Pular para o conteúdo principal

Um Bolso Encharcado


Teve de esperar o ano inteirinho por aquele dia. Noites sem dormir, dias sem sair, livros por toda parte. Seus olhos tinham olheiras quilométricas, seus cabelos nunca mais foram penteados direito.

Foram meses de desespero para aprender e continuar aprendendo e recordar e treinar. Eram tantos "es"! Aqueles cálculos, aqueles textos e mapas. Conhecimento nunca fora tão cansativo.

Mas ali estava ele. Tinha conseguido, no fim das contas.

Foram anos, na verdade, caminhando para aquele dia. Desde uma criancinha até agora. Um jovem determinado. Seu coração estava cheio de alguma coisa que quase não cabia lá dentro. Era um aperto para fora, que fazia palpitar mais que o normal.

Então ele recebeu aquela folha de papel que dizia que agora ele estava formado.

Olhou para a folha em suas mãos. O certificado de verdade, não aquele tubinho vazio simbólico. Estava andando lentamente até a sua bicicleta com a boca em forma de O e olhos arregalados. Guardou o papel no bolso, subiu na bicicleta e de repente toda sua exaustão desapareceu.

Porque agora ele poderia finalmente descansar.

Começou a pedalar rapidamente sentindo o vento no seu rosto e soprando seu cabelo. Chegou em uma ladeira e ergueu o chapéu que estava usando.

- ESTOU DE FÉRIAAAAAAAS!

Um casal de idade parou e olhou para ele. A velocidade da bicicleta só aumentava. Mais a frente uma mulher guardava suas compras no porta malas do carro.

- Você ouviu? ESTOU DE FÉRIAS! - ele gritou para ela.

Quase não conseguia distinguir mais os borrões ao seu redor. Pode ouvir algumas buzinas que sumiram ao longe bem rápido. Chegou a uma avenida perpendicular à rua que estava e pedalou mais rápido antes que o sinal abrisse.

Só que no fim da avenida estava um parque. E depois vinha um lago.

Já não tinha mais controle da bicicleta e foi indo por entre as árvores, passando por crianças e cachorros curiosos (quase atropelou um poodle), ouvindo as folhas secas no chão estalarem. Se imaginou em um filme. Aliás, aquilo estava tão parecido com um que tinha assistido outro dia, onde um cara perde o controle da bicicleta e...

- Opa!

"Pof" foi o som que a bicicleta fez quando bateu em um tronco que servia de banco e capotou. Então ele voou bem em direção ao lago.

A água refrescante molhou cada centímetro de seu corpo mas ele não se importou. Aquilo foi como um banho. Lavou todas as suas preocupações de sua cabeça e de seus ossos cansados. Nadou até a superfície e encontrou um círculo de pessoas olhando para ele.

- Estou bem. ESTOU DE FÉRIAS! - ele gritou. Então começou a nadar de costas, sem se importar com a bicicleta quebrada, com lago não ser próprio para natação, com as pessoas que estavam se perguntando se ele estava bem da cabeça, com as crianças rindo e querendo se molhar também, ou com o fato de que seu certificado estava completamente encharcado em seu bolso.

Comentários

  1. Deu pra sentir a alegria e felicidade daqui dele ao entrar em férias...Que bom! um beijo,tudo de bom,chica ( onde viste o resultado?Não vi nada ainda! )

    ResponderExcluir
  2. Voltei pra te agradecer o carinho. Legal!obrigado,beijos e lindo fim de semana!chica

    ResponderExcluir
  3. Ah muito legal Lê. To de férias, êêê

    ResponderExcluir
  4. Adorei teu blog e estou te seguindo, caso queira seguir-me também, veja:http://asvozesdomar.blogspot.com/

    Feliz Natal!

    Abç!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…