25 abril 2011

Água Seca

Deplorável. Era esse o estado do cara sentado logo ali na cozinha. Olhos azuis inchados, cabelos castanhos bagunçados, água salgada escorrendo pelo rosto. Ofegava.

Se olhasse pela janela, você nunca imaginaria o problema dele. Porque você não o conhece. E é assim que as coisas funcionam: você vê uma cena e imagina um motivo para ela estar acontecendo. Mas quem disse que você está certo?

Apoiados na mesa estava um jornal e um caderno grande de capa dura vermelha. O cômodo não se mantinha muito arrumado. Combinava com o ocupante.

Alguém abriu porta e ele sobressaltou-se. De pé, sentiu seu estômago cair aos seus pés e seu coração se emprensar na parede da cozinha, atrás dele.

Se você estivesse olhando pela janela, quem estaria chegando e o que seria o caderno na mesa?

A moça que entrava deixou a chave na mesa da sala e foi até a cozinha com uma sacola. O rapaz havia se escondido em um canto.

Ela olhou para o caderno. A foto dela e de seu irmão, crianças, se abraçando estava na página aberta. Porque raios seu diário estava aberto na mesa da cozinha?

A página trazia uma sequência de ódio inferido ao irmão. E, no fim, ela dizia "mas mesmo que ele não saiba, eu o amo".

Se lembrou de como eles brigavam na adolescência e como a partir daí nunca mais se falaram direito. Nunca se arrependeu tanto de algo.

Avançou nas páginas e encontrou uma, praticamente em branco, escrita só "meu irmão está morto". O resto era enrrugado de lágrimas e uma pétala de rosa.

Sentou-se. Deplorável, era o seu estado. Os olhos azuis inchados, os cabelos castanhos bagunçados. Água salgada pelo rosto. Ofegava.

Depois de um longo tempo, sentiu-se observada. Olhou para trás.

Ele estava ali, olhando-a. Tão iguais.

- Desculpe - disseram. Sorrisos. Ele e ela podiam brilhar em paz agora.

Não havia nada pendente. Não havia culpa. Havia perdão e um gosto de segunda chance. O sol pareceu mais forte ao entrar pela janela. A água salgada secou.

Comente com o Facebook:

6 comentários:

  1. Me emocionei. Sem mais. <3

    ResponderExcluir
  2. Ah meu, que lindo! Me emocionei de verdade.

    ResponderExcluir
  3. Muito lindo! beijos e um dia assim lindo também!chica

    ResponderExcluir
  4. Sempre que leio o que não é óbvio, penso no talento de quem escreve! Afinal, palavras como "mesa", "lágrimas", "ódio" etc são palavras acessíveis a todos os que escrevem em português. Entretanto, surgem tanto textos tolos quanto textos elegantes. Na minha opinião, esta crônica é exemplo desse segundo grupo de textos!

    ResponderExcluir
  5. @MathSwim diz:
    Quase q eu fico molhado de água salgada com este texto teve um pequeno paragrafo q até me lembrou meu irmão, amo muito seus textos continue assim lets go
    <3

    ResponderExcluir
  6. Eu gostei muito, achei bonito. Pessoalmente, acho que você podia ter alongado a parte em que não sabíamos de nada como leitores, e nos levado a te ruma conclusão errada, isso aumentaria o impacto do final, mas é só uma dica mesmo, o texto em si está ótimo.

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Deixe um comentário dizendo o que achou! :)