Pular para o conteúdo principal

Molhada Tarde de Verão


- Cuidado!

Era calor, muito calor mesmo. Aqueles típicos de Janeiro. Mas chovia. Vinha de todos os lados, aquela água gelada, acertando-os em cheio.

Eram dois times, inicialmente. Mas em menos de cinco segundos, virou cada um por si. Era melhor assim, pensaram. E então corriam para lá e para cá, com balões e armas de plástico.

- Eu vou te pegar! - gritou a menina de cabelos cacheados, correndo atrás do garoto loiro. Era uma desvantagem, na verdade, considerando-se que era metade dele em altura e velocidade. Ele correria bem mais rápido.

Mas, quem se importa com isso de verdade?

A garota loira se juntou à de olhos verdes e agora as duas enchiam um balão enorme. Pena que não notaram o moreno correndo até elas e explodindo um jorro de água fresca em cada uma.

Boom. Ploft. Eram esses os sons que se escutava, intercalados com gritos e gargalhadas.

Depois de um tempo, acabaram-se os balões e o fôlego. Se jogaram na grama, gargalhando de monte. Mas não ficaram ali por muito tempo. A piscina era um atrativo e tanto para cinco primos encharcados. E logo estavam na água morna da piscina, aquecida pelo sol do dia todo, gritando mais um monte.

Não se viam há meses. E aquela era a festa de boas-vindas para garota de olhos verdes que acabara de chegar, e de despedida ao garoto moreno, que iria embora em poucos dias.

Claro que, como de praxe em um verão quente como aquele, começou a chover. Mas para quem já estava molhado, umas gotas a mais ou a menos não fariam diferença.

- Já pra dentro, vamos logo! - gritou a avó de dentro da casa, depois de ficarem sob a chuva grossa durante um bom tempo.

Entraram, enrolados em toalhas e rindo. Aquela seria a última vez que brincariam todos juntos tão unidos. Logo ficariam moços e prefeririam ler e conversar. Correr com balões de água? Jamais! Mas brincadeiras assim, com tanto sentimento, se perpetuam no tempo. E posso jurar que, quando chove, ainda é possível escutar os risos daquela molhada tarde de verão.



Comentários

  1. Letícia, obrigada pela participação na 41ª Edição visual!
    Boa sorte!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Eu odeio gripe

Sabe, eu poderia falar de muitas coisas. Poderia falar do aquecimento global, das eleições, das pessoas babacas... Mas não.

Vou falar da minha garganta.

Porque estava indo tudo bem. O frio estava chegando sem nariz escorrendo, garganta inflamada ou coisa assim. Eu ia montar um altar pra alguém (não sei quem, mas ia) em comemoração a isso, porque é um milagre eu não ter ficado com absolutamente nenhuma marca da mudança de tempo.

Mas então hoje, do nada, minha garganta ficou irritada.

Sabe quando fica difícil de engolir, coça, e parece que você poderia tossir para sempre? É assim minha situação agora.

Eu, pessoalmente, acho que é castigo. Porque, mentalmente, "caçoei" das pessoas que tinham ficado assim. Não foi bem um "ahaha, você está doente e eu não". Na verdade foi mais um "nossa, ele tá doente e eu tô na boa!".

E agora aqui estou.

E, sabe o mais cômico? Tá um frio do caramba e a única coisa que alivia minha garganta (comprovado por mim mesma ao longo do…

Real Demais

Caminhou tremulamente até a ponta. Olhou para baixo e viu o mundo. Estava tão no alto, tão superior às pessoas e carros minúsculos lá embaixo... Até os outros prédios pareciam pequenos. Resolveu sentar-se.

Sua espinha congelava enquanto se movia lentamente, para sentar-se. Precisou forçar tanto sua coluna para baixo que sentiu que ela era um pedaço de gelo quebrando-se. Seu braço estava arrepiado. Ela odiava alturas.

Não poderia arriscar olhar para cima, porque seria tão ruim ou pior. A imensidão sobre sua cabeça lhe causava arrepios, principalmente estando sentada em um lugar tão... instável. Se desequilibraria mais facilmente ainda.

Ficou parada um tempo, decidindo para que ponto olhar. Percebeu que manter a cabeça reta e os olhos baixos não lhe trazia aquela sensação... horrível. A cabeça girava, tudo ficava preto, o coração acelerava...

Tum. Tum. Tum.

Ela se virou e revistou a mochila. Tirou algo de lá e, lentamente, esticou uma perna para baixo. Depois se arrastou para frente co…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…