Pular para o conteúdo principal

Orgulho

Entra no palco. Estalos de todos os ângulos a olham. É chegada a hora.

Girava lentamente, com as mãozinhas acima da cabeça, na ponta dos pés. Os olhos fechados sentiam a música e seu ritmo tranquilo, o piano tocando lentamente. Era uma caixinha de música. A expressão compenetrada em finalizar sua arte. Era o momento de brilhar e mostrar a todos o quão boa podia ser.

Sentado na terceira fila, a olhava com atenção. O balanço de sua saia ao vento, os acordes, sincronizados. Seu coração palpitava em seu peito, com uma emoção que nunca sentira igual. Não sentia empatia, pois a expressão que ela lhe mostrava era de tranquilidade e seu coração estava longe de sentir isso. Era apertado, era alegre. Sentia vontade de sair correndo e pulando por ali, gargalhando.

É curioso o que um piano tocando tranquilamente podia fazer. Silêncio. Cumplicidade. Concentração. E a mesma vontade de correr gargalhando sob o sol. Ia e vinha, ia e vinha. Agudo, grave. Não haviam moscas porque o único zunido era o seu próprio.

E então os corações, nervos, cordas, se acalmam tão rápido quanto se animaram. Não precisavam mais disfarçar a emoção em máscara serena, pois agora todos explodiam em conjunto. O calor de um abraço, lágrimas paternais, sorrisos. Missão cumprida.

Fechou a tampa da caixa e olhou pela janela. Bons tempos aqueles em que conquistava uma platéia com piruetas. Sua miniatura, dada de presente pelo espectador favorito, com a música da primeira apresentação ficava ali, pronta para tocar todas as vezes que quisesse se lembrar.


Comentários

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…