Pular para o conteúdo principal

Baunilha com Maresia


Parado ali, sentiu primeiro o sopro do mar que sussurrava algo, mas parecia ser em outra língua. Ou em todas. O dono do sopro se chocava com as pedras calmamente. Qualquer um temeria um encontro, mas ele sabia que era inevitável. Então se chocava e se quebrava em espuma.

Havia um horizonte naquele momento. O céu era sorvete de cereja, com nuvens de marshmallow. O oceano era sua taça. As pedras eram a colher.

Respirou fundo e pôde sentir o cheiro: baunilha com maresia. A baunilha não era do tipo que coçava o nariz, pois tinha o sal do mar. Ela vinha das velas, expostas ao redor da cama. Eram pequenas vigiadoras para quem quer que se acomodasse no móvel de madeira com colchão macio. Haviam cortinas de seda.

Sentiu a frieza da pedra com um pouco de grama em seus pés. Se dirigiu à cama, sentindo a areia, e sentou-se.

O vento soprava seus cabelos, suas roupas brancas e a cortina de seda. Recostou-se nos travesseiros e esperou pacientemente. Logo, apareceu.

Era uma sombra, apenas. Não se deixava ver. A sombra sorriu e perguntou alguma coisa. O que é que ela está falando?

- Não entendo...
- O que faz aqui?

Pensou um tempo sem encontrar uma resposta. A sombra se moveu para sua lateral e entregou-lhe um sopro nos ouvidos que tinha som de "pense a respeito".

- Acho que estou sonhando.
- Muito bom - sibilou.

A sombra apareceu por entre a seda. Tinha um rosto, apesar de não saber à quem pertencia. Era um rapaz de cabelos e olhos escuros e sorriso brilhante. Se parecia um pouco com ele mesmo. Ou muito. Quando ia perguntar quem era, o garoto disse:

- Sua Consciência. Veio longe dessa vez, Sonhador. - e riu uma risada de folhas secas.

Piscou duas vezes, olhando sua Consciência.

- O que há?
- Você viajou um mundo para chegar até aqui. Poucos chegam. Mais um pouco e você se desprenderia...
- Eu vou morrer?!
- Não! Calma, que garoto histérico, credo. - disse a Consciência, sentando-se ao seu lado. - Agora, me diga, o que andou fazendo ultimamente?

Olhou para frente, a eternidade de areia e pedras e teve um vislumbre de sua vida vazia e insignificante.

- Não acha que está na hora de fazer algo diferente? - a Consciência perguntou, despreocupadamente.
- Eu acho que...
- Nunca ache nada. Você não está procurando, está? Você vai mudar ou não? Uma pergunta simples.
- A pergunta é simples, mas colocá-la em prática é que é complicado.
- Para quem quer mesmo fazer alguma diferença, nunca é complicado.

O Sonhador balançou a cabeça e voltou a olhar para a paisagem.

O vento era frio, mas algo naquele céu de sorvete o aquecia. Então começou a derreter até a cereja se misturar ao marshmallow. O Sonhador adormeceu.

E acordou num mundo onde não existem céus de sorvete, nem nuvens de marshmallow, ventos sussurantes, camas de seda ou baunilha com maresia.

Comentários

  1. Que linda ficou tua participação.Parabéns!beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. lindo, lindo e lindo, sempre arrasando néh miga hihih*.*

    ResponderExcluir
  3. Você. É. Demais. Sem mais.

    ResponderExcluir
  4. Adoro textos com sobras e sonhos. A figura da sombra dentro da psicologia jungiana é muito importante nesse contexto. Parece que conhece um pouco, ou que teve ao menos algum tipo de contato, ou segundo Jung, o inconsciente coletivo lhe levou a esse texto. De qualquer forma gosto muito dele.
    Aliás, eu fiz um texto muito parecido, que nunca terminei na verdade. Torna ainda mais interessante ler esse.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

As Bolhas

Sigo uma filosofia de olhar todos como neutros. Cada dia, as pessoas são uma coisa. De vez em quando, bolhas de sabão. Outras vezes, são todos bonecos de papelão.
Não importa a figura do dia, todos são idênticos à minha frente.
Não os vejo assim porque penso em um mundo massificado onde todos são iguais, dominados e alienados. Nada disso. Mesmo porque, de qualquer forma, já vivemos mais ou menos assim.
Os vejo como bolhas de sabão porque sei que é o certo a se fazer. Enquanto não conhecer a pessoa, ela é uma bolha. Dentro há uma infinidade de curiosidades para se descobrir. Quando a bolha estoura descubro o nome e, depois, a pessoa em si. Como ela é, o que pensa, o que gosta.
E, ainda assim, mesmo depois de a bolha estourar, tenho em mente que todos fomos bolhas. Eu era a bolha dele, ele a minha, nós dois a sua.
Escolhi bolhas porque elas são simplesmente redondas, de sabão e ar, e flutuam por aí, iguais, livres. Mas todas têm um brilho especial ao sol e um quê de diversão... Quem não gost…

À Luz da Manhã

Para Matheus e João.
Ouça. Crescer é como correr descalço na areia. Os pequenos grãos tocam sua pele e você sente, mesmo com a maciez do movimento ou o impacto suave, a aspereza do solo. A sensação é incômoda, mas ao mesmo tempo libertadora. Você para, então, e olha ao redor. Olha as marcas de seu pé no caminho que fez e o modo como, em alguns momentos, eles foram suaves e quase imperceptíveis e, em outros, foram largos e espalhafatosos. Você olha para o outro lado e vê o quanto ainda há para ser marcado. O som do oceano chega aos seus ouvidos e a brisa sopra seus cabelos e você sorri: está bem ali, entre onde já correu e para onde ainda vai correr. Mas, no fim, você só quer sentir seus pés afundando na areia enquanto o mar sopra sua canção ao vento.
Crescer é como subir uma colina de grama verde molhada pelo orvalho da manhã. Você quer saber, mais do que tudo, o que há do outro lado: serão montanhas ou vales? Serão córregos ou lagos? Que tipos de árvores haverão para serem escaladas? …

Sobre os meses sem novas postagens

Estudar é difícil. Você tem que usar seu tempo para isso e acaba não dando a atenção que devia para as outras coisas da sua vida, no meu caso, a escrita. E meu blog.

Então, o motivo para meu sumiço absoluto é esse (além de alguns acontecimentos no meio do caminho que sugaram minha força de vontade). Porém, estou ajeitando o caminho para voltar, talvez não com tudo ainda, mas voltar.

Preparem-se, "Letícia is coming".

Dentro em breve novas postagens, algumas de alguns textos escritos ao longo do ano e outras de textos escritos agora. E é isso aí.

Obrigada pela atenção!