de Setembro, sábado.

A dois meses atrás, na hora que estou escrevendo isso, contando o fuso-horário, eu estava me arrumando, ou tomando café ou pegando o táxi. Alguma coisa assim.

Nosso café da manhã nesse dia foi o resto da pizza da noite anterior. Estive refletindo sobre o assunto e, sim, nós jantamos uma pizza enorme e linda e sobrou mais um monte para o café da manhã (e foi o que comi). A pizza americana não é tão boa quanto a nossa, mas também não é ruim. É aceitável, digamos assim. Apesar de que em certo ponto da viagem eu já não aguentava mais olhar pra dita cuja.

Só que eu adoraria olhá-la agora, afinal, significaria que estou lá, entende? Ok, prometo que parei.

Enfim, pegamos um táxi na porta do hotel. Vou falar um pouco do hotel, já que não tem muito o que ficar falando do Walmart. Tinha uma sala "Arcade", mas acabamos nem entrando nela porque não deu tempo, no mesmo corredor que (uma das) a entrada do "restaurante" e também a loja (uma miniatura…