Pular para o conteúdo principal

Cores Dançantes

Existe uma coisa que acontece nos dez minutos finais de cada ano. Claro, a coisa se extende durante todas as últimas vinte e quatro horas, mas nos dez minutos finais é que o negócio "pega fogo".

Durante as horas do último dia do ano acontece toda uma preparação de festa, pessoas indo na praia ficar lá até a virada (pelo menos aqui, onde tem praia), arrumar a casa para receber a família, corre pra lá, corre pra cá. Uma agitação, uma espera. Desejos, pedidos, esperanças.

Uns aqui e ali ficam nostálgicos. Deprimidos. Mas acaba logo.

Nos dez últimos minutos, ninguém se preocupa mais. Porque correm para pegar seu champagnhe, seu refrigerante, seus parentes. Correm até onde vão ver os fogos, com uma máquina fotográfica, e vão sorrir. Vão contar os minutos.

Então uma explosão de cores em chamas toma o céu. As estrelas se apagam para o espetáculo à frente. Ninguém mais se desconhece, o mundo é um só. As cores dançam todos os ritmos pelo céu. A música explode aos seus ouvidos. Gritos. Aplausos. Que maravilha de show!

Então acaba. Todos vão para casa. E a vida continua a mesma.

Mas, você sabe, é bom sentir que todos são um só por uns dez minutos. Principalmente se acompanhado de cores dançantes.

Comentários

  1. Ana Carolina15/02/2011 15:38

    Adoro o seu blog, você vai ser uma grande escritora! Quero um autógrafo desde já ;D
    Ana Carolina

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

Real Demais

Caminhou tremulamente até a ponta. Olhou para baixo e viu o mundo. Estava tão no alto, tão superior às pessoas e carros minúsculos lá embaixo... Até os outros prédios pareciam pequenos. Resolveu sentar-se.

Sua espinha congelava enquanto se movia lentamente, para sentar-se. Precisou forçar tanto sua coluna para baixo que sentiu que ela era um pedaço de gelo quebrando-se. Seu braço estava arrepiado. Ela odiava alturas.

Não poderia arriscar olhar para cima, porque seria tão ruim ou pior. A imensidão sobre sua cabeça lhe causava arrepios, principalmente estando sentada em um lugar tão... instável. Se desequilibraria mais facilmente ainda.

Ficou parada um tempo, decidindo para que ponto olhar. Percebeu que manter a cabeça reta e os olhos baixos não lhe trazia aquela sensação... horrível. A cabeça girava, tudo ficava preto, o coração acelerava...

Tum. Tum. Tum.

Ela se virou e revistou a mochila. Tirou algo de lá e, lentamente, esticou uma perna para baixo. Depois se arrastou para frente co…

Leite com Vodka

Sua bebida favorita sempre foi leite. Aquele líquido branco e um pouco denso, que bebês adoram. Bebia com tudo: chocolate, morango, groselha... Era um bebedor. Seus lanches não eram feitos sem leite. E se não o bebia, misturava em algum outro ingrediente. Sucrilhos, frutas batidas. Nutritivo da cabeça aos pés. O alimentava por dentro e ele consumia com orgulho.

Então cresceu. Você sabe, quando crescem eles mudam os interesses. Não mais desenhava os programas que via. Agora via apenas a parede do quarto e festas banhadas a vodka. Ah, a vodka. Virou sua bebida preferida, com toda certeza. Aquele cheiro forte no líquido transparente, que jovens usam para se mostrar descolados. Bebia com tudo: frutas batidas, sucos, refrigerantes, sem nada. Virava uma dose e outra. Descolado da cabeça aos pés, na moda, inteiramente parte do grupo.

Mas a vida não era só Leite ou Vodka. Pelo menos não mais. Foi em mais um dia de Vodka que a encontrou. Ela lhe sorriu e ele se aproximou. Parece que foi à …