Pular para o conteúdo principal

A Música da Estrada


Lá estava ele novamente na estrada, caminhando tranquilamente e olhando ao redor. Na mão a maleta com o seu melhor amigo e companheiro de profissão: o violão. Não era nada demais, não. A marca não era daquelas mais caras e já não era tão novo. Mas cuidava tão bem do dito cujo... Sentava-se e limpava-o, afinava-o, olhava com paixão. Era o filho dele, a mulher de sua vida, seu pai, seu irmão. Era o mundo em suas mãos, ao seu comando.

Espera... Eu disse que o violão estava ao seu comando? Ah, nem o músico sabia quem comandava o que ali. Quando começavam com uma nota e não paravam nunca mais, ele tinha bastante certeza de que era um trabalho no qual os dois pensavam juntos.

O músico mandava apenas no caminho, pois era ele que tinha as pernas. E, sendo assim, escolhia as platéias. Tive sorte de ser uma delas. Caminhava, apenas, disseminando seu dom. Ensinava uns aqui e outros ali. Nunca parava. Diziam a ele que iria explodir se continuasse assim. Mas era do que ele vivia e do que gostava. Não deixaria de lado nenhuma oportunidade que pudesse ser aproveitada.

Fazia shows. Pequenos e com muito suor, mas eram shows. Sentava-se na cadeira e, trocando umas palavras simpáticas (e simpatia era com ele mesmo) com a platéia, punha-se a tocar. Era bem aí que a magia começava.

Seus dedos velozes tocavam as cordas, certeiros. Elas vibravam em harmonias desconcertantes, apaixonantes, hipnotizantes, excitantes... Cada música era uma nova experiência e uma nova mensagem transmitida.

Havia uma em especial na qual o músico colocava tanta paixão no que tocava que quem via e, principalmente, ouvia, sentia uma... Coisa. Era assim que diziam: uma coisa. Apertava o coração acelerado, queimava os olhos com lágrimas salgadas... Dava uma tristeza alegre, se é que é possível.

E era por isso que, toda vez que o músico pegava no seu violão para realmente tocar, o público se deleitava. Porque ele não era só bom. Ele tinha paixão, tocava de coração e alma. Música nunca foi sobre acertar todas as notas, mas sim sobre acertar seus sentimentos e emoções em sintonia com o que você está apresentando e, depois disso, atingir o público. Parece difícil e, bom... é difícil mesmo.

Então, depois desses shows em que ganhava aplausos, assobios, abraços e elogios, ele pegava sua maleta do violão e ia colocando de novo o pé na estrada. Caminhava pelo mundo, e torcia para que a próxima pessoa que encontrasse gostasse dele também.

Na caminhada que fazia agora, ele via à sua frente um paredão de neblina. Não sabia muito bem o que aconteceria, porque era tudo baseado no que viesse. Gostaria de ter o dom de vidente, mas não o tem. Então, por isso, apenas seguia.

Sua estrada era a música. O que passasse por ele era lucro. Às vezes via o chão como um braço de violão e revezava seus passos entre as cordas e casas. Tinham um som divertido e entusiasmado, espirrando uma nota aqui e outra ali. Dedilhar a música da estrada era seu melhor improviso, pelo que se falava.






Dedicado aos músicos que conheci (ou não) na minha vida. Especialmente Edinho Godoy, o professor/amigo/músico que está bem presente nesse personagem e minha mãe, porque ela é a minha mãe e dona dos meus gens musicais.

Comentários

  1. Belo texto; parabéns! Como sou compositor, faço desse texto um presente para mim, obrigado! Tenha uma semana maravilhosa; bjs!

    ResponderExcluir
  2. Tocante! Tal qual seu violão literário! Boa literatura e música boa sempre andaram juntas, mesmo!

    ResponderExcluir
  3. AAAAAA... que lindo ;D
    parabéns, gostei da parte da estrada que é um braço de violão *-* bem criativo.

    ResponderExcluir
  4. Meu, quantas vezes tenho que dizer que você é uma linda? Sério, você merece brilhar. E eu sei que um dia (logo) você vai ter tudo que quer... Ser uma escritora famosa e reconhecida pelo seu trabalho (mais do que já é). Parabéns! Eu tenho orgulho de ser sua melhor amiga <3

    ResponderExcluir
  5. Simplesmente lindo. Obrigado pelo carinho comigo e com minha música. Beijo no seu coração.

    ResponderExcluir
  6. DEMAAAAAAAAAAAAAAAIS LETÍCIA!Parabéééééns mesmo,de verdade.Amei.E repito:VOCÊ TEM TALENTO,NÃO DESACREDITE JAMAIS,CERTO?beeeeeijo xD

    ResponderExcluir
  7. http://www.youtube.com/watch?v=YXuMx55PTgQ =')

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

À Luz da Manhã

Para Matheus e João.
Ouça. Crescer é como correr descalço na areia. Os pequenos grãos tocam sua pele e você sente, mesmo com a maciez do movimento ou o impacto suave, a aspereza do solo. A sensação é incômoda, mas ao mesmo tempo libertadora. Você para, então, e olha ao redor. Olha as marcas de seu pé no caminho que fez e o modo como, em alguns momentos, eles foram suaves e quase imperceptíveis e, em outros, foram largos e espalhafatosos. Você olha para o outro lado e vê o quanto ainda há para ser marcado. O som do oceano chega aos seus ouvidos e a brisa sopra seus cabelos e você sorri: está bem ali, entre onde já correu e para onde ainda vai correr. Mas, no fim, você só quer sentir seus pés afundando na areia enquanto o mar sopra sua canção ao vento.
Crescer é como subir uma colina de grama verde molhada pelo orvalho da manhã. Você quer saber, mais do que tudo, o que há do outro lado: serão montanhas ou vales? Serão córregos ou lagos? Que tipos de árvores haverão para serem escaladas? …

Dia Três: Walmart e Downtown Disney

Dia 15... de Setembro, sábado.

A dois meses atrás, na hora que estou escrevendo isso, contando o fuso-horário, eu estava me arrumando, ou tomando café ou pegando o táxi. Alguma coisa assim.

Nosso café da manhã nesse dia foi o resto da pizza da noite anterior. Estive refletindo sobre o assunto e, sim, nós jantamos uma pizza enorme e linda e sobrou mais um monte para o café da manhã (e foi o que comi). A pizza americana não é tão boa quanto a nossa, mas também não é ruim. É aceitável, digamos assim. Apesar de que em certo ponto da viagem eu já não aguentava mais olhar pra dita cuja.

Só que eu adoraria olhá-la agora, afinal, significaria que estou lá, entende? Ok, prometo que parei.

Enfim, pegamos um táxi na porta do hotel. Vou falar um pouco do hotel, já que não tem muito o que ficar falando do Walmart. Tinha uma sala "Arcade", mas acabamos nem entrando nela porque não deu tempo, no mesmo corredor que (uma das) a entrada do "restaurante" e também a loja (uma miniatura…