Pular para o conteúdo principal

Rotina da Noite

Em qualquer lugar, em qualquer dia.

Querido Ídolo,

Pouco importa seu nome e tampouco o meu. Basta apenas dizer que sou sua fã. Não sou partidária dos rótulos, principalmente esses "ídolo" e "fã". Ídolo soa algo grandioso e divino demais. Você é apenas alguém que admiro e apoio, alguém que faz coisas que me fascinam. E eu a pessoa que te faz ter vontade de continuar, quando tudo está perdido. Não que me sinta importante assim. Só repeti o que você mesmo já disse.

Mas como ia dizendo, seus atos me fascinam. E como. A movimentação, o sentimento, aquele sorriso e o brilho nos olhos, além de todo o banho de emoções que nos transmite com seu trabalho, a vontade. Tudo tão inspirado. Tudo tão inspirador.

Seu trabalho muda o mundo, de alguma forma. No mínimo, muda o mundo daquelas pessoas, que por falta de nome chamo de fãs, que quando entraram em contato com tudo o que você é, se sentiram decolando em um balão de ar quente, para bem longe.

Todos os dias você salva pelo menos uma vida, mesmo que não saiba, com suas palavras, com as ações, a poesia e a canção em você. Uma dessas vidas foi a minha. Quantas vezes nesses anos que esteve comigo (mesmo que não soubesse fisicamente disso) você não me ajudou? Me aninhou em seu colo quente e fraterno, sussurrou palavras bonitas para mim. Seja lá o que precisasse, ter você me bastou.

Já fui do tipo que grita e se descabela. Mas não sou tiete. Sou mais aquela admiradora amiga, torcedora, espectadora, irmã. Sigo seus passos positivos e tomo os negativos como lição.

Sou grata por aquilo que me proporcionou e espero te dar algo em troca um dia. Minha vida segue junto à você. E, quando longe, sinto aquele desespero em te tocar. Mas logo acaba, porque recordo que tenho você sempre para quando tudo mais faltar.

Então, à noite, conto ao meu travesseiro todas as nossas aventuras, em um sussurro. Mostro a ele como é voar num balão. Empolga-se e pergunta mais, então respondo. E é assim minha rotina da noite.

Gostaria que lesse essa carta e me respondesse com, pelo menos, um olá. Pode aparecer, se quiser, será bom te ver. Quero novas histórias para contar ao travesseiro.

Sempre ao seu lado,

Fã número um.

Comentários

Postagens mais visitadas

As Bolhas

Sigo uma filosofia de olhar todos como neutros. Cada dia, as pessoas são uma coisa. De vez em quando, bolhas de sabão. Outras vezes, são todos bonecos de papelão.
Não importa a figura do dia, todos são idênticos à minha frente.
Não os vejo assim porque penso em um mundo massificado onde todos são iguais, dominados e alienados. Nada disso. Mesmo porque, de qualquer forma, já vivemos mais ou menos assim.
Os vejo como bolhas de sabão porque sei que é o certo a se fazer. Enquanto não conhecer a pessoa, ela é uma bolha. Dentro há uma infinidade de curiosidades para se descobrir. Quando a bolha estoura descubro o nome e, depois, a pessoa em si. Como ela é, o que pensa, o que gosta.
E, ainda assim, mesmo depois de a bolha estourar, tenho em mente que todos fomos bolhas. Eu era a bolha dele, ele a minha, nós dois a sua.
Escolhi bolhas porque elas são simplesmente redondas, de sabão e ar, e flutuam por aí, iguais, livres. Mas todas têm um brilho especial ao sol e um quê de diversão... Quem não gost…

À Luz da Manhã

Para Matheus e João.
Ouça. Crescer é como correr descalço na areia. Os pequenos grãos tocam sua pele e você sente, mesmo com a maciez do movimento ou o impacto suave, a aspereza do solo. A sensação é incômoda, mas ao mesmo tempo libertadora. Você para, então, e olha ao redor. Olha as marcas de seu pé no caminho que fez e o modo como, em alguns momentos, eles foram suaves e quase imperceptíveis e, em outros, foram largos e espalhafatosos. Você olha para o outro lado e vê o quanto ainda há para ser marcado. O som do oceano chega aos seus ouvidos e a brisa sopra seus cabelos e você sorri: está bem ali, entre onde já correu e para onde ainda vai correr. Mas, no fim, você só quer sentir seus pés afundando na areia enquanto o mar sopra sua canção ao vento.
Crescer é como subir uma colina de grama verde molhada pelo orvalho da manhã. Você quer saber, mais do que tudo, o que há do outro lado: serão montanhas ou vales? Serão córregos ou lagos? Que tipos de árvores haverão para serem escaladas? …

Sobre os meses sem novas postagens

Estudar é difícil. Você tem que usar seu tempo para isso e acaba não dando a atenção que devia para as outras coisas da sua vida, no meu caso, a escrita. E meu blog.

Então, o motivo para meu sumiço absoluto é esse (além de alguns acontecimentos no meio do caminho que sugaram minha força de vontade). Porém, estou ajeitando o caminho para voltar, talvez não com tudo ainda, mas voltar.

Preparem-se, "Letícia is coming".

Dentro em breve novas postagens, algumas de alguns textos escritos ao longo do ano e outras de textos escritos agora. E é isso aí.

Obrigada pela atenção!