Pular para o conteúdo principal

Água Seca

Deplorável. Era esse o estado do cara sentado logo ali na cozinha. Olhos azuis inchados, cabelos castanhos bagunçados, água salgada escorrendo pelo rosto. Ofegava.

Se olhasse pela janela, você nunca imaginaria o problema dele. Porque você não o conhece. E é assim que as coisas funcionam: você vê uma cena e imagina um motivo para ela estar acontecendo. Mas quem disse que você está certo?

Apoiados na mesa estava um jornal e um caderno grande de capa dura vermelha. O cômodo não se mantinha muito arrumado. Combinava com o ocupante.

Alguém abriu porta e ele sobressaltou-se. De pé, sentiu seu estômago cair aos seus pés e seu coração se emprensar na parede da cozinha, atrás dele.

Se você estivesse olhando pela janela, quem estaria chegando e o que seria o caderno na mesa?

A moça que entrava deixou a chave na mesa da sala e foi até a cozinha com uma sacola. O rapaz havia se escondido em um canto.

Ela olhou para o caderno. A foto dela e de seu irmão, crianças, se abraçando estava na página aberta. Porque raios seu diário estava aberto na mesa da cozinha?

A página trazia uma sequência de ódio inferido ao irmão. E, no fim, ela dizia "mas mesmo que ele não saiba, eu o amo".

Se lembrou de como eles brigavam na adolescência e como a partir daí nunca mais se falaram direito. Nunca se arrependeu tanto de algo.

Avançou nas páginas e encontrou uma, praticamente em branco, escrita só "meu irmão está morto". O resto era enrrugado de lágrimas e uma pétala de rosa.

Sentou-se. Deplorável, era o seu estado. Os olhos azuis inchados, os cabelos castanhos bagunçados. Água salgada pelo rosto. Ofegava.

Depois de um longo tempo, sentiu-se observada. Olhou para trás.

Ele estava ali, olhando-a. Tão iguais.

- Desculpe - disseram. Sorrisos. Ele e ela podiam brilhar em paz agora.

Não havia nada pendente. Não havia culpa. Havia perdão e um gosto de segunda chance. O sol pareceu mais forte ao entrar pela janela. A água salgada secou.

Comentários

  1. Me emocionei. Sem mais. <3

    ResponderExcluir
  2. Ah meu, que lindo! Me emocionei de verdade.

    ResponderExcluir
  3. Muito lindo! beijos e um dia assim lindo também!chica

    ResponderExcluir
  4. Sempre que leio o que não é óbvio, penso no talento de quem escreve! Afinal, palavras como "mesa", "lágrimas", "ódio" etc são palavras acessíveis a todos os que escrevem em português. Entretanto, surgem tanto textos tolos quanto textos elegantes. Na minha opinião, esta crônica é exemplo desse segundo grupo de textos!

    ResponderExcluir
  5. @MathSwim diz:
    Quase q eu fico molhado de água salgada com este texto teve um pequeno paragrafo q até me lembrou meu irmão, amo muito seus textos continue assim lets go
    <3

    ResponderExcluir
  6. Eu gostei muito, achei bonito. Pessoalmente, acho que você podia ter alongado a parte em que não sabíamos de nada como leitores, e nos levado a te ruma conclusão errada, isso aumentaria o impacto do final, mas é só uma dica mesmo, o texto em si está ótimo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Chá de cadeira

Se não quer tomar um, não leia. Eu falei pacas kk
Já ouviu essa expressão, chá de cadeira? É quando você fica muito tempo sentado esperando alguma coisa. Pois é. Ontem experimentei as delícias (ou não) de um chá de cadeira.
Guarda isso na cabeçinha. Arquivou? Beleza, vamos continuar.
Sabe quando você assiste aquele filme ou série de médico (tipo House, haha, amo) e você pensa "cara, como será que é trabalhar aí?!". Não digo na série filme, digo no hospital. Eu já pensei muito isso. Seria bem legal experimentar um corre-corre de hospital, ver como é um corpo humano DE VERDADE, sem esquemas em livros, ver médicos, ter os conhecimentos de médicos... seria tudo! Mas medicina não é pra mim, sabe, é tenso ter a vida de uma pessoa nas suas mãos. Muita responsabilidade.
Agora, lembra do que você tinha arquivado, do chá de cadeira? Não lembra? Ok, lê o começo do post de novo pra lembrar. Lembrou? Ok, então vem comigo.
Ontem fui com minha mãe para o hospital porque ela não se sentia …

A Música da Estrada

Lá estava ele novamente na estrada, caminhando tranquilamente e olhando ao redor. Na mão a maleta com o seu melhor amigo e companheiro de profissão: o violão. Não era nada demais, não. A marca não era daquelas mais caras e já não era tão novo. Mas cuidava tão bem do dito cujo... Sentava-se e limpava-o, afinava-o, olhava com paixão. Era o filho dele, a mulher de sua vida, seu pai, seu irmão. Era o mundo em suas mãos, ao seu comando.

Espera... Eu disse que o violão estava ao seu comando? Ah, nem o músico sabia quem comandava o que ali. Quando começavam com uma nota e não paravam nunca mais, ele tinha bastante certeza de que era um trabalho no qual os dois pensavam juntos.

O músico mandava apenas no caminho, pois era ele que tinha as pernas. E, sendo assim, escolhia as platéias. Tive sorte de ser uma delas. Caminhava, apenas, disseminando seu dom. Ensinava uns aqui e outros ali. Nunca parava. Diziam a ele que iria explodir se continuasse assim. Mas era do que ele vivia e do que gostav…

Hoje é o Seu Dia, Que Dia Mais Feliz!

Muita gente critica festas de crianças. Pessoalmente, acho que há mais para se elogiar do que para se criticar. Veja bem, quem não gosta de uma boa e velha bolinha de queijo? Tudo bem, velha talvez não (sabe, porque comer coisa mofada não é bom, confie em mim), mas ela é boa, muito boa. Festa de criança sempre tem essas comidas gostosas e elas fazem valer a pena.

Sempre que a festa é em buffet tem um determinado brinquedo legal que adulto pode ir. E aí é a hora de todo mundo que já passou da idade se juntar e usar o brinquedo, gritando e fazendo a maior bagunça. Um desses é o "la bamba", um hit da atualidade, um disco com cadeiras onde as pessoas sentam e ficam girando repetidamente. Acredite, é divertido. Claro que, criança ou adulto, alguém sempre tenta surfar e é aí que vemos uma criatura rolando pelo chão do brinquedo enquanto um monte de outras criaturas riem da cara do pobre coitado. Pois é.

E, pra finalizar, os doces. Ah, esperar as quatro horas, o parabéns com direit…