Pular para o conteúdo principal

Olhos Reveláveis


Estavam todos em um passeio de fotos. Ela tinha doze fotos para tirar e depois ser avaliada pelo professor. Precisavam ser perfeitas.

Esforçara-se tanto para conseguir aquele curso... Convencer os pais não fora fácil. Mas agora lá estava ela. Em seu primeiro passeio com o grupo, sua câmera na mão, seus olhos atentos. Não deixaria escapar nada.

Odiava perder uma boa foto. Tantas vezes a vi reclamar "droga, porque não trouxe a câmera?" ou "droga, porque tinha que acabar a bateria?". Era sempre um momento não gravado, um momento que só ela se lembraria. Isso a enlouquecia.

As fotos eram suas amigas, suas palavras, seu brilho. Refletiam uma ideia, uma visão ou um sentimento. Era um espelho de seu interior. Fotografar era o que queria passar o resto de seus dias fazendo.

Olhou ao redor, sentada em uma mureta de pedra, procurando em meio ao verde um tom que merecesse ser lembrado. Viu ao longe as montanhas e aquele tapete de árvores vindo na sua direção. Teve uma ideia.

Deitou-se de costas, com a cabeça pendurada para fora, segurando firme na rocha. Teve uma visão diferente e quase psicodélica do lugar. Era perfeito.

A lente estava focada e a luz era perfeita. Só não podia tremer. Era esse o cálculo que fazia - ou que eu imagino que fazia - ao fotografar. Segurava firmemente seus olhos ambulantes e, com um toque de amor, registrava o que via e sentia para sempre.

Eu a entendo. Enquanto tirava a foto daquele jeito estranho eu a observei a certa distância. Também sei gravar momentos, mas de um jeito um pouco diferente. Ela tem os olhos reveláveis e eu os impressos em papel e tinta. Sou grata por ela me dar estes doces momentos onde posso fotografá-la ao meu modo.



Para Aliane Soares, minha fotógrafa preferida e melhor amiga.

Comentários

  1. Meu, eu estou sem palavras. Você é linda, Letícia! Linda, talentosa, fofa, amável, leal... minha melhor amiga. Ok, está mais para irmã. Eu te amo demais <3
    Parabéns pelo texto, eu me emocionei lendo. Sério. Me fez lembrar de tudo que tive que fazer parar conseguir o que eu queria e serviu para lembrar, também, do quão bom está sendo. E não está sendo assim perfeito simplesmente porque eu gosto de fotografia, tá sendo maravilhoso porque eu tenho o seu apoio. Sempre tive. Obrigada, sua linda! Saiba que também vou te apoiar em tudo. Obrigadaaaaaaaaaa (1000 x) rs
    E como eu disse... eu gosto de todos os seus textos.
    Te adoro. <3

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo texto e pela amiga que você tem!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

À Luz da Manhã

Para Matheus e João.
Ouça. Crescer é como correr descalço na areia. Os pequenos grãos tocam sua pele e você sente, mesmo com a maciez do movimento ou o impacto suave, a aspereza do solo. A sensação é incômoda, mas ao mesmo tempo libertadora. Você para, então, e olha ao redor. Olha as marcas de seu pé no caminho que fez e o modo como, em alguns momentos, eles foram suaves e quase imperceptíveis e, em outros, foram largos e espalhafatosos. Você olha para o outro lado e vê o quanto ainda há para ser marcado. O som do oceano chega aos seus ouvidos e a brisa sopra seus cabelos e você sorri: está bem ali, entre onde já correu e para onde ainda vai correr. Mas, no fim, você só quer sentir seus pés afundando na areia enquanto o mar sopra sua canção ao vento.
Crescer é como subir uma colina de grama verde molhada pelo orvalho da manhã. Você quer saber, mais do que tudo, o que há do outro lado: serão montanhas ou vales? Serão córregos ou lagos? Que tipos de árvores haverão para serem escaladas? …

Dia Três: Walmart e Downtown Disney

Dia 15... de Setembro, sábado.

A dois meses atrás, na hora que estou escrevendo isso, contando o fuso-horário, eu estava me arrumando, ou tomando café ou pegando o táxi. Alguma coisa assim.

Nosso café da manhã nesse dia foi o resto da pizza da noite anterior. Estive refletindo sobre o assunto e, sim, nós jantamos uma pizza enorme e linda e sobrou mais um monte para o café da manhã (e foi o que comi). A pizza americana não é tão boa quanto a nossa, mas também não é ruim. É aceitável, digamos assim. Apesar de que em certo ponto da viagem eu já não aguentava mais olhar pra dita cuja.

Só que eu adoraria olhá-la agora, afinal, significaria que estou lá, entende? Ok, prometo que parei.

Enfim, pegamos um táxi na porta do hotel. Vou falar um pouco do hotel, já que não tem muito o que ficar falando do Walmart. Tinha uma sala "Arcade", mas acabamos nem entrando nela porque não deu tempo, no mesmo corredor que (uma das) a entrada do "restaurante" e também a loja (uma miniatura…