Pular para o conteúdo principal

Baunilha com Maresia


Parado ali, sentiu primeiro o sopro do mar que sussurrava algo, mas parecia ser em outra língua. Ou em todas. O dono do sopro se chocava com as pedras calmamente. Qualquer um temeria um encontro, mas ele sabia que era inevitável. Então se chocava e se quebrava em espuma.

Havia um horizonte naquele momento. O céu era sorvete de cereja, com nuvens de marshmallow. O oceano era sua taça. As pedras eram a colher.

Respirou fundo e pôde sentir o cheiro: baunilha com maresia. A baunilha não era do tipo que coçava o nariz, pois tinha o sal do mar. Ela vinha das velas, expostas ao redor da cama. Eram pequenas vigiadoras para quem quer que se acomodasse no móvel de madeira com colchão macio. Haviam cortinas de seda.

Sentiu a frieza da pedra com um pouco de grama em seus pés. Se dirigiu à cama, sentindo a areia, e sentou-se.

O vento soprava seus cabelos, suas roupas brancas e a cortina de seda. Recostou-se nos travesseiros e esperou pacientemente. Logo, apareceu.

Era uma sombra, apenas. Não se deixava ver. A sombra sorriu e perguntou alguma coisa. O que é que ela está falando?

- Não entendo...
- O que faz aqui?

Pensou um tempo sem encontrar uma resposta. A sombra se moveu para sua lateral e entregou-lhe um sopro nos ouvidos que tinha som de "pense a respeito".

- Acho que estou sonhando.
- Muito bom - sibilou.

A sombra apareceu por entre a seda. Tinha um rosto, apesar de não saber à quem pertencia. Era um rapaz de cabelos e olhos escuros e sorriso brilhante. Se parecia um pouco com ele mesmo. Ou muito. Quando ia perguntar quem era, o garoto disse:

- Sua Consciência. Veio longe dessa vez, Sonhador. - e riu uma risada de folhas secas.

Piscou duas vezes, olhando sua Consciência.

- O que há?
- Você viajou um mundo para chegar até aqui. Poucos chegam. Mais um pouco e você se desprenderia...
- Eu vou morrer?!
- Não! Calma, que garoto histérico, credo. - disse a Consciência, sentando-se ao seu lado. - Agora, me diga, o que andou fazendo ultimamente?

Olhou para frente, a eternidade de areia e pedras e teve um vislumbre de sua vida vazia e insignificante.

- Não acha que está na hora de fazer algo diferente? - a Consciência perguntou, despreocupadamente.
- Eu acho que...
- Nunca ache nada. Você não está procurando, está? Você vai mudar ou não? Uma pergunta simples.
- A pergunta é simples, mas colocá-la em prática é que é complicado.
- Para quem quer mesmo fazer alguma diferença, nunca é complicado.

O Sonhador balançou a cabeça e voltou a olhar para a paisagem.

O vento era frio, mas algo naquele céu de sorvete o aquecia. Então começou a derreter até a cereja se misturar ao marshmallow. O Sonhador adormeceu.

E acordou num mundo onde não existem céus de sorvete, nem nuvens de marshmallow, ventos sussurantes, camas de seda ou baunilha com maresia.

Comentários

  1. Que linda ficou tua participação.Parabéns!beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. lindo, lindo e lindo, sempre arrasando néh miga hihih*.*

    ResponderExcluir
  3. Você. É. Demais. Sem mais.

    ResponderExcluir
  4. Adoro textos com sobras e sonhos. A figura da sombra dentro da psicologia jungiana é muito importante nesse contexto. Parece que conhece um pouco, ou que teve ao menos algum tipo de contato, ou segundo Jung, o inconsciente coletivo lhe levou a esse texto. De qualquer forma gosto muito dele.
    Aliás, eu fiz um texto muito parecido, que nunca terminei na verdade. Torna ainda mais interessante ler esse.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Eu odeio gripe

Sabe, eu poderia falar de muitas coisas. Poderia falar do aquecimento global, das eleições, das pessoas babacas... Mas não.

Vou falar da minha garganta.

Porque estava indo tudo bem. O frio estava chegando sem nariz escorrendo, garganta inflamada ou coisa assim. Eu ia montar um altar pra alguém (não sei quem, mas ia) em comemoração a isso, porque é um milagre eu não ter ficado com absolutamente nenhuma marca da mudança de tempo.

Mas então hoje, do nada, minha garganta ficou irritada.

Sabe quando fica difícil de engolir, coça, e parece que você poderia tossir para sempre? É assim minha situação agora.

Eu, pessoalmente, acho que é castigo. Porque, mentalmente, "caçoei" das pessoas que tinham ficado assim. Não foi bem um "ahaha, você está doente e eu não". Na verdade foi mais um "nossa, ele tá doente e eu tô na boa!".

E agora aqui estou.

E, sabe o mais cômico? Tá um frio do caramba e a única coisa que alivia minha garganta (comprovado por mim mesma ao longo do…

Real Demais

Caminhou tremulamente até a ponta. Olhou para baixo e viu o mundo. Estava tão no alto, tão superior às pessoas e carros minúsculos lá embaixo... Até os outros prédios pareciam pequenos. Resolveu sentar-se.

Sua espinha congelava enquanto se movia lentamente, para sentar-se. Precisou forçar tanto sua coluna para baixo que sentiu que ela era um pedaço de gelo quebrando-se. Seu braço estava arrepiado. Ela odiava alturas.

Não poderia arriscar olhar para cima, porque seria tão ruim ou pior. A imensidão sobre sua cabeça lhe causava arrepios, principalmente estando sentada em um lugar tão... instável. Se desequilibraria mais facilmente ainda.

Ficou parada um tempo, decidindo para que ponto olhar. Percebeu que manter a cabeça reta e os olhos baixos não lhe trazia aquela sensação... horrível. A cabeça girava, tudo ficava preto, o coração acelerava...

Tum. Tum. Tum.

Ela se virou e revistou a mochila. Tirou algo de lá e, lentamente, esticou uma perna para baixo. Depois se arrastou para frente co…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…