Pular para o conteúdo principal

Bem Aqui

Santos, 5 de Dezembro de 2010

Caros avô e padrinho,

Normalmente seria dito que de onde vocês estão não podem ler essa carta mas, partindo do ponto de vista de que vocês estão sempre aqui conosco, acredito que possam sim ler o que escrevo. Esses dias tenho pensado em vocês e acho que seria legal contar como vão as coisas por aqui (apesar de vocês provavelmente já saberem também).

Primeiro as notícias para você, vovô. São mais longas, já que nunca pude te conhecer pessoalmente. Cresci sempre ouvindo falar de você e como era engraçado, paciente, sempre tranquilo lendo os livros que agora eu anseio por ler também, escrevendo as crônicas e peças que foram guardadas com carinho. Dizem que sou muito como você. Não na paciência, porque isso eu não tenho nem um pouco. Na verdade sou mais persistente do que paciente. Enfim, me dizem que pareço com você porque sou tranquila, leitora, escritora (apesar de acreditar que não chego nem a ponta do fio de cabelo do que você fazia). Também dizem que algumas coisas que faço (como meu jeito de parar com as pernas quando estou deitada no sofá) são iguais ao que você fazia.

Por isso sinto que eu conheço um pouquinho você. E, pelo que me dizem, você ficaria orgulhoso em saber que seus genes de escritor passaram para mim e agora estou correndo atrás deste sonho. Minhas intenções são escrever um livro e publicá-lo ano que vem. E você é uma das pessoas que mais inspiram esse desejo em mim.

As vezes me pego imaginando como seriam as coisas se você estivesse aqui conosco.

Suas filhas e sua esposa estão indo muito bem também. A vida vai seguindo, nós cinco e mais a Bolinha e a Mindy. A Bola é uma porquinha da índia bem gordinha que parece uma bola, claro. E a Mindy é uma Yorkshire loiríssima que faz festinha quando chegamos em casa. Você adoraria conhecê-las, eu acho, porque elas são tão fofas e simpáticas que não tem como não amá-las!

Aliás, isso já é parte do que devia estar contando a você também, padrinho. Ontem seu netinho mais novo se formou no pré. Ficamos todos tão orgulhosos! Os dois pequenos estão crescendo rápido. O mais velho já está quase na altura da mãe, veja só. E isso me lembrou minha primeira e minha segunda formatura. O padrinho pode assistir a minha primeira formatura, mas nenhum dos dois viu a segunda. Imagino que ficariam felizes se estivessem lá.

O que me lembra que ano que vem irei me formar mais uma vez. E então o que virá depois é a vida, sabe como é. Fico com um pouco de medo de encarar tudo isso, mesmo que signifique realizar meus sonhos. Gostaria que estivessem aqui para ver isso e me apoiar. Mas, de qualquer forma, vocês podem me dar seu apoio de onde estão, certo?

Estamos chegando no Natal. As casas de todos nós estão decoradas. O Natal será na sua casa, padrinho. Ela está um pouco mudada do que você via antes. A primeira mudança foi você não estar sentadinho na poltrona lendo, ou descendo as escadas imitando o "lobo mal" para mim.

Hoje eu e minha tia penduramos as luzinhas aqui em casa, e montamos a árvore. Acho que se estivesse aqui, vovô, você teria feito todo esse trabalho conosco, não é?

Imaginei que sim.

As vezes sinto uma saudade que vem de não sei de onde e vai crescendo. Saudades de você, padrinho, saudade de você, vovô, saudades de amigos que não vejo mais, saudades de comidas, de lugares, de qualquer coisa. Saudades do que tive e não tive. Não é estranho? Me pergunto se isso é normal, sabe como é. Ando muito melancólica ultimamente.

E o maior motivo dessa carta, além de ter ficado tão nostálgica esses dias é que eu sonhei de novo com você, padrinho. Mas acho que você sabe disso, afinal foi você que veio me visitar. Desculpe acordar tão de repente, mas fiquei tão surpresa que dei um pulo. Fazia tanto tempo que não me visitava nos meus sonhos! E você tinha dito que voltaria. De fato, voltou.

Me estenderia tanto nessa carta, contando minha vida e a vida de todos aqui na família... Mas creio que ficaria grande demais para qualquer um ler. Vou, portanto, começar a me despedir. Outra hora qualquer conto um pouco mais. Estamos todos muito bem e com muitas saudades, vocês mal podem imaginar. Continuem como sempre, por favor, bem aqui conosco.

Um abraço para cada um de sua neta e sua afilhada,

Letícia

Comentários

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…