Pular para o conteúdo principal

Rosa Sobre Cinza



A corrida ia sair caro. Mas nada que umas notas a mais funcionassem. Valeria a pena no fim, pensou. A chuva caia fria e cinza sobre os altos prédios, escorrendo pelo vidro que o separava do mundo lá fora. As gordas gotas de chuva aumentavam o brilho melancólico das luzes dos carros.

O tempo passou como navalhas em seu estômago e a chuva caiu como o tique-taquear do relógio. Os olhos piscavam pesados, mas seu cérebro não descansava, a mil. Queria vê-la, saber a reação. De vez em quando se pegava imaginando se seus órgãos não estavam mais interessados em vê-la do que ele mesmo, tamanha a agitação.

Depois de um tempo, a chuva parou, deixando para trás o molhado, a lama e o cinza. Depois, parou seu carro. O tempo pareceu passar tão devagar, mas ele havia corrido tanto... E agora tinha que chamá-la.

Buzinou uma vez.

A porta se abriu lentamente. Uma moça arrumada saiu de dentro da casa, olhando para o carro. A expressão era séria, mas ele notou seus olhos se arregalando e brilhando por um segundo. Não era um brilho alegre: havia angústia nele.

- Não esperava te ver aqui tão cedo. - Ela disse, seca.
- Não imaginava que precisaria voltar tão cedo. - respondeu.

Ela suspirou. Estava parada em frente a janela do carona. Braços cruzados.

- Não conseguiu o que queria? Não te aceitaram, algo assim?

A questão é que ele havia ido para a Europa, tentar a vida. Iria fazer um curso e tentaria um emprego. Não havia prazo para seu retorno. Então teve que se despedir. Mas a vida é muito engraçada, às vezes, e te mostra que algumas coisas que você quer fazer não são as que você deve cumprir.

Um avião, um carro, um posto de gasolina e paciência para viajar quilômetros e quilômetros. Foi o que recolheu.

- Na verdade, eu era um dos melhores do curso. - ela ergueu a sobrancelhas, o encarando.
- Então não conseguiu um emprego? - estava um pouco rouca e com olheiras.
- Na verdade, consegui, e estavam muito satisfeitos comigo.
- Então porque você voltou? O que faltava pra sua felicidade?
- Você, é claro - sorriu fraco - sei que você vai ter problemas com me perdoar, mas como pode ver, eu trouxe presentes, em caixas rosas. Sei que rosa é sua cor favorita, e eu aposto que você vai adorar o que há dentro delas. Tudo o que você sempre sonhou. Sei que não é assim que se ganha um perdão, mas não trouxe só por isso, é que eu sabia que você gostaria.
- E como você veio para cá?
- Correndo com o carro. Tive de alugá-lo. Mas não me importo.

Ela sorriu e deu a volta no carro. Parou à janela em que ele estava e se curvou para vê-lo melhor.

- Não precisava correr. Eu estaria aqui, é claro.

Tinha gosto de perdão. A cor era rosa. Rosa sobre cinza. O carro estava quente, mas suspeitava que a culpa não era dos embrulhos. Corações corriam. A rua molhada secava. O cinza do concreto não era mais tão cinza. Cores se libertavam para um sol que começava a nascer.

Comentários

  1. Que coisa mais linda...E o sol do amor brilhou! beijos,chica

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Chá de cadeira

Se não quer tomar um, não leia. Eu falei pacas kk
Já ouviu essa expressão, chá de cadeira? É quando você fica muito tempo sentado esperando alguma coisa. Pois é. Ontem experimentei as delícias (ou não) de um chá de cadeira.
Guarda isso na cabeçinha. Arquivou? Beleza, vamos continuar.
Sabe quando você assiste aquele filme ou série de médico (tipo House, haha, amo) e você pensa "cara, como será que é trabalhar aí?!". Não digo na série filme, digo no hospital. Eu já pensei muito isso. Seria bem legal experimentar um corre-corre de hospital, ver como é um corpo humano DE VERDADE, sem esquemas em livros, ver médicos, ter os conhecimentos de médicos... seria tudo! Mas medicina não é pra mim, sabe, é tenso ter a vida de uma pessoa nas suas mãos. Muita responsabilidade.
Agora, lembra do que você tinha arquivado, do chá de cadeira? Não lembra? Ok, lê o começo do post de novo pra lembrar. Lembrou? Ok, então vem comigo.
Ontem fui com minha mãe para o hospital porque ela não se sentia …

A Música da Estrada

Lá estava ele novamente na estrada, caminhando tranquilamente e olhando ao redor. Na mão a maleta com o seu melhor amigo e companheiro de profissão: o violão. Não era nada demais, não. A marca não era daquelas mais caras e já não era tão novo. Mas cuidava tão bem do dito cujo... Sentava-se e limpava-o, afinava-o, olhava com paixão. Era o filho dele, a mulher de sua vida, seu pai, seu irmão. Era o mundo em suas mãos, ao seu comando.

Espera... Eu disse que o violão estava ao seu comando? Ah, nem o músico sabia quem comandava o que ali. Quando começavam com uma nota e não paravam nunca mais, ele tinha bastante certeza de que era um trabalho no qual os dois pensavam juntos.

O músico mandava apenas no caminho, pois era ele que tinha as pernas. E, sendo assim, escolhia as platéias. Tive sorte de ser uma delas. Caminhava, apenas, disseminando seu dom. Ensinava uns aqui e outros ali. Nunca parava. Diziam a ele que iria explodir se continuasse assim. Mas era do que ele vivia e do que gostav…

Hoje é o Seu Dia, Que Dia Mais Feliz!

Muita gente critica festas de crianças. Pessoalmente, acho que há mais para se elogiar do que para se criticar. Veja bem, quem não gosta de uma boa e velha bolinha de queijo? Tudo bem, velha talvez não (sabe, porque comer coisa mofada não é bom, confie em mim), mas ela é boa, muito boa. Festa de criança sempre tem essas comidas gostosas e elas fazem valer a pena.

Sempre que a festa é em buffet tem um determinado brinquedo legal que adulto pode ir. E aí é a hora de todo mundo que já passou da idade se juntar e usar o brinquedo, gritando e fazendo a maior bagunça. Um desses é o "la bamba", um hit da atualidade, um disco com cadeiras onde as pessoas sentam e ficam girando repetidamente. Acredite, é divertido. Claro que, criança ou adulto, alguém sempre tenta surfar e é aí que vemos uma criatura rolando pelo chão do brinquedo enquanto um monte de outras criaturas riem da cara do pobre coitado. Pois é.

E, pra finalizar, os doces. Ah, esperar as quatro horas, o parabéns com direit…