Pular para o conteúdo principal

Rosa Sobre Cinza



A corrida ia sair caro. Mas nada que umas notas a mais funcionassem. Valeria a pena no fim, pensou. A chuva caia fria e cinza sobre os altos prédios, escorrendo pelo vidro que o separava do mundo lá fora. As gordas gotas de chuva aumentavam o brilho melancólico das luzes dos carros.

O tempo passou como navalhas em seu estômago e a chuva caiu como o tique-taquear do relógio. Os olhos piscavam pesados, mas seu cérebro não descansava, a mil. Queria vê-la, saber a reação. De vez em quando se pegava imaginando se seus órgãos não estavam mais interessados em vê-la do que ele mesmo, tamanha a agitação.

Depois de um tempo, a chuva parou, deixando para trás o molhado, a lama e o cinza. Depois, parou seu carro. O tempo pareceu passar tão devagar, mas ele havia corrido tanto... E agora tinha que chamá-la.

Buzinou uma vez.

A porta se abriu lentamente. Uma moça arrumada saiu de dentro da casa, olhando para o carro. A expressão era séria, mas ele notou seus olhos se arregalando e brilhando por um segundo. Não era um brilho alegre: havia angústia nele.

- Não esperava te ver aqui tão cedo. - Ela disse, seca.
- Não imaginava que precisaria voltar tão cedo. - respondeu.

Ela suspirou. Estava parada em frente a janela do carona. Braços cruzados.

- Não conseguiu o que queria? Não te aceitaram, algo assim?

A questão é que ele havia ido para a Europa, tentar a vida. Iria fazer um curso e tentaria um emprego. Não havia prazo para seu retorno. Então teve que se despedir. Mas a vida é muito engraçada, às vezes, e te mostra que algumas coisas que você quer fazer não são as que você deve cumprir.

Um avião, um carro, um posto de gasolina e paciência para viajar quilômetros e quilômetros. Foi o que recolheu.

- Na verdade, eu era um dos melhores do curso. - ela ergueu a sobrancelhas, o encarando.
- Então não conseguiu um emprego? - estava um pouco rouca e com olheiras.
- Na verdade, consegui, e estavam muito satisfeitos comigo.
- Então porque você voltou? O que faltava pra sua felicidade?
- Você, é claro - sorriu fraco - sei que você vai ter problemas com me perdoar, mas como pode ver, eu trouxe presentes, em caixas rosas. Sei que rosa é sua cor favorita, e eu aposto que você vai adorar o que há dentro delas. Tudo o que você sempre sonhou. Sei que não é assim que se ganha um perdão, mas não trouxe só por isso, é que eu sabia que você gostaria.
- E como você veio para cá?
- Correndo com o carro. Tive de alugá-lo. Mas não me importo.

Ela sorriu e deu a volta no carro. Parou à janela em que ele estava e se curvou para vê-lo melhor.

- Não precisava correr. Eu estaria aqui, é claro.

Tinha gosto de perdão. A cor era rosa. Rosa sobre cinza. O carro estava quente, mas suspeitava que a culpa não era dos embrulhos. Corações corriam. A rua molhada secava. O cinza do concreto não era mais tão cinza. Cores se libertavam para um sol que começava a nascer.

Comentários

  1. Que coisa mais linda...E o sol do amor brilhou! beijos,chica

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…