Pular para o conteúdo principal

Hoje é o Seu Dia, Que Dia Mais Feliz!

Muita gente critica festas de crianças. Pessoalmente, acho que há mais para se elogiar do que para se criticar. Veja bem, quem não gosta de uma boa e velha bolinha de queijo? Tudo bem, velha talvez não (sabe, porque comer coisa mofada não é bom, confie em mim), mas ela é boa, muito boa. Festa de criança sempre tem essas comidas gostosas e elas fazem valer a pena.

Sempre que a festa é em buffet tem um determinado brinquedo legal que adulto pode ir. E aí é a hora de todo mundo que já passou da idade se juntar e usar o brinquedo, gritando e fazendo a maior bagunça. Um desses é o "la bamba", um hit da atualidade, um disco com cadeiras onde as pessoas sentam e ficam girando repetidamente. Acredite, é divertido. Claro que, criança ou adulto, alguém sempre tenta surfar e é aí que vemos uma criatura rolando pelo chão do brinquedo enquanto um monte de outras criaturas riem da cara do pobre coitado. Pois é.

E, pra finalizar, os doces. Ah, esperar as quatro horas, o parabéns com direito a "Com Quem Será", o monte de gritos histéricos, para, enfim, degustar dos mais variados sabores (muitos artificiais, inclusive) adocicados que fazem qualquer um ter um dia feliz. No final tudo vale a pena.

Mas, se tratando de um texto meu, terei de citar o famoso OU NÃO, como não poderia deixar de ser.



Sabe os doces que ficam na mesa da criança aniversariante, naqueles potes de vidro enormes? Um aniversário de criança com um desses enorme cheio de saquinhos de M&M's em formato piramidal, junto com quatro adolescentes esfomeados, só poderia resultar em um ataque múltiplo. Todos com seus pacotinhos em mãos, abrem e comem. Todos pegam três disquinhos de chocolate de uma vez e colocam na boca. Cerca de dez segundos depois, todos os quatro fazem cara, literalmente, de quem comeu e não gostou e se olham. A que vos fala diz "tá meio ruim". O mais velho vira o pacote e olha a validade.

Caros leitores, não se assustem. Se algo sério tivesse acontecido eu não estava aqui contando pra vocês essa história. A validade era de UM ANO e ALGUNS meses atrás. Os M&M's estavam mais do que vencidos.

O pior é o pai (da que vos fala, de novo) pegando um pra ver se estava ruim mesmo e não achando nada demais (não dá pra entender mais nada nos dias de hoje).

Outra coisa ruim em uma festa infantil: gritos. Se você passou o dia estudando exatas (se é que você ainda está na escola e/ou se você não gosta de exatas) e já está irritado, talvez aqueles gritos agudos infantis cocem o seu cérebro.

Parece que cada idade tem um grito determinado. Quando você é um bebê, ou os gritos são fofos e contagiantes ou são histéricos e irritantes. Quando você é uma criança maior, até uns sete anos, você dá gritos de crianças com uma transição de voz de bebê para voz de pré adolescente. E você é daquela fase que começa a fazer caras e bocas, e é meio doido. Junta umas dez crianças assim pra ver o que acontece. Depois junta o suficiente para um salão de festas. Sentiu o drama?

E tem as de oito a dez anos, que são pré-pré-adolescentes (sim, é duas vezes "pré" mesmo). Eles começam a imitar o que ouvem, não importa o que seja, no sentido opinativo. Começam a parecer desenhos animados, exagerando as emoções como os animes (desenho animado japonês). Falam muito alto, absurdamente alto. É tanta mudança que fica até confuso, porque alguns agem como "os adultos" e outros continuam na infância (o que acho mais correto, pessoalmente).

Veja bem, eu adoro crianças. Devo dizer que elas me adoram também. Sabe, quando eu descubro o jeito de lidar com a criança e ela está aberta a lidar comigo, viramos melhores amigos, praticamente.

Só que em certos momentos elas são assustadoras. Principalmente se levar em conta que TODOS já fomos exatamente do jeito que eu disse. De qualquer forma, tenho problemas com as outras fases também. Mas isso é assunto pra outra ocasião.

Quando você é forçado a passar quatro horas na presença de um grupo enorme de crianças nesse estado, depois de fazer muitas contas (no caso de você não gostar de exatas), e, pra completar a noite, bate a cabeça no carro E na parede (sem querer, é óbvio; não sou masoquista e espero que você também não seja), é inevitável sentir dor de cabeça.

Dor de cabeça não é legal. Todo mundo sabe disso.

Agora, quando você é criança, a parte ruim de festa de criança é:

- Ir embora;
- Esperar o doce (isso é ruim pra todo mundo);
- As crianças más que te furam na fila do brinquedo (sempre tem o espírito de porco);
- O tio (ou tia) que cuida do brinquedo que sempre quer se enturmar com você e RARAMENTE é realmente legal (para as crianças, digo; por isso, tios e tias de brinquedo, eles tiram uma com sua cara e te irritam, porque eles não gostam de te obedecer);
- Sempre, repito, SEMPRE você (criança) vai cair, bater a cabeça, se ralar, se arranhar, trombar com alguém, comer demais e ficar com dor, entre outros problemas;
- Você chega de olho na lembrancinha mais legal e, na hora de ir, só ficaram aquelas toscas que eram as que você menos queria. Dai você chega em casa e coloca na sua coleção de lembrancinhas toscas;
- Se você é o aniversariante, o "Com Quem Será". Se você é o convidado que está sendo cogitado para o aniversariante, o "Com Quem Será". Quem foi o ser vivo que criou essa música? É constrangedora demais para os envolvidos na letra. TODO MUNDO sabe disso;
- A bronca da sua mãe porque você destrui a sua roupa nova e limpinha se arrastando no chão e nos brinquedos sujos e fedidos que as crianças adoram.

Esses fatores citados são só uma "PEQUENA" análise de uma festa de criança. Não importa em que perfil você se encaixe, uma coisa você deve concordar: ela gera muitas risadas. Bom, e claro, pode dar em uma crônica (se é boa ou não, você que decide).

PS.: Eu falei dos animadores de festa? Achei que não... E as músicas da Xuxa e companhia? Pois é.

Comentários

  1. Impecável como sempre Lê, dizem que a cada 15 segundos rindo você ganha dois dias de vida, eu acabo de ganhar alguns meses {:

    ResponderExcluir
  2. A pessoa acima (Nath), no msn:

    Meeeeeeeuu, é gigante mas compensa

    Cara, eu vou ser sincera contigo Lê, eu ODEIO ler qualquer texto MUITO comprido no pc porque fico com enjoo. Agora você como cronista meu, eu leio como se fosse uma linha

    ResponderExcluir
  3. Lets! gostei kkkk
    mas o mais o motivo de eu n gostar de festa de criança é pq n gosot de criança. kkkkkk mas se for um primo uo uma prima dai tudo bem. k mas eu gostei muito! parabéns! fico mt bom :D bjs

    ResponderExcluir
  4. Texto espirituoso e elegante. Isso me mandou para as longínquas festas de aniversário das quais participei (décadas de 1970 e 1980)!

    ResponderExcluir
  5. Lê, ta perfeito como sempree. Me via nas situações que você foi falando >.< Parabéns sua diva!
    Raquel aqui

    ResponderExcluir
  6. Festa de criança é algo bastante contraditório... Ao mesmo tempo que minha parte preferida são os salgadinhos e docinhos, o que mais odeio é o desconforto estomacal e a certa dor de cabeça que os mesmos tem por consequência! ahuaihaiuhaiu muito bom o texto, adorei lets =)

    ResponderExcluir
  7. Concordo com todos! Essa Letícia a cada dia que passa me surpreende mais. Uma linda! Parabéns, Lê <3 Aposto que você está tendo chiliques em casa que nem uma doida porque tem muitos comentários e todos te amam. Enfim, você merece!

    ResponderExcluir
  8. inteligente e bem focado, leticia continua a nos surpreender com seus textos alternativos e divercificados, que sempre demonstram sua habilidade natural de ver as palavras de seus textos nas experiencias tão contidianas q todos nos temos, e ainda por cema torna-las atrativas para o publico
    adorei le, bingo aquii

    ResponderExcluir
  9. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk'... curti muito... falouu tudo, apesar de eu ser uma tia do brinquedo... :P... parabens ;)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…