Pular para o conteúdo principal

Doce Infância


Olhou para aquele lugar gigantesco com olhos brilhantes. Caminhou lentamente para a entrada daquele enorme castelo, desviando dos guardas que podiam prendê-lo. Estava em busca de um tesouro inimaginável e fugia de um perigo invisível. Era um mestre em esquivar-se pelo labirinto colorido e tumultuado. Era solitário com seu time de um só. Corria por aqueles corredores de obstáculos, aloprado, com ganância de diversão.

- Oi, amiguinho - um garoto diz ao seu lado.
- Oi - responde.

Se tornam melhores amigos. Logo encontram mais um e se tornam os três mosqueteiros. Dividem-se para procurar melhor. Na cabeça ecoavam as músicas de seus heróis infantis. Ecoavam as mais corajosas falas da televisão. Seu coração batia em um riso alegre encantador.

Subiu até o topo do mundo. Olhou ao redor e viu seus companheiros à postos. Contaram até três e escorregaram pelos céus até um mar infinito de bolhas de sabão coloridas. Afogaram-se em êxtase. Riam abertamente. Depois levantaram-se e continuaram, percorrendo calabouços fedorentos, pontes perigosas, fugindo de monstros à espreita e caindo no mesmo mar eterno. Oh, doce infância.

Comentários

  1. Muito bom. Bem escrita, me faz lembrar da época em que se podia achar um grande amigo em qualquer lugar.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

As Bolhas

Sigo uma filosofia de olhar todos como neutros. Cada dia, as pessoas são uma coisa. De vez em quando, bolhas de sabão. Outras vezes, são todos bonecos de papelão.
Não importa a figura do dia, todos são idênticos à minha frente.
Não os vejo assim porque penso em um mundo massificado onde todos são iguais, dominados e alienados. Nada disso. Mesmo porque, de qualquer forma, já vivemos mais ou menos assim.
Os vejo como bolhas de sabão porque sei que é o certo a se fazer. Enquanto não conhecer a pessoa, ela é uma bolha. Dentro há uma infinidade de curiosidades para se descobrir. Quando a bolha estoura descubro o nome e, depois, a pessoa em si. Como ela é, o que pensa, o que gosta.
E, ainda assim, mesmo depois de a bolha estourar, tenho em mente que todos fomos bolhas. Eu era a bolha dele, ele a minha, nós dois a sua.
Escolhi bolhas porque elas são simplesmente redondas, de sabão e ar, e flutuam por aí, iguais, livres. Mas todas têm um brilho especial ao sol e um quê de diversão... Quem não gost…

À Luz da Manhã

Para Matheus e João.
Ouça. Crescer é como correr descalço na areia. Os pequenos grãos tocam sua pele e você sente, mesmo com a maciez do movimento ou o impacto suave, a aspereza do solo. A sensação é incômoda, mas ao mesmo tempo libertadora. Você para, então, e olha ao redor. Olha as marcas de seu pé no caminho que fez e o modo como, em alguns momentos, eles foram suaves e quase imperceptíveis e, em outros, foram largos e espalhafatosos. Você olha para o outro lado e vê o quanto ainda há para ser marcado. O som do oceano chega aos seus ouvidos e a brisa sopra seus cabelos e você sorri: está bem ali, entre onde já correu e para onde ainda vai correr. Mas, no fim, você só quer sentir seus pés afundando na areia enquanto o mar sopra sua canção ao vento.
Crescer é como subir uma colina de grama verde molhada pelo orvalho da manhã. Você quer saber, mais do que tudo, o que há do outro lado: serão montanhas ou vales? Serão córregos ou lagos? Que tipos de árvores haverão para serem escaladas? …

Sobre os meses sem novas postagens

Estudar é difícil. Você tem que usar seu tempo para isso e acaba não dando a atenção que devia para as outras coisas da sua vida, no meu caso, a escrita. E meu blog.

Então, o motivo para meu sumiço absoluto é esse (além de alguns acontecimentos no meio do caminho que sugaram minha força de vontade). Porém, estou ajeitando o caminho para voltar, talvez não com tudo ainda, mas voltar.

Preparem-se, "Letícia is coming".

Dentro em breve novas postagens, algumas de alguns textos escritos ao longo do ano e outras de textos escritos agora. E é isso aí.

Obrigada pela atenção!