Pular para o conteúdo principal

Desbravadores


Lugar nenhum, todos os dias

Caro amigo perdido,

Você sabia que estou me redescobrindo? É, pois é. Tanto tempo desapegada e despreocupada com o que valia realmente a pena e que esteve no meu passado, agora tudo está mudado. Fiquei tempos sem ouvir aquelas músicas e ler aqueles livros. Gastei esse tempo me preocupando com coisas e pessoas que não deviam ser tão preocupantes. Me ocupei com inutilidades.

Fugi de coisas que me faziam bem, apesar dos apesares, e me foquei em coisas que me irritavam e me faziam querer socar a parede de propósito e quebrar a mão. E sabe o que aproveito desse tempo? Muita coisa.

Sim, muita coisa. Não me arrependo. Me trouxe boas memórias de risadas e tombos e lanches e outras tantas coisas. E também me ensinaram lições importantíssimas, sobre manter a calma, sobre pensar duas ou três vezes e sobre o verdadeiro valor das coisas.

Mas a coisa mais importante que aprendi é que algumas pessoas são o que são e você só deve aguentar a sua existência exatamente como ela é. Se ela é feia ou bonita, legal ou chata, alegre ou irritada, não importa, é tudo questão de ponto de vista. Entendê-la e conseguir colocar sem atritos os modos dela junto aos seus é uma das maiores vitórias que você pode conquistar.

Mas, acho que agora que estou me redescobrindo, percebo que todas as dores do passado (o passado de quando ainda não sabia o que agora sei) poderiam ter sido exterminadas pelas poucas coisas que me fazem realmente feliz. Poderia ter usado elas para me sentir melhor. Mas só agora, quando estou feliz, é que as uso (acho que faço isso para lembrar delas sempre ligadas à alegria).

Li certa vez algo sobre Budismo. Eles acreditam (entre outras coisas) que não há como evitar o sofrimento; sendo humano você vai sofrer uma hora ou outra. A verdadeira sabedoria (agora colocando um pouco das minhas palavras) é conseguir superar o sofrimento e aprender com ele. Quando perceber isso irá perceber também que você deve aproveitar cada segundo de felicidade, porque cedo ou tarde o sofrimento voltará. Só que ele nunca será permanente, a felicidade também volta, é claro, assim como o sol.

Então, nessa minha fase de descobertas e redescobertas, percebo que, no geral, não só o meu humor, mas tudo no mundo muda. Somos redondos como a Terra e giramos o tempo todo. Temos estações, temos dia e noite, temos eras de gelo e eras de aquecimento global. E o que fazemos quando mudamos de uma para a outra? Depende de cada um.

Espero que aprenda com o que aprendi. Continue caminhando, sempre. Não pare nunca, não importa quantos degraus há no caminho ou quantas montanhas há para escalar.

Boa sorte,

Desbravadora da vida



Muito obrigada ao Adriel por ajudar a escolher a foto e à Aliane por tirar a foto.

Comentários

  1. Nossa. Tipo... UAL. É inspiradora. Mesmo. E a minha foto! E o meu nome lá no final. Oun *-* Que linda.
    Por mais que te estresse e tal, me sinto honrada em ser uma dessas coisas na qual você se focou mesmo que te deixasse com vontade de socar a parede de propósito e socar a mão. É só que.......... Eu amo você rere.
    Parabéns pelo texto. De verdade. Você diz que tenho que fazer críticas e sugestões e bla bla bla... Mas você não me dá a chance! Seus textos estão sempre lindos e perfeitos. Digo, pelo menos pra mim, que não seria capaz de algo assim tão.... formoso? tocável? profundo? Todas as opções citadas anteriormente?
    Enfim, adorei. Parabéns e continue assim! <3

    ResponderExcluir
  2. visitando aqui :)
    Parabéns pela carta e por sua classificação no Bloínquês.

    palavras-e-sentimentos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. "Somos redondos como a Terra e giramos o tempo todo. Temos estações, temos dia e noite, temos eras de gelo e eras de aquecimento global (...)" Perfeito.
    Na vida tudo muda, mas o que realmente importa é que ainda estamos juntos apesar de tudo. (João aqui)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

À Luz da Manhã

Para Matheus e João.
Ouça. Crescer é como correr descalço na areia. Os pequenos grãos tocam sua pele e você sente, mesmo com a maciez do movimento ou o impacto suave, a aspereza do solo. A sensação é incômoda, mas ao mesmo tempo libertadora. Você para, então, e olha ao redor. Olha as marcas de seu pé no caminho que fez e o modo como, em alguns momentos, eles foram suaves e quase imperceptíveis e, em outros, foram largos e espalhafatosos. Você olha para o outro lado e vê o quanto ainda há para ser marcado. O som do oceano chega aos seus ouvidos e a brisa sopra seus cabelos e você sorri: está bem ali, entre onde já correu e para onde ainda vai correr. Mas, no fim, você só quer sentir seus pés afundando na areia enquanto o mar sopra sua canção ao vento.
Crescer é como subir uma colina de grama verde molhada pelo orvalho da manhã. Você quer saber, mais do que tudo, o que há do outro lado: serão montanhas ou vales? Serão córregos ou lagos? Que tipos de árvores haverão para serem escaladas? …

Dia Três: Walmart e Downtown Disney

Dia 15... de Setembro, sábado.

A dois meses atrás, na hora que estou escrevendo isso, contando o fuso-horário, eu estava me arrumando, ou tomando café ou pegando o táxi. Alguma coisa assim.

Nosso café da manhã nesse dia foi o resto da pizza da noite anterior. Estive refletindo sobre o assunto e, sim, nós jantamos uma pizza enorme e linda e sobrou mais um monte para o café da manhã (e foi o que comi). A pizza americana não é tão boa quanto a nossa, mas também não é ruim. É aceitável, digamos assim. Apesar de que em certo ponto da viagem eu já não aguentava mais olhar pra dita cuja.

Só que eu adoraria olhá-la agora, afinal, significaria que estou lá, entende? Ok, prometo que parei.

Enfim, pegamos um táxi na porta do hotel. Vou falar um pouco do hotel, já que não tem muito o que ficar falando do Walmart. Tinha uma sala "Arcade", mas acabamos nem entrando nela porque não deu tempo, no mesmo corredor que (uma das) a entrada do "restaurante" e também a loja (uma miniatura…