Pular para o conteúdo principal

Baunilha com Maresia


Parado ali, sentiu primeiro o sopro do mar que sussurrava algo, mas parecia ser em outra língua. Ou em todas. O dono do sopro se chocava com as pedras calmamente. Qualquer um temeria um encontro, mas ele sabia que era inevitável. Então se chocava e se quebrava em espuma.

Havia um horizonte naquele momento. O céu era sorvete de cereja, com nuvens de marshmallow. O oceano era sua taça. As pedras eram a colher.

Respirou fundo e pôde sentir o cheiro: baunilha com maresia. A baunilha não era do tipo que coçava o nariz, pois tinha o sal do mar. Ela vinha das velas, expostas ao redor da cama. Eram pequenas vigiadoras para quem quer que se acomodasse no móvel de madeira com colchão macio. Haviam cortinas de seda.

Sentiu a frieza da pedra com um pouco de grama em seus pés. Se dirigiu à cama, sentindo a areia, e sentou-se.

O vento soprava seus cabelos, suas roupas brancas e a cortina de seda. Recostou-se nos travesseiros e esperou pacientemente. Logo, apareceu.

Era uma sombra, apenas. Não se deixava ver. A sombra sorriu e perguntou alguma coisa. O que é que ela está falando?

- Não entendo...
- O que faz aqui?

Pensou um tempo sem encontrar uma resposta. A sombra se moveu para sua lateral e entregou-lhe um sopro nos ouvidos que tinha som de "pense a respeito".

- Acho que estou sonhando.
- Muito bom - sibilou.

A sombra apareceu por entre a seda. Tinha um rosto, apesar de não saber à quem pertencia. Era um rapaz de cabelos e olhos escuros e sorriso brilhante. Se parecia um pouco com ele mesmo. Ou muito. Quando ia perguntar quem era, o garoto disse:

- Sua Consciência. Veio longe dessa vez, Sonhador. - e riu uma risada de folhas secas.

Piscou duas vezes, olhando sua Consciência.

- O que há?
- Você viajou um mundo para chegar até aqui. Poucos chegam. Mais um pouco e você se desprenderia...
- Eu vou morrer?!
- Não! Calma, que garoto histérico, credo. - disse a Consciência, sentando-se ao seu lado. - Agora, me diga, o que andou fazendo ultimamente?

Olhou para frente, a eternidade de areia e pedras e teve um vislumbre de sua vida vazia e insignificante.

- Não acha que está na hora de fazer algo diferente? - a Consciência perguntou, despreocupadamente.
- Eu acho que...
- Nunca ache nada. Você não está procurando, está? Você vai mudar ou não? Uma pergunta simples.
- A pergunta é simples, mas colocá-la em prática é que é complicado.
- Para quem quer mesmo fazer alguma diferença, nunca é complicado.

O Sonhador balançou a cabeça e voltou a olhar para a paisagem.

O vento era frio, mas algo naquele céu de sorvete o aquecia. Então começou a derreter até a cereja se misturar ao marshmallow. O Sonhador adormeceu.

E acordou num mundo onde não existem céus de sorvete, nem nuvens de marshmallow, ventos sussurantes, camas de seda ou baunilha com maresia.

Comentários

  1. Que linda ficou tua participação.Parabéns!beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. lindo, lindo e lindo, sempre arrasando néh miga hihih*.*

    ResponderExcluir
  3. Você. É. Demais. Sem mais.

    ResponderExcluir
  4. Adoro textos com sobras e sonhos. A figura da sombra dentro da psicologia jungiana é muito importante nesse contexto. Parece que conhece um pouco, ou que teve ao menos algum tipo de contato, ou segundo Jung, o inconsciente coletivo lhe levou a esse texto. De qualquer forma gosto muito dele.
    Aliás, eu fiz um texto muito parecido, que nunca terminei na verdade. Torna ainda mais interessante ler esse.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

Leite com Vodka

Sua bebida favorita sempre foi leite. Aquele líquido branco e um pouco denso, que bebês adoram. Bebia com tudo: chocolate, morango, groselha... Era um bebedor. Seus lanches não eram feitos sem leite. E se não o bebia, misturava em algum outro ingrediente. Sucrilhos, frutas batidas. Nutritivo da cabeça aos pés. O alimentava por dentro e ele consumia com orgulho.

Então cresceu. Você sabe, quando crescem eles mudam os interesses. Não mais desenhava os programas que via. Agora via apenas a parede do quarto e festas banhadas a vodka. Ah, a vodka. Virou sua bebida preferida, com toda certeza. Aquele cheiro forte no líquido transparente, que jovens usam para se mostrar descolados. Bebia com tudo: frutas batidas, sucos, refrigerantes, sem nada. Virava uma dose e outra. Descolado da cabeça aos pés, na moda, inteiramente parte do grupo.

Mas a vida não era só Leite ou Vodka. Pelo menos não mais. Foi em mais um dia de Vodka que a encontrou. Ela lhe sorriu e ele se aproximou. Parece que foi à …

Outro Estranho na Janela

Leia a primeira parte dessa história: Um Estranho Na Janela
Texto para a oficina criativa do colégio, inspirado na imagem de uma edição do Bloínquês que não consegui participar porque não consegui escrever o texto a tempo.
Dedicado aos Chapeleiros e Alices do mundo.
O sol dourado de outono brilhava a meio caminho do chão. A moça sentava-se em uma telha mais macia, no telhado de sua casa. Usava um vestido confortável e tinha os pés descalços. Largou o pequeno livro amarelo que lia no peitoril da janela e viu as árvores se espreguiçarem.

Nas casas ao redor, cachorros latiam para os donos que chegavam mais cedo. Crianças vinham sorrindo da escola. Um dia comum e pacato.

Alice gostava de sentar-se no telhado desde a noite em que seu irmão disse ter visto Papai Noel na janela. Fora tão surpreendente ouvir Felipe dizendo aquilo, já que ele costumava ser tão chato e estraga-prazeres, que seu passatempo virou sentar-se no telhado e esperá-lo.

Mas um dia todos crescem e Alice parou de acredit…