Pular para o conteúdo principal

A Seita


Uma garota sentou-se no chão de uma bela sala de piso de madeira e com aspecto de que não era aberta a muito tempo. Tinha um ursinho e escolhia fotos. Pendurou um grosso fio no cômodo, atravessando-o. Parecia inocente olhando as impressões em papel e tinta que mais tarde se tornariam parte de um ritual.

Vestiam capas pretas escondendo-lhes os rostos. Eram quatro e formavam (como podiam) um círculo. A sala era um octógono, com três grandes janelas no lado oposto à porta. O sol do lado de fora se preparava para descansar e as árvores aproveitavam os últimos minutos na sua companhia.

Muitas velas estavam acesas e espalhadas no chão e havia espécie de varal (um fio resistente) que cruzava o cômodo. Uma das figuras de preto colocou uma música famosa do rock dos anos setenta ou oitenta. Eles começaram a bater o ritmo (tum tum tá) com os pés e mãos, cada vez mais forte. Cantavam. Então a música acabou e veio outra.

Misturava o canto de coral com ritmos medievais e pop. A letra era em latim e a canção era imponente e guerreira. Um dos vultos ergueu uma pilha de fotografias e todos os outros começaram a prendê-las no varal. Eram fotos de viagens, festas, reuniões e passeios de várias pessoas diferentes. Todas memórias aleatórias.

Terminada a canção e com as fotos penduradas, começaram a cantar a próxima, o mesmo estilo da anterior, só que bem mais angelical. Olhavam as fotos enquanto cantavam e riam ao passar por elas. Pegaram algumas que gostavam e colocaram no chão. As que traziam imagens ruins, queimaram no próprio varal. Uma luz laranja iluminou o quarto que já estava ficando escuro. O calor tomou o ambiente. Tambores ressoavam enquanto assistiam o espetáculo à sua frente se consumir.

Baixaram os capuzes, logo que a canção terminou, pegaram uma garrafa de coca-cola e esfihas, sentaram e comeram.

- Ainda não temos nome para a seita - disse uma, adolescente como os outros, sorrindo - temos o "Deus", - apontou para um ursinho no canto, que simbolizava um fofoqueiro anônimo que criara uma história fantástica sobre eles (história essa que dera a ideia para a reunião) - as fotos, as músicas, a comida... Só não temos nome.
- Quer um nome melhor que “Seita”? - respondeu outro.

Rindo, terminaram de comer a som de rock brasileiro, cantando como se não houvesse amanhã.

Comentários

  1. Nossa seita foi muito bem retratada nesse texto, hein, Lê!? Adorei.
    Principalmente a parte final, onde eles discutem o nome da seita. Apenas "Seita". Bem Original
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  2. muito lindo, no começo me imaginei nessa cena com alguns amigos e estávamos revendo fotos do passado =')

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

As minhas Bienais do Livro

Mais um ano de Bienal do Livro de São Paulo passou por aí. Mais um monte de dias de livros, autores, leitores, cosplays, cenários e brindes.

Um dia em que fui eu.

Depois de um longo tempo sem ter vontade e energia para ler e escrever, comecei a voltar para este universo, pouco a pouco. Escrevi aqui e ali, voltei com o blog e comecei a ler um livro no meu Kobo.

Aí veio a Bienal e fiz minha listinha. Compraria coisas para dar aula e HQs que queria há muito tempo. Não achei as HQs, não comprei livros para dar aula, comprei outros que sempre quis ou que me interessei na hora. Comprei jogos. Comprei colecionáveis.

Mas a parte mais legal foi interagir com autores e leitores e divulgar o por-fora. Cumprindo, de certa forma, o que prometi há tanto tempo...

Vamos passear um pouco pelas minhas Bienais.

Há oito anos, quando estava no Ensino Médio, fui com a escola em minha primeira Bienal. Rendeu alguns livros, um botton que amo muito (eu coleciono e amo demais) e muitas fotos épicas com os amig…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…