Pular para o conteúdo principal

A Trilha


Estava frio. A noite caía sobre a cadeia de montanhas e a leve brisa fria não movimentava mais a água do rio. Havia dois céus com inúmeros tons de azul e laranja.

Uma boa noite para descansar.

Quatro pares de pés andavam até o montinho que estavam montando, colocando mais madeira. Sentaram-se em pedras que estavam por ali e acenderam o fogo.

O calor os aqueceu e a brisa fria que antes gelava seus rostos era agora só um sussuro. Picadas de mosquitos e pequenos cortes eram apenas isso e nada mais. Feridas que cedo ou tarde cicatrizariam.

As enormes montanhas escureciam rapidamente enquanto o grupo brincava de atirar pedrinhas no lago. Libertação.

Melhor no lago do que uns nos outros.

- É engraçado - disse um deles - como o tempo passa rápido. Começamos a subir a trilha no morro e era dia claro. Agora está quase noite.
- Depois da noite sempre vem um dia claro. Vai amanhecer antes que note.

Curioso é pensar que isso nunca tem fim, esse claro para escuro e vice-versa.

Já era noite e a única luz era a fogueira. Estava nublado. Não havia lua, não havia estrelas.

Olhavam as labaredas que os aqueciam, enquanto comiam. Pensavam consigo mesmos. Precisavam recuperar o tempo perdido com nada. Precisavam respirar o verde, ver o azul, sentir o vermelho, provar do amarelo. Precisavam sentir a dor da caminhada juntos, precisavam curtir a vista juntos. No final, descansariam juntos.

Antes parecia tão impossível. Tantos troncos, tantos buracos. Mas se deram as mãos para ultrapassar tudo aquilo juntos.

E ali estavam. Gastando mais tempo em sua meditação interna. Eles haviam chego e, realmente era maravilhoso. Mas agora estava escuro, mais uma vez.

A subida parecia ter sido melhor.

Então resolveram que era hora de descansar, pois o dia seguinte viria logo.

E quando acordaram viram um sol nascente dourado, com montanhas que brilhavam e nem pareciam mais uma muralha que os separava de algo. Eram apenas mais uma coisa nova a se observar.

Olharam-se, sorrindo. Estava na hora de mais um desafio.

- Vamos nessa - disseram, se apoiando uns nos outros.

Era um dia maravilhoso para uma caminhada.


Comentários

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…