Pular para o conteúdo principal

A Seita


Uma garota sentou-se no chão de uma bela sala de piso de madeira e com aspecto de que não era aberta a muito tempo. Tinha um ursinho e escolhia fotos. Pendurou um grosso fio no cômodo, atravessando-o. Parecia inocente olhando as impressões em papel e tinta que mais tarde se tornariam parte de um ritual.

Vestiam capas pretas escondendo-lhes os rostos. Eram quatro e formavam (como podiam) um círculo. A sala era um octógono, com três grandes janelas no lado oposto à porta. O sol do lado de fora se preparava para descansar e as árvores aproveitavam os últimos minutos na sua companhia.

Muitas velas estavam acesas e espalhadas no chão e havia espécie de varal (um fio resistente) que cruzava o cômodo. Uma das figuras de preto colocou uma música famosa do rock dos anos setenta ou oitenta. Eles começaram a bater o ritmo (tum tum tá) com os pés e mãos, cada vez mais forte. Cantavam. Então a música acabou e veio outra.

Misturava o canto de coral com ritmos medievais e pop. A letra era em latim e a canção era imponente e guerreira. Um dos vultos ergueu uma pilha de fotografias e todos os outros começaram a prendê-las no varal. Eram fotos de viagens, festas, reuniões e passeios de várias pessoas diferentes. Todas memórias aleatórias.

Terminada a canção e com as fotos penduradas, começaram a cantar a próxima, o mesmo estilo da anterior, só que bem mais angelical. Olhavam as fotos enquanto cantavam e riam ao passar por elas. Pegaram algumas que gostavam e colocaram no chão. As que traziam imagens ruins, queimaram no próprio varal. Uma luz laranja iluminou o quarto que já estava ficando escuro. O calor tomou o ambiente. Tambores ressoavam enquanto assistiam o espetáculo à sua frente se consumir.

Baixaram os capuzes, logo que a canção terminou, pegaram uma garrafa de coca-cola e esfihas, sentaram e comeram.

- Ainda não temos nome para a seita - disse uma, adolescente como os outros, sorrindo - temos o "Deus", - apontou para um ursinho no canto, que simbolizava um fofoqueiro anônimo que criara uma história fantástica sobre eles (história essa que dera a ideia para a reunião) - as fotos, as músicas, a comida... Só não temos nome.
- Quer um nome melhor que “Seita”? - respondeu outro.

Rindo, terminaram de comer a som de rock brasileiro, cantando como se não houvesse amanhã.


Comentários

  1. Nossa seita foi muito bem retratada nesse texto, hein, Lê!? Adorei.
    Principalmente a parte final, onde eles discutem o nome da seita. Apenas "Seita". Bem Original
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  2. muito lindo, no começo me imaginei nessa cena com alguns amigos e estávamos revendo fotos do passado =')

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

As Bolhas

Sigo uma filosofia de olhar todos como neutros. Cada dia, as pessoas são uma coisa. De vez em quando, bolhas de sabão. Outras vezes, são todos bonecos de papelão.
Não importa a figura do dia, todos são idênticos à minha frente.
Não os vejo assim porque penso em um mundo massificado onde todos são iguais, dominados e alienados. Nada disso. Mesmo porque, de qualquer forma, já vivemos mais ou menos assim.
Os vejo como bolhas de sabão porque sei que é o certo a se fazer. Enquanto não conhecer a pessoa, ela é uma bolha. Dentro há uma infinidade de curiosidades para se descobrir. Quando a bolha estoura descubro o nome e, depois, a pessoa em si. Como ela é, o que pensa, o que gosta.
E, ainda assim, mesmo depois de a bolha estourar, tenho em mente que todos fomos bolhas. Eu era a bolha dele, ele a minha, nós dois a sua.
Escolhi bolhas porque elas são simplesmente redondas, de sabão e ar, e flutuam por aí, iguais, livres. Mas todas têm um brilho especial ao sol e um quê de diversão... Quem não gost…

À Luz da Manhã

Para Matheus e João.
Ouça. Crescer é como correr descalço na areia. Os pequenos grãos tocam sua pele e você sente, mesmo com a maciez do movimento ou o impacto suave, a aspereza do solo. A sensação é incômoda, mas ao mesmo tempo libertadora. Você para, então, e olha ao redor. Olha as marcas de seu pé no caminho que fez e o modo como, em alguns momentos, eles foram suaves e quase imperceptíveis e, em outros, foram largos e espalhafatosos. Você olha para o outro lado e vê o quanto ainda há para ser marcado. O som do oceano chega aos seus ouvidos e a brisa sopra seus cabelos e você sorri: está bem ali, entre onde já correu e para onde ainda vai correr. Mas, no fim, você só quer sentir seus pés afundando na areia enquanto o mar sopra sua canção ao vento.
Crescer é como subir uma colina de grama verde molhada pelo orvalho da manhã. Você quer saber, mais do que tudo, o que há do outro lado: serão montanhas ou vales? Serão córregos ou lagos? Que tipos de árvores haverão para serem escaladas? …

Sobre os meses sem novas postagens

Estudar é difícil. Você tem que usar seu tempo para isso e acaba não dando a atenção que devia para as outras coisas da sua vida, no meu caso, a escrita. E meu blog.

Então, o motivo para meu sumiço absoluto é esse (além de alguns acontecimentos no meio do caminho que sugaram minha força de vontade). Porém, estou ajeitando o caminho para voltar, talvez não com tudo ainda, mas voltar.

Preparem-se, "Letícia is coming".

Dentro em breve novas postagens, algumas de alguns textos escritos ao longo do ano e outras de textos escritos agora. E é isso aí.

Obrigada pela atenção!