Pular para o conteúdo principal

Rosa Sobre Cinza



A corrida ia sair caro. Mas nada que umas notas a mais funcionassem. Valeria a pena no fim, pensou. A chuva caia fria e cinza sobre os altos prédios, escorrendo pelo vidro que o separava do mundo lá fora. As gordas gotas de chuva aumentavam o brilho melancólico das luzes dos carros.

O tempo passou como navalhas em seu estômago e a chuva caiu como o tique-taquear do relógio. Os olhos piscavam pesados, mas seu cérebro não descansava, a mil. Queria vê-la, saber a reação. De vez em quando se pegava imaginando se seus órgãos não estavam mais interessados em vê-la do que ele mesmo, tamanha a agitação.

Depois de um tempo, a chuva parou, deixando para trás o molhado, a lama e o cinza. Depois, parou seu carro. O tempo pareceu passar tão devagar, mas ele havia corrido tanto... E agora tinha que chamá-la.

Buzinou uma vez.

A porta se abriu lentamente. Uma moça arrumada saiu de dentro da casa, olhando para o carro. A expressão era séria, mas ele notou seus olhos se arregalando e brilhando por um segundo. Não era um brilho alegre: havia angústia nele.

- Não esperava te ver aqui tão cedo. - Ela disse, seca.
- Não imaginava que precisaria voltar tão cedo. - respondeu.

Ela suspirou. Estava parada em frente a janela do carona. Braços cruzados.

- Não conseguiu o que queria? Não te aceitaram, algo assim?

A questão é que ele havia ido para a Europa, tentar a vida. Iria fazer um curso e tentaria um emprego. Não havia prazo para seu retorno. Então teve que se despedir. Mas a vida é muito engraçada, às vezes, e te mostra que algumas coisas que você quer fazer não são as que você deve cumprir.

Um avião, um carro, um posto de gasolina e paciência para viajar quilômetros e quilômetros. Foi o que recolheu.

- Na verdade, eu era um dos melhores do curso. - ela ergueu a sobrancelhas, o encarando.
- Então não conseguiu um emprego? - estava um pouco rouca e com olheiras.
- Na verdade, consegui, e estavam muito satisfeitos comigo.
- Então porque você voltou? O que faltava pra sua felicidade?
- Você, é claro - sorriu fraco - sei que você vai ter problemas com me perdoar, mas como pode ver, eu trouxe presentes, em caixas rosas. Sei que rosa é sua cor favorita, e eu aposto que você vai adorar o que há dentro delas. Tudo o que você sempre sonhou. Sei que não é assim que se ganha um perdão, mas não trouxe só por isso, é que eu sabia que você gostaria.
- E como você veio para cá?
- Correndo com o carro. Tive de alugá-lo. Mas não me importo.

Ela sorriu e deu a volta no carro. Parou à janela em que ele estava e se curvou para vê-lo melhor.

- Não precisava correr. Eu estaria aqui, é claro.

Tinha gosto de perdão. A cor era rosa. Rosa sobre cinza. O carro estava quente, mas suspeitava que a culpa não era dos embrulhos. Corações corriam. A rua molhada secava. O cinza do concreto não era mais tão cinza. Cores se libertavam para um sol que começava a nascer.

Comentários

  1. Que coisa mais linda...E o sol do amor brilhou! beijos,chica

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

Real Demais

Caminhou tremulamente até a ponta. Olhou para baixo e viu o mundo. Estava tão no alto, tão superior às pessoas e carros minúsculos lá embaixo... Até os outros prédios pareciam pequenos. Resolveu sentar-se.

Sua espinha congelava enquanto se movia lentamente, para sentar-se. Precisou forçar tanto sua coluna para baixo que sentiu que ela era um pedaço de gelo quebrando-se. Seu braço estava arrepiado. Ela odiava alturas.

Não poderia arriscar olhar para cima, porque seria tão ruim ou pior. A imensidão sobre sua cabeça lhe causava arrepios, principalmente estando sentada em um lugar tão... instável. Se desequilibraria mais facilmente ainda.

Ficou parada um tempo, decidindo para que ponto olhar. Percebeu que manter a cabeça reta e os olhos baixos não lhe trazia aquela sensação... horrível. A cabeça girava, tudo ficava preto, o coração acelerava...

Tum. Tum. Tum.

Ela se virou e revistou a mochila. Tirou algo de lá e, lentamente, esticou uma perna para baixo. Depois se arrastou para frente co…

Leite com Vodka

Sua bebida favorita sempre foi leite. Aquele líquido branco e um pouco denso, que bebês adoram. Bebia com tudo: chocolate, morango, groselha... Era um bebedor. Seus lanches não eram feitos sem leite. E se não o bebia, misturava em algum outro ingrediente. Sucrilhos, frutas batidas. Nutritivo da cabeça aos pés. O alimentava por dentro e ele consumia com orgulho.

Então cresceu. Você sabe, quando crescem eles mudam os interesses. Não mais desenhava os programas que via. Agora via apenas a parede do quarto e festas banhadas a vodka. Ah, a vodka. Virou sua bebida preferida, com toda certeza. Aquele cheiro forte no líquido transparente, que jovens usam para se mostrar descolados. Bebia com tudo: frutas batidas, sucos, refrigerantes, sem nada. Virava uma dose e outra. Descolado da cabeça aos pés, na moda, inteiramente parte do grupo.

Mas a vida não era só Leite ou Vodka. Pelo menos não mais. Foi em mais um dia de Vodka que a encontrou. Ela lhe sorriu e ele se aproximou. Parece que foi à …