Pular para o conteúdo principal

A Seita


Uma garota sentou-se no chão de uma bela sala de piso de madeira e com aspecto de que não era aberta a muito tempo. Tinha um ursinho e escolhia fotos. Pendurou um grosso fio no cômodo, atravessando-o. Parecia inocente olhando as impressões em papel e tinta que mais tarde se tornariam parte de um ritual.

Vestiam capas pretas escondendo-lhes os rostos. Eram quatro e formavam (como podiam) um círculo. A sala era um octógono, com três grandes janelas no lado oposto à porta. O sol do lado de fora se preparava para descansar e as árvores aproveitavam os últimos minutos na sua companhia.

Muitas velas estavam acesas e espalhadas no chão e havia espécie de varal (um fio resistente) que cruzava o cômodo. Uma das figuras de preto colocou uma música famosa do rock dos anos setenta ou oitenta. Eles começaram a bater o ritmo (tum tum tá) com os pés e mãos, cada vez mais forte. Cantavam. Então a música acabou e veio outra.

Misturava o canto de coral com ritmos medievais e pop. A letra era em latim e a canção era imponente e guerreira. Um dos vultos ergueu uma pilha de fotografias e todos os outros começaram a prendê-las no varal. Eram fotos de viagens, festas, reuniões e passeios de várias pessoas diferentes. Todas memórias aleatórias.

Terminada a canção e com as fotos penduradas, começaram a cantar a próxima, o mesmo estilo da anterior, só que bem mais angelical. Olhavam as fotos enquanto cantavam e riam ao passar por elas. Pegaram algumas que gostavam e colocaram no chão. As que traziam imagens ruins, queimaram no próprio varal. Uma luz laranja iluminou o quarto que já estava ficando escuro. O calor tomou o ambiente. Tambores ressoavam enquanto assistiam o espetáculo à sua frente se consumir.

Baixaram os capuzes, logo que a canção terminou, pegaram uma garrafa de coca-cola e esfihas, sentaram e comeram.

- Ainda não temos nome para a seita - disse uma, adolescente como os outros, sorrindo - temos o "Deus", - apontou para um ursinho no canto, que simbolizava um fofoqueiro anônimo que criara uma história fantástica sobre eles (história essa que dera a ideia para a reunião) - as fotos, as músicas, a comida... Só não temos nome.
- Quer um nome melhor que “Seita”? - respondeu outro.

Rindo, terminaram de comer a som de rock brasileiro, cantando como se não houvesse amanhã.


Comentários

  1. Nossa seita foi muito bem retratada nesse texto, hein, Lê!? Adorei.
    Principalmente a parte final, onde eles discutem o nome da seita. Apenas "Seita". Bem Original
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  2. muito lindo, no começo me imaginei nessa cena com alguns amigos e estávamos revendo fotos do passado =')

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

Dia Três: Walmart e Downtown Disney

Dia 15... de Setembro, sábado.

A dois meses atrás, na hora que estou escrevendo isso, contando o fuso-horário, eu estava me arrumando, ou tomando café ou pegando o táxi. Alguma coisa assim.

Nosso café da manhã nesse dia foi o resto da pizza da noite anterior. Estive refletindo sobre o assunto e, sim, nós jantamos uma pizza enorme e linda e sobrou mais um monte para o café da manhã (e foi o que comi). A pizza americana não é tão boa quanto a nossa, mas também não é ruim. É aceitável, digamos assim. Apesar de que em certo ponto da viagem eu já não aguentava mais olhar pra dita cuja.

Só que eu adoraria olhá-la agora, afinal, significaria que estou lá, entende? Ok, prometo que parei.

Enfim, pegamos um táxi na porta do hotel. Vou falar um pouco do hotel, já que não tem muito o que ficar falando do Walmart. Tinha uma sala "Arcade", mas acabamos nem entrando nela porque não deu tempo, no mesmo corredor que (uma das) a entrada do "restaurante" e também a loja (uma miniatura…

Chá de cadeira

Se não quer tomar um, não leia. Eu falei pacas kk
Já ouviu essa expressão, chá de cadeira? É quando você fica muito tempo sentado esperando alguma coisa. Pois é. Ontem experimentei as delícias (ou não) de um chá de cadeira.
Guarda isso na cabeçinha. Arquivou? Beleza, vamos continuar.
Sabe quando você assiste aquele filme ou série de médico (tipo House, haha, amo) e você pensa "cara, como será que é trabalhar aí?!". Não digo na série filme, digo no hospital. Eu já pensei muito isso. Seria bem legal experimentar um corre-corre de hospital, ver como é um corpo humano DE VERDADE, sem esquemas em livros, ver médicos, ter os conhecimentos de médicos... seria tudo! Mas medicina não é pra mim, sabe, é tenso ter a vida de uma pessoa nas suas mãos. Muita responsabilidade.
Agora, lembra do que você tinha arquivado, do chá de cadeira? Não lembra? Ok, lê o começo do post de novo pra lembrar. Lembrou? Ok, então vem comigo.
Ontem fui com minha mãe para o hospital porque ela não se sentia …