Pular para o conteúdo principal

Desbravadores


Lugar nenhum, todos os dias

Caro amigo perdido,

Você sabia que estou me redescobrindo? É, pois é. Tanto tempo desapegada e despreocupada com o que valia realmente a pena e que esteve no meu passado, agora tudo está mudado. Fiquei tempos sem ouvir aquelas músicas e ler aqueles livros. Gastei esse tempo me preocupando com coisas e pessoas que não deviam ser tão preocupantes. Me ocupei com inutilidades.

Fugi de coisas que me faziam bem, apesar dos apesares, e me foquei em coisas que me irritavam e me faziam querer socar a parede de propósito e quebrar a mão. E sabe o que aproveito desse tempo? Muita coisa.

Sim, muita coisa. Não me arrependo. Me trouxe boas memórias de risadas e tombos e lanches e outras tantas coisas. E também me ensinaram lições importantíssimas, sobre manter a calma, sobre pensar duas ou três vezes e sobre o verdadeiro valor das coisas.

Mas a coisa mais importante que aprendi é que algumas pessoas são o que são e você só deve aguentar a sua existência exatamente como ela é. Se ela é feia ou bonita, legal ou chata, alegre ou irritada, não importa, é tudo questão de ponto de vista. Entendê-la e conseguir colocar sem atritos os modos dela junto aos seus é uma das maiores vitórias que você pode conquistar.

Mas, acho que agora que estou me redescobrindo, percebo que todas as dores do passado (o passado de quando ainda não sabia o que agora sei) poderiam ter sido exterminadas pelas poucas coisas que me fazem realmente feliz. Poderia ter usado elas para me sentir melhor. Mas só agora, quando estou feliz, é que as uso (acho que faço isso para lembrar delas sempre ligadas à alegria).

Li certa vez algo sobre Budismo. Eles acreditam (entre outras coisas) que não há como evitar o sofrimento; sendo humano você vai sofrer uma hora ou outra. A verdadeira sabedoria (agora colocando um pouco das minhas palavras) é conseguir superar o sofrimento e aprender com ele. Quando perceber isso irá perceber também que você deve aproveitar cada segundo de felicidade, porque cedo ou tarde o sofrimento voltará. Só que ele nunca será permanente, a felicidade também volta, é claro, assim como o sol.

Então, nessa minha fase de descobertas e redescobertas, percebo que, no geral, não só o meu humor, mas tudo no mundo muda. Somos redondos como a Terra e giramos o tempo todo. Temos estações, temos dia e noite, temos eras de gelo e eras de aquecimento global. E o que fazemos quando mudamos de uma para a outra? Depende de cada um.

Espero que aprenda com o que aprendi. Continue caminhando, sempre. Não pare nunca, não importa quantos degraus há no caminho ou quantas montanhas há para escalar.

Boa sorte,

Desbravadora da vida



Muito obrigada ao Adriel por ajudar a escolher a foto e à Aliane por tirar a foto.

Comentários

  1. Nossa. Tipo... UAL. É inspiradora. Mesmo. E a minha foto! E o meu nome lá no final. Oun *-* Que linda.
    Por mais que te estresse e tal, me sinto honrada em ser uma dessas coisas na qual você se focou mesmo que te deixasse com vontade de socar a parede de propósito e socar a mão. É só que.......... Eu amo você rere.
    Parabéns pelo texto. De verdade. Você diz que tenho que fazer críticas e sugestões e bla bla bla... Mas você não me dá a chance! Seus textos estão sempre lindos e perfeitos. Digo, pelo menos pra mim, que não seria capaz de algo assim tão.... formoso? tocável? profundo? Todas as opções citadas anteriormente?
    Enfim, adorei. Parabéns e continue assim! <3

    ResponderExcluir
  2. visitando aqui :)
    Parabéns pela carta e por sua classificação no Bloínquês.

    palavras-e-sentimentos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. "Somos redondos como a Terra e giramos o tempo todo. Temos estações, temos dia e noite, temos eras de gelo e eras de aquecimento global (...)" Perfeito.
    Na vida tudo muda, mas o que realmente importa é que ainda estamos juntos apesar de tudo. (João aqui)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Chá de cadeira

Se não quer tomar um, não leia. Eu falei pacas kk
Já ouviu essa expressão, chá de cadeira? É quando você fica muito tempo sentado esperando alguma coisa. Pois é. Ontem experimentei as delícias (ou não) de um chá de cadeira.
Guarda isso na cabeçinha. Arquivou? Beleza, vamos continuar.
Sabe quando você assiste aquele filme ou série de médico (tipo House, haha, amo) e você pensa "cara, como será que é trabalhar aí?!". Não digo na série filme, digo no hospital. Eu já pensei muito isso. Seria bem legal experimentar um corre-corre de hospital, ver como é um corpo humano DE VERDADE, sem esquemas em livros, ver médicos, ter os conhecimentos de médicos... seria tudo! Mas medicina não é pra mim, sabe, é tenso ter a vida de uma pessoa nas suas mãos. Muita responsabilidade.
Agora, lembra do que você tinha arquivado, do chá de cadeira? Não lembra? Ok, lê o começo do post de novo pra lembrar. Lembrou? Ok, então vem comigo.
Ontem fui com minha mãe para o hospital porque ela não se sentia …

A Música da Estrada

Lá estava ele novamente na estrada, caminhando tranquilamente e olhando ao redor. Na mão a maleta com o seu melhor amigo e companheiro de profissão: o violão. Não era nada demais, não. A marca não era daquelas mais caras e já não era tão novo. Mas cuidava tão bem do dito cujo... Sentava-se e limpava-o, afinava-o, olhava com paixão. Era o filho dele, a mulher de sua vida, seu pai, seu irmão. Era o mundo em suas mãos, ao seu comando.

Espera... Eu disse que o violão estava ao seu comando? Ah, nem o músico sabia quem comandava o que ali. Quando começavam com uma nota e não paravam nunca mais, ele tinha bastante certeza de que era um trabalho no qual os dois pensavam juntos.

O músico mandava apenas no caminho, pois era ele que tinha as pernas. E, sendo assim, escolhia as platéias. Tive sorte de ser uma delas. Caminhava, apenas, disseminando seu dom. Ensinava uns aqui e outros ali. Nunca parava. Diziam a ele que iria explodir se continuasse assim. Mas era do que ele vivia e do que gostav…

Hoje é o Seu Dia, Que Dia Mais Feliz!

Muita gente critica festas de crianças. Pessoalmente, acho que há mais para se elogiar do que para se criticar. Veja bem, quem não gosta de uma boa e velha bolinha de queijo? Tudo bem, velha talvez não (sabe, porque comer coisa mofada não é bom, confie em mim), mas ela é boa, muito boa. Festa de criança sempre tem essas comidas gostosas e elas fazem valer a pena.

Sempre que a festa é em buffet tem um determinado brinquedo legal que adulto pode ir. E aí é a hora de todo mundo que já passou da idade se juntar e usar o brinquedo, gritando e fazendo a maior bagunça. Um desses é o "la bamba", um hit da atualidade, um disco com cadeiras onde as pessoas sentam e ficam girando repetidamente. Acredite, é divertido. Claro que, criança ou adulto, alguém sempre tenta surfar e é aí que vemos uma criatura rolando pelo chão do brinquedo enquanto um monte de outras criaturas riem da cara do pobre coitado. Pois é.

E, pra finalizar, os doces. Ah, esperar as quatro horas, o parabéns com direit…