Pular para o conteúdo principal

Amor Primaveril


A garota caminhava distraída. Usava botas curtas, meia-calça florida, uma saia branca e um casaquinho. Tinha os cabelos castanhos compridos caídos. Não balançavam ao vento porque não havia vento. Havia apenas uma extensão enorme de terra, uma secura desgastante. Carregava uma tela e um lápis. Olhou ao redor, do céu azul sem nuvens até os horizontes vazios, procurando inspiração. Foi aí que ouviu.

Em algum lugar alguém tocava fracamente uma doce melodia primaveril. Seus olhos vasculharam o deserto e então viu no céu as nuvens chegando rapidamente. Eram feitas de algodão doce. Seguiu na direção de onde vinham.

Chegou a um rapaz sentado a um piano, de onde saía a melodia. Aproximou-se e ele a olhou, pelo canto do olho. Tinha cabelos negros e olhos escuros. Sorriu um convite. A moça deixou a tela e o lápis em cima do piano e sentou-se ao seu lado, apoiando a cabeça em seu ombro.

Sentiram o cheiro um do outro. Então ele começou a tocar com mais vontade a melodia das estações. O deserto de repente começou a cheirar a cores e mais cores, com árvores nascendo e grama se estendendo como um tapete. Ao fundo um belo lago se enchia e pássaros voavam no céu. O lápis desenhava na tela, como mágica, uma árvore que nascia logo ali, enquadrando tudo em uma bela gravura. A vida brotava como mágica.

Uma flor desabrochava ali perto, grande e suntuosa. Entre olharam-se. Prontos para um doce beijo...

- Corta! - gritou o diretor - Bom trabalho, intervalo, agora.

Levantaram-se. Montes de maquiadores vieram em suas direções. Trocaram os olhares de desprezo costumeiros.

- Não gosto dele - Ela disse.
- Não gosto dela - Ele disse.
- Mas vocês combinam tanto, tem tanta química! - a maquiadora dela falou chocada - tanto que foram escolhidos como par para a propaganda do perfume!
- É, acontece - ela deu de ombros.


Comentários

  1. Tenho que repetir que você é perfeita e esse texto também? Ah tá, me avise se precisar. Fui a primeira a ler LALALA eu acho né. um beijo :*
    Te amo, Let

    ResponderExcluir
  2. amo seus textos, muito, muito mesmo! ;*

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  4. kkkkk deu ódio esse final mas eu achei perfeito o texto muito bonito!
    beijos!

    ResponderExcluir
  5. Nossa, criativo demais, adorei! A 'história dentro da história' ficou ótima, me encantei.
    Flor, obrigada pelo comentário e desculpe a demora em responder. Foi culpa do problema que deu no blogger e sumiu com vários comentários meus por algum tempo, voltando só há poucos dias.
    Beijos, tô adorando seu blog! :)

    ResponderExcluir
  6. Primeiro gostei do seu blog de cara por causa das imagens dos cães.

    Agora sobre a postagem, tuas palavras me prenderam e poucas fazem isso. Adorei o conteúdo e se tratando de amor eu paro e leio.

    Bom, acabou de ganhar uma nova seguidora viu. parabéns por tudo aquo. :D

    ResponderExcluir
  7. Obrigada meninas, vocês não fazem ideia do quanto isso é importante :)

    Espero continuar cativando vocês com meus textos e tudo o mais. Qualquer coisa é só falar, viu?

    E vou fazer uma visitinha à vocês ;)

    ResponderExcluir
  8. Bons textos são canções para os olhos! Mandam a gente para um lugar que não há! Ou que pensamos que não existe!

    ResponderExcluir
  9. Como assim? Tão a minha cara a linguagem do texto! haha' Achei que seria algo com 'viveram felizes para sempre', mas é uma grande verdade sabia? Há aos montes casais de comercial. Atores. Que fingem muito bem amar.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

Leite com Vodka

Sua bebida favorita sempre foi leite. Aquele líquido branco e um pouco denso, que bebês adoram. Bebia com tudo: chocolate, morango, groselha... Era um bebedor. Seus lanches não eram feitos sem leite. E se não o bebia, misturava em algum outro ingrediente. Sucrilhos, frutas batidas. Nutritivo da cabeça aos pés. O alimentava por dentro e ele consumia com orgulho.

Então cresceu. Você sabe, quando crescem eles mudam os interesses. Não mais desenhava os programas que via. Agora via apenas a parede do quarto e festas banhadas a vodka. Ah, a vodka. Virou sua bebida preferida, com toda certeza. Aquele cheiro forte no líquido transparente, que jovens usam para se mostrar descolados. Bebia com tudo: frutas batidas, sucos, refrigerantes, sem nada. Virava uma dose e outra. Descolado da cabeça aos pés, na moda, inteiramente parte do grupo.

Mas a vida não era só Leite ou Vodka. Pelo menos não mais. Foi em mais um dia de Vodka que a encontrou. Ela lhe sorriu e ele se aproximou. Parece que foi à …

Outro Estranho na Janela

Leia a primeira parte dessa história: Um Estranho Na Janela
Texto para a oficina criativa do colégio, inspirado na imagem de uma edição do Bloínquês que não consegui participar porque não consegui escrever o texto a tempo.
Dedicado aos Chapeleiros e Alices do mundo.
O sol dourado de outono brilhava a meio caminho do chão. A moça sentava-se em uma telha mais macia, no telhado de sua casa. Usava um vestido confortável e tinha os pés descalços. Largou o pequeno livro amarelo que lia no peitoril da janela e viu as árvores se espreguiçarem.

Nas casas ao redor, cachorros latiam para os donos que chegavam mais cedo. Crianças vinham sorrindo da escola. Um dia comum e pacato.

Alice gostava de sentar-se no telhado desde a noite em que seu irmão disse ter visto Papai Noel na janela. Fora tão surpreendente ouvir Felipe dizendo aquilo, já que ele costumava ser tão chato e estraga-prazeres, que seu passatempo virou sentar-se no telhado e esperá-lo.

Mas um dia todos crescem e Alice parou de acredit…