Pular para o conteúdo principal

Orgulho

Entra no palco. Estalos de todos os ângulos a olham. É chegada a hora.

Girava lentamente, com as mãozinhas acima da cabeça, na ponta dos pés. Os olhos fechados sentiam a música e seu ritmo tranquilo, o piano tocando lentamente. Era uma caixinha de música. A expressão compenetrada em finalizar sua arte. Era o momento de brilhar e mostrar a todos o quão boa podia ser.

Sentado na terceira fila, a olhava com atenção. O balanço de sua saia ao vento, os acordes, sincronizados. Seu coração palpitava em seu peito, com uma emoção que nunca sentira igual. Não sentia empatia, pois a expressão que ela lhe mostrava era de tranquilidade e seu coração estava longe de sentir isso. Era apertado, era alegre. Sentia vontade de sair correndo e pulando por ali, gargalhando.

É curioso o que um piano tocando tranquilamente podia fazer. Silêncio. Cumplicidade. Concentração. E a mesma vontade de correr gargalhando sob o sol. Ia e vinha, ia e vinha. Agudo, grave. Não haviam moscas porque o único zunido era o seu próprio.

E então os corações, nervos, cordas, se acalmam tão rápido quanto se animaram. Não precisavam mais disfarçar a emoção em máscara serena, pois agora todos explodiam em conjunto. O calor de um abraço, lágrimas paternais, sorrisos. Missão cumprida.

Fechou a tampa da caixa e olhou pela janela. Bons tempos aqueles em que conquistava uma platéia com piruetas. Sua miniatura, dada de presente pelo espectador favorito, com a música da primeira apresentação ficava ali, pronta para tocar todas as vezes que quisesse se lembrar.


Comentários

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

Real Demais

Caminhou tremulamente até a ponta. Olhou para baixo e viu o mundo. Estava tão no alto, tão superior às pessoas e carros minúsculos lá embaixo... Até os outros prédios pareciam pequenos. Resolveu sentar-se.

Sua espinha congelava enquanto se movia lentamente, para sentar-se. Precisou forçar tanto sua coluna para baixo que sentiu que ela era um pedaço de gelo quebrando-se. Seu braço estava arrepiado. Ela odiava alturas.

Não poderia arriscar olhar para cima, porque seria tão ruim ou pior. A imensidão sobre sua cabeça lhe causava arrepios, principalmente estando sentada em um lugar tão... instável. Se desequilibraria mais facilmente ainda.

Ficou parada um tempo, decidindo para que ponto olhar. Percebeu que manter a cabeça reta e os olhos baixos não lhe trazia aquela sensação... horrível. A cabeça girava, tudo ficava preto, o coração acelerava...

Tum. Tum. Tum.

Ela se virou e revistou a mochila. Tirou algo de lá e, lentamente, esticou uma perna para baixo. Depois se arrastou para frente co…

Leite com Vodka

Sua bebida favorita sempre foi leite. Aquele líquido branco e um pouco denso, que bebês adoram. Bebia com tudo: chocolate, morango, groselha... Era um bebedor. Seus lanches não eram feitos sem leite. E se não o bebia, misturava em algum outro ingrediente. Sucrilhos, frutas batidas. Nutritivo da cabeça aos pés. O alimentava por dentro e ele consumia com orgulho.

Então cresceu. Você sabe, quando crescem eles mudam os interesses. Não mais desenhava os programas que via. Agora via apenas a parede do quarto e festas banhadas a vodka. Ah, a vodka. Virou sua bebida preferida, com toda certeza. Aquele cheiro forte no líquido transparente, que jovens usam para se mostrar descolados. Bebia com tudo: frutas batidas, sucos, refrigerantes, sem nada. Virava uma dose e outra. Descolado da cabeça aos pés, na moda, inteiramente parte do grupo.

Mas a vida não era só Leite ou Vodka. Pelo menos não mais. Foi em mais um dia de Vodka que a encontrou. Ela lhe sorriu e ele se aproximou. Parece que foi à …