Pular para o conteúdo principal

Bem Aqui

Santos, 5 de Dezembro de 2010

Caros avô e padrinho,

Normalmente seria dito que de onde vocês estão não podem ler essa carta mas, partindo do ponto de vista de que vocês estão sempre aqui conosco, acredito que possam sim ler o que escrevo. Esses dias tenho pensado em vocês e acho que seria legal contar como vão as coisas por aqui (apesar de vocês provavelmente já saberem também).

Primeiro as notícias para você, vovô. São mais longas, já que nunca pude te conhecer pessoalmente. Cresci sempre ouvindo falar de você e como era engraçado, paciente, sempre tranquilo lendo os livros que agora eu anseio por ler também, escrevendo as crônicas e peças que foram guardadas com carinho. Dizem que sou muito como você. Não na paciência, porque isso eu não tenho nem um pouco. Na verdade sou mais persistente do que paciente. Enfim, me dizem que pareço com você porque sou tranquila, leitora, escritora (apesar de acreditar que não chego nem a ponta do fio de cabelo do que você fazia). Também dizem que algumas coisas que faço (como meu jeito de parar com as pernas quando estou deitada no sofá) são iguais ao que você fazia.

Por isso sinto que eu conheço um pouquinho você. E, pelo que me dizem, você ficaria orgulhoso em saber que seus genes de escritor passaram para mim e agora estou correndo atrás deste sonho. Minhas intenções são escrever um livro e publicá-lo ano que vem. E você é uma das pessoas que mais inspiram esse desejo em mim.

As vezes me pego imaginando como seriam as coisas se você estivesse aqui conosco.

Suas filhas e sua esposa estão indo muito bem também. A vida vai seguindo, nós cinco e mais a Bolinha e a Mindy. A Bola é uma porquinha da índia bem gordinha que parece uma bola, claro. E a Mindy é uma Yorkshire loiríssima que faz festinha quando chegamos em casa. Você adoraria conhecê-las, eu acho, porque elas são tão fofas e simpáticas que não tem como não amá-las!

Aliás, isso já é parte do que devia estar contando a você também, padrinho. Ontem seu netinho mais novo se formou no pré. Ficamos todos tão orgulhosos! Os dois pequenos estão crescendo rápido. O mais velho já está quase na altura da mãe, veja só. E isso me lembrou minha primeira e minha segunda formatura. O padrinho pode assistir a minha primeira formatura, mas nenhum dos dois viu a segunda. Imagino que ficariam felizes se estivessem lá.

O que me lembra que ano que vem irei me formar mais uma vez. E então o que virá depois é a vida, sabe como é. Fico com um pouco de medo de encarar tudo isso, mesmo que signifique realizar meus sonhos. Gostaria que estivessem aqui para ver isso e me apoiar. Mas, de qualquer forma, vocês podem me dar seu apoio de onde estão, certo?

Estamos chegando no Natal. As casas de todos nós estão decoradas. O Natal será na sua casa, padrinho. Ela está um pouco mudada do que você via antes. A primeira mudança foi você não estar sentadinho na poltrona lendo, ou descendo as escadas imitando o "lobo mal" para mim.

Hoje eu e minha tia penduramos as luzinhas aqui em casa, e montamos a árvore. Acho que se estivesse aqui, vovô, você teria feito todo esse trabalho conosco, não é?

Imaginei que sim.

As vezes sinto uma saudade que vem de não sei de onde e vai crescendo. Saudades de você, padrinho, saudade de você, vovô, saudades de amigos que não vejo mais, saudades de comidas, de lugares, de qualquer coisa. Saudades do que tive e não tive. Não é estranho? Me pergunto se isso é normal, sabe como é. Ando muito melancólica ultimamente.

E o maior motivo dessa carta, além de ter ficado tão nostálgica esses dias é que eu sonhei de novo com você, padrinho. Mas acho que você sabe disso, afinal foi você que veio me visitar. Desculpe acordar tão de repente, mas fiquei tão surpresa que dei um pulo. Fazia tanto tempo que não me visitava nos meus sonhos! E você tinha dito que voltaria. De fato, voltou.

Me estenderia tanto nessa carta, contando minha vida e a vida de todos aqui na família... Mas creio que ficaria grande demais para qualquer um ler. Vou, portanto, começar a me despedir. Outra hora qualquer conto um pouco mais. Estamos todos muito bem e com muitas saudades, vocês mal podem imaginar. Continuem como sempre, por favor, bem aqui conosco.

Um abraço para cada um de sua neta e sua afilhada,

Letícia

Comentários

Postagens mais visitadas

Chá de cadeira

Se não quer tomar um, não leia. Eu falei pacas kk
Já ouviu essa expressão, chá de cadeira? É quando você fica muito tempo sentado esperando alguma coisa. Pois é. Ontem experimentei as delícias (ou não) de um chá de cadeira.
Guarda isso na cabeçinha. Arquivou? Beleza, vamos continuar.
Sabe quando você assiste aquele filme ou série de médico (tipo House, haha, amo) e você pensa "cara, como será que é trabalhar aí?!". Não digo na série filme, digo no hospital. Eu já pensei muito isso. Seria bem legal experimentar um corre-corre de hospital, ver como é um corpo humano DE VERDADE, sem esquemas em livros, ver médicos, ter os conhecimentos de médicos... seria tudo! Mas medicina não é pra mim, sabe, é tenso ter a vida de uma pessoa nas suas mãos. Muita responsabilidade.
Agora, lembra do que você tinha arquivado, do chá de cadeira? Não lembra? Ok, lê o começo do post de novo pra lembrar. Lembrou? Ok, então vem comigo.
Ontem fui com minha mãe para o hospital porque ela não se sentia …

A Música da Estrada

Lá estava ele novamente na estrada, caminhando tranquilamente e olhando ao redor. Na mão a maleta com o seu melhor amigo e companheiro de profissão: o violão. Não era nada demais, não. A marca não era daquelas mais caras e já não era tão novo. Mas cuidava tão bem do dito cujo... Sentava-se e limpava-o, afinava-o, olhava com paixão. Era o filho dele, a mulher de sua vida, seu pai, seu irmão. Era o mundo em suas mãos, ao seu comando.

Espera... Eu disse que o violão estava ao seu comando? Ah, nem o músico sabia quem comandava o que ali. Quando começavam com uma nota e não paravam nunca mais, ele tinha bastante certeza de que era um trabalho no qual os dois pensavam juntos.

O músico mandava apenas no caminho, pois era ele que tinha as pernas. E, sendo assim, escolhia as platéias. Tive sorte de ser uma delas. Caminhava, apenas, disseminando seu dom. Ensinava uns aqui e outros ali. Nunca parava. Diziam a ele que iria explodir se continuasse assim. Mas era do que ele vivia e do que gostav…

Hoje é o Seu Dia, Que Dia Mais Feliz!

Muita gente critica festas de crianças. Pessoalmente, acho que há mais para se elogiar do que para se criticar. Veja bem, quem não gosta de uma boa e velha bolinha de queijo? Tudo bem, velha talvez não (sabe, porque comer coisa mofada não é bom, confie em mim), mas ela é boa, muito boa. Festa de criança sempre tem essas comidas gostosas e elas fazem valer a pena.

Sempre que a festa é em buffet tem um determinado brinquedo legal que adulto pode ir. E aí é a hora de todo mundo que já passou da idade se juntar e usar o brinquedo, gritando e fazendo a maior bagunça. Um desses é o "la bamba", um hit da atualidade, um disco com cadeiras onde as pessoas sentam e ficam girando repetidamente. Acredite, é divertido. Claro que, criança ou adulto, alguém sempre tenta surfar e é aí que vemos uma criatura rolando pelo chão do brinquedo enquanto um monte de outras criaturas riem da cara do pobre coitado. Pois é.

E, pra finalizar, os doces. Ah, esperar as quatro horas, o parabéns com direit…