Pular para o conteúdo principal

Nessa Data Querida...

Tantas vezes, ano após ano, e sempre me pego ansiosa. Sempre há um motivo para me pegar pensando "falta pouco tempo". As vezes faltam meses e já me pego planejando, imaginando, ansiando. Por que sou tão diferente de todo mundo, que tem medo de ficar mais velho?

Não sei se é o reunir a família, juntar os amigos, misturar uns aos outros ou ganhar os presentes. Não sei se é a bolinha de queijo da avó, os telefonemas da outra avó ou o bolo sempre maravilhoso, não importa o sabor. Talvez o fato de reunir metade dos amigos (a outra metade são os que não puderam) em uma só noite. Mas, seja lá qual for o motivo, eu adoro meu aniversário.

Em primeiro lugar, é uma terceira festa de fim de ano. Porque, enquanto a maior parte das famílias se vê no Natal e diz "até o Ano Novo", a minha diz "até dia 28". Sou meio que um terceiro motivo pra minha família se reunir no fim do ano, e ainda reúno a turminha de amigos!

Claro, tem os lados negativos, nada é um mar de rosas. É uma datinha "desgraçada", todo mundo tá sempre viajando e todos (repetindo TODOS) aqui em casa ficam loucos de um lado pro outro arrumando a casa duas vezes seguidas, uma pro aniversário, outro pro fim de ano. Isso sem contar a época que o Natal era aqui também.

Mas, o que queria dizer mesmo, são os anos de vida. Cada ano trás uma magia diferente. Primeiro foram os sete, pois continham a promessa de ir à Disney. Não fui, mas ganhei a primeira grande história da minha vida. Ansiei muito pelos dez anos. Duas mãos cheias e sentar no banco da frente do carro, quer coisa melhor?

E então, o tempo foi passando, até a época que fiz quinze. Não dei festa, não viajei, mas a intenção era que tivesse ido a Disney. Em compensação, minha mãe me deu um almoço com toda a família e amigos. E quando digo toda a família, quero dizer todos os meus primos e parentes e todo o resto, o que me causou um furor de felicidade incrível. Me pergunto se no caso de os meus amigos de agora estarem lá naquela época, minha felicidade não tivesse sido maior ainda (porque, mesmo adorando os que estavam lá naquele dia, os de agora também são especiais).

Então nos anos seguintes esperei calmamente pelos dezesseis e dezessete. O primeiro porque, não sei se repararam, mas a maioria das músicas adolescentes falam de "turn sixteen" (fazer dezesseis). Isso porque nos EUA os dezesseis que são "mágicos", não os quinze.

De qualquer forma, fiz dezesseis. E aí assisti a Noviça Rebelde, depois de anos, e vi a famosa música "You are sixteen, going on to seventeen..." (você tem dezesseis, indo para dezessete) e me apaixonei. Era o MEU caso. Foi por causa dessa música que tive o estalo dentro do meu cérebro e comecei a pensar no meu aniversário. E, depois, o fato de que no mundo de Harry Potter, os bruxos se tornam maior de idade aos dezessete.

Pode parecer tudo muito infantil, mas essas coisas mexem comigo, não faço ideia do por quê. Talvez toquem na criança interna dentro de mim, não sei dizer.

Então, estou a vinte e quatro horas e meia para fazer dezessete anos. Literalmente com dezesseis indo para dezessete.

E isso significa ver de novo meus amigos e minha família. E nesse ano tem o bônus da minha família de São Paulo (ok, minha vó, minha tia e meus dois primos). Esse ano, tenho mais brincadeiras para o wii. Esse ano tenho um M&M gigante para pôr M&M's dentro. Esse ano tenho a decoração natalina feita quase cem por cento por mim. Esse ano tenho tantas coisas...

Talvez acabem me faltando algumas. Pelo menos no físico. Mas, de qualquer modo, estou feliz. E ansiosa. Mal posso esperar. Com certeza absoluta essa é realmente uma data querida, com muitas felicidades e, espero, muitos anos de vida. Parabéns para mim.

Comentários

  1. Vim te dar os parabéns e que tenhas um lindo niver! beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Passei pra deixar um selo, mas deveria ter passado um dia antes para desejar os parabéns como manda o figurino, de qualquer maneira, parabéns atrasado :x
    Ah, gostei do blog ^^

    http://maiaraentrelinhas.blogspot.com/2010/12/selos.html

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Eu odeio gripe

Sabe, eu poderia falar de muitas coisas. Poderia falar do aquecimento global, das eleições, das pessoas babacas... Mas não.

Vou falar da minha garganta.

Porque estava indo tudo bem. O frio estava chegando sem nariz escorrendo, garganta inflamada ou coisa assim. Eu ia montar um altar pra alguém (não sei quem, mas ia) em comemoração a isso, porque é um milagre eu não ter ficado com absolutamente nenhuma marca da mudança de tempo.

Mas então hoje, do nada, minha garganta ficou irritada.

Sabe quando fica difícil de engolir, coça, e parece que você poderia tossir para sempre? É assim minha situação agora.

Eu, pessoalmente, acho que é castigo. Porque, mentalmente, "caçoei" das pessoas que tinham ficado assim. Não foi bem um "ahaha, você está doente e eu não". Na verdade foi mais um "nossa, ele tá doente e eu tô na boa!".

E agora aqui estou.

E, sabe o mais cômico? Tá um frio do caramba e a única coisa que alivia minha garganta (comprovado por mim mesma ao longo do…

Real Demais

Caminhou tremulamente até a ponta. Olhou para baixo e viu o mundo. Estava tão no alto, tão superior às pessoas e carros minúsculos lá embaixo... Até os outros prédios pareciam pequenos. Resolveu sentar-se.

Sua espinha congelava enquanto se movia lentamente, para sentar-se. Precisou forçar tanto sua coluna para baixo que sentiu que ela era um pedaço de gelo quebrando-se. Seu braço estava arrepiado. Ela odiava alturas.

Não poderia arriscar olhar para cima, porque seria tão ruim ou pior. A imensidão sobre sua cabeça lhe causava arrepios, principalmente estando sentada em um lugar tão... instável. Se desequilibraria mais facilmente ainda.

Ficou parada um tempo, decidindo para que ponto olhar. Percebeu que manter a cabeça reta e os olhos baixos não lhe trazia aquela sensação... horrível. A cabeça girava, tudo ficava preto, o coração acelerava...

Tum. Tum. Tum.

Ela se virou e revistou a mochila. Tirou algo de lá e, lentamente, esticou uma perna para baixo. Depois se arrastou para frente co…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…