Pular para o conteúdo principal

Um Estranho Na Janela







Olhava para o céu. Os pés descalços tocavam as telhas frias do sereno e da noite. Seus olhos verdes rastreavam cada estrela com atenção. Soltava um muxoxo de reprovação cada vez que uma nuvem aparecia (apesar de isso acontecer poucas vezes, pois o céu estava muito limpo). Sempre se sentava no telhado da casa, bem em frente a janela do quarto, quando precisava se concentrar em algo. Ou, no caso, observar.

Felipe assistiu o céu durante toda a sua vida. Às vezes esperando coisas que nem ele mesmo sabia quais eram. Gostava particularmente do pôr do sol, principalmente no outono. Era sempre dourado, com algumas outras cores desconhecidas e iluminava as árvores (que já tinham as folhas secas avermelhadas e amareladas), que ficavam parecendo ouro. O pôr do sol era a hora da inspiração e concentração.

Depois, as manhãs. Era a iniciação. Gostava de ver o sol sair e dizer bom-dia a todos, era um alegre despertar para a vida que se seguiria antes do próximo sono. Além disso, do telhado ele podia ver as pessoas preparando café, pegando o jornal, dando comida para o cachorro, entre outras atividades matinais.

E então vinha a noite, quando ele refletia sobre o seu dia e seus sentimentos, enquanto assistia aquele tapete negro descer sobre todas as casas, colocando seus moradores para dormir. Para alguns a noite era o momento da agitação, mas para Felipe era do descanso e da reflexão.



Mas o garoto era mesmo muito criativo. Imaginava as coisas e então conseguia vê-las. Sempre fora assim. Até alguns anos, em que ele simplesmente perdeu essa habilidade. Não conseguia mais olhar o céu da mesma forma. Essa noite era Natal e ele varria o céu à procura do seu espírito Natalino perdido.

Até que, finalmente, aconteceu. Ouviu um barulho às suas costas e encontrou um trenó vermelho enorme com muitas renas, uma delas tinha até um nariz vermelho. Olhando para ele, com alguns presentes nas mãos, parado em frente à janela de seu quarto, com um pé meio para dentro, estava um estranho. Era velhinho e usava roupa vermelha, parecia até o...

- Papai Noel? - perguntou Felipe absurdado.
- Bom, é claro que sou eu, meu jovem! Como vai essa noite?
- Não tem mais graça, nada disso. Perdi o espírito, Noel.
- Ora, meu caro. É absolutamente compreensível. Você é um adolescente agora. Pessoas da sua idade estão entre crianças e adultos. Adultos não tem tempo para mim, para dizer a verdade. Crianças sim, se dedicam às coisas pequenas.
- Bom, você não parece lá muito pequeno, com todo respeito.

O velhinho sorriu, enquanto se equilibrava nos dois pés, ainda do lado de fora da casa.

- Você vai levar esses presentes para nós? - perguntou Felipe apontando os pacotes nas mãos do bom velhinho - porque eu não acredito mais em papai Noel, e meus pais sempre colocam os presentes da minha irmã, sabe...
- Tem certeza que são eles?
- Claro que tenho! Eu mesmo já os ajudei.
- Bom, então devo dizer que você também já foi Noel.
- AHN?
- Olhe, não importa de onde vem o presente. O ato de presentear, aquele sentimento que vem em seu coração nesse momento... você sabe o que é?
- Não.
- Espírito natalino.
- Aquela alegria, um certo orgulho, adrenalina... é isso?
- Fale como quiser, eu prefiro espírito natalino.

Papai Noel se sentou e pegou um biscoito do bolso. Ofereceu a Felipe, mas este recusou.

- Eu não entendo. Você não existe.
- Só se você acreditar que não - o velhinho sorriu.
- Devo estar sonhando.
- Se é assim que pensa...
- Para com isso!

Os jovens são assim mesmo. Explosivos, nunca conseguem se segurar. Muita gente gosta de culpar os hormônios. Mas a culpa bem que poderia ser toda a pressão da fase.

- O que procura, Felipe?
- Como sabe...?
- O que procura?

Felipe suspirou. Então respondeu.

- Não sei bem. Mas eu acho que quero continuar a ter aquela minha imaginação fértil, continuar a ter a alegria do Natal no coração. Agora tudo me parece tão... normal. Quero ser como as crianças que vejo nas janelas.
- Você olha pela janela, já é um começo.

Felipe olhou o velhinho de canto de olho, "deve estar maluco", foi o que pensou. Que raios seria isso de "olhar pela janela"?

- Você - continuou Noel - precisa abrir seu coração para as pequenas coisas que passam por você, coisas que por vezes estão escondidas e só seu coração poderá desenterrar.
- Coisas pequenas...
- Bom, acho melhor eu terminar meu trabalho.
- Como consegue visitar tantas pessoas em uma noite?
- Ora menino, já disse. Eu sou as pessoas. Estou dentro de cada um.

Felipe o assistiu entrar pela janela e, em poucos minutos, sair da casa. Sentou no trenó e disse ao rapaz:

- Você pode se afastar um pouco, por favor? As renas precisam de espaço para decolar. - Felipe o fez.
- Por que apareceu para mim hoje?
- Porque você estava precisando - ele sorriu - boa sorte, menino. E um feliz Natal.

Então ele viu papai Noel voar pelos céus. Se sentou no telhado novamente e ficou refletindo. Depois de certo tempo, um brilho dourado começou a surgir no céu e, pouco a pouco, o sol foi despertando. Foi escutando aqui e ali os gritos de alegria das crianças das casas vizinhas, ao descobrirem que o bom velhinho as visitara. Felipe viu pelas janelas das casas os olhos e sorrisos brilhantes dos pequeninos e a alegria dos pais em ver seus filhos tão felizes.

Foi assim que, sem saber exatamente como ou por que, Felipe soube que o espírito voltara e que aquele estranho na janela de seu quarto continuaria em todas as janelas de todos os quartos enquanto ainda houvesse alguém disposto a recebê-lo.

Se levantou e entrou em casa para acordar a irmã e os pais e desejar um feliz Natal.

Editado (27/10/11) Leia a segunda parte dessa história: Outro Estranho Na Janela

Comentários

  1. eu gostei, na verdade gostei muuito, eu tbm fiz um texto sobre a edição visual do bloínquês, mas eu acho qu vc merece ganhar, pois o seu texto se encaixou perfeitamente com a epoca, e euu bom eu fiz um texto comum meio melo dramatico sobre amor, quero muito que vc ganhe hihihih bjuss e feliz natal ;*

    ResponderExcluir
  2. Nossa, que texto bonito e profundo. Me lembra o Pequeno Príncipe e seu carneiro.
    Bom pra sempre lembar que imaginar como uma criança é bom.

    ResponderExcluir
  3. Mano, ficou foda. Sério, alem de criativo faz pensar, faz as pessoas lembrarem de quando realmente eram felizes, e queriam ser oque hoje são hoje. Mas todos querem ser oque eram antes *-*

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

Dia Três: Walmart e Downtown Disney

Dia 15... de Setembro, sábado.

A dois meses atrás, na hora que estou escrevendo isso, contando o fuso-horário, eu estava me arrumando, ou tomando café ou pegando o táxi. Alguma coisa assim.

Nosso café da manhã nesse dia foi o resto da pizza da noite anterior. Estive refletindo sobre o assunto e, sim, nós jantamos uma pizza enorme e linda e sobrou mais um monte para o café da manhã (e foi o que comi). A pizza americana não é tão boa quanto a nossa, mas também não é ruim. É aceitável, digamos assim. Apesar de que em certo ponto da viagem eu já não aguentava mais olhar pra dita cuja.

Só que eu adoraria olhá-la agora, afinal, significaria que estou lá, entende? Ok, prometo que parei.

Enfim, pegamos um táxi na porta do hotel. Vou falar um pouco do hotel, já que não tem muito o que ficar falando do Walmart. Tinha uma sala "Arcade", mas acabamos nem entrando nela porque não deu tempo, no mesmo corredor que (uma das) a entrada do "restaurante" e também a loja (uma miniatura…

Chá de cadeira

Se não quer tomar um, não leia. Eu falei pacas kk
Já ouviu essa expressão, chá de cadeira? É quando você fica muito tempo sentado esperando alguma coisa. Pois é. Ontem experimentei as delícias (ou não) de um chá de cadeira.
Guarda isso na cabeçinha. Arquivou? Beleza, vamos continuar.
Sabe quando você assiste aquele filme ou série de médico (tipo House, haha, amo) e você pensa "cara, como será que é trabalhar aí?!". Não digo na série filme, digo no hospital. Eu já pensei muito isso. Seria bem legal experimentar um corre-corre de hospital, ver como é um corpo humano DE VERDADE, sem esquemas em livros, ver médicos, ter os conhecimentos de médicos... seria tudo! Mas medicina não é pra mim, sabe, é tenso ter a vida de uma pessoa nas suas mãos. Muita responsabilidade.
Agora, lembra do que você tinha arquivado, do chá de cadeira? Não lembra? Ok, lê o começo do post de novo pra lembrar. Lembrou? Ok, então vem comigo.
Ontem fui com minha mãe para o hospital porque ela não se sentia …