Pular para o conteúdo principal

Água Seca

Deplorável. Era esse o estado do cara sentado logo ali na cozinha. Olhos azuis inchados, cabelos castanhos bagunçados, água salgada escorrendo pelo rosto. Ofegava.

Se olhasse pela janela, você nunca imaginaria o problema dele. Porque você não o conhece. E é assim que as coisas funcionam: você vê uma cena e imagina um motivo para ela estar acontecendo. Mas quem disse que você está certo?

Apoiados na mesa estava um jornal e um caderno grande de capa dura vermelha. O cômodo não se mantinha muito arrumado. Combinava com o ocupante.

Alguém abriu porta e ele sobressaltou-se. De pé, sentiu seu estômago cair aos seus pés e seu coração se emprensar na parede da cozinha, atrás dele.

Se você estivesse olhando pela janela, quem estaria chegando e o que seria o caderno na mesa?

A moça que entrava deixou a chave na mesa da sala e foi até a cozinha com uma sacola. O rapaz havia se escondido em um canto.

Ela olhou para o caderno. A foto dela e de seu irmão, crianças, se abraçando estava na página aberta. Porque raios seu diário estava aberto na mesa da cozinha?

A página trazia uma sequência de ódio inferido ao irmão. E, no fim, ela dizia "mas mesmo que ele não saiba, eu o amo".

Se lembrou de como eles brigavam na adolescência e como a partir daí nunca mais se falaram direito. Nunca se arrependeu tanto de algo.

Avançou nas páginas e encontrou uma, praticamente em branco, escrita só "meu irmão está morto". O resto era enrrugado de lágrimas e uma pétala de rosa.

Sentou-se. Deplorável, era o seu estado. Os olhos azuis inchados, os cabelos castanhos bagunçados. Água salgada pelo rosto. Ofegava.

Depois de um longo tempo, sentiu-se observada. Olhou para trás.

Ele estava ali, olhando-a. Tão iguais.

- Desculpe - disseram. Sorrisos. Ele e ela podiam brilhar em paz agora.

Não havia nada pendente. Não havia culpa. Havia perdão e um gosto de segunda chance. O sol pareceu mais forte ao entrar pela janela. A água salgada secou.

Comentários

  1. Me emocionei. Sem mais. <3

    ResponderExcluir
  2. Ah meu, que lindo! Me emocionei de verdade.

    ResponderExcluir
  3. Muito lindo! beijos e um dia assim lindo também!chica

    ResponderExcluir
  4. Sempre que leio o que não é óbvio, penso no talento de quem escreve! Afinal, palavras como "mesa", "lágrimas", "ódio" etc são palavras acessíveis a todos os que escrevem em português. Entretanto, surgem tanto textos tolos quanto textos elegantes. Na minha opinião, esta crônica é exemplo desse segundo grupo de textos!

    ResponderExcluir
  5. @MathSwim diz:
    Quase q eu fico molhado de água salgada com este texto teve um pequeno paragrafo q até me lembrou meu irmão, amo muito seus textos continue assim lets go
    <3

    ResponderExcluir
  6. Eu gostei muito, achei bonito. Pessoalmente, acho que você podia ter alongado a parte em que não sabíamos de nada como leitores, e nos levado a te ruma conclusão errada, isso aumentaria o impacto do final, mas é só uma dica mesmo, o texto em si está ótimo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…