Pular para o conteúdo principal

A Mulher Vestida


A mulher estava vestida. Tinha um vestido vermelho, saltos, batom. Tirou o vestido, tirou os saltos, tirou o batom. Seria menina, e por isso colocou a saia, a camisa, os sapatos, a gravata. Fez um raio na testa. Segurou um graveto e sorriu para sua imagem no espelho. Parecia mais fácil assim, na fantasia. Ficou menina mais uma vez.


Mini-conto para a oficina de escrita criativa do colégio.

Comentários

  1. É impossível que uma garota leia isso e não se veja na trama. Esse jeito que você Lets, tem de abordar coisas simples e rotineiras, é mágico. "Tirar o batom e desenhara cicatriz na testa", não é só deixar de lado o amadurecimento e recordar a infância. "Tirar o batom e desenhar a cicatriz na testa" pode falar de uma pessoa que abandona asaparências, alguém que se mostra o que realmente é, abandonar algo que ame muito e suportar a dor e até mesmo, assumir os erros.
    Eu me imaginaria em diversas situações, utilizando esse texto para descrevê-las. Mas assim como acredito que foi com você, a minha interpretação foi unicamente ligada à saudade da minha inocência de criança, dos momentos de fantasia. Beijos linda, Raay.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

Saudade

Saudade.

Saudade de palavras. Saudade de sonhos. Saudade de segurar em uma caneta e caçar palavras para compor sonhos. Saudade de ver as palavras e sonhos de outros.

Saudade.

Saudade de ânimo. Saudade de aprender. Saudade de aprender com ânimo, todos os dias, dia após dia. De sentir paixão pelo que se aprende.

Saudade.

Saudade de acordar. Saudade de sentir. Saudade de acordar e sentir que há muito para se ver. De então ver a vida e senti-la.

Mas a maior saudade é de quando não havia cansaço. Este cansaço de tudo. E desejar que passe, e desejar que escoe. Para que então voe de volta para o que se tem saudade.

Saudade, por fim, de quando o mundo não era cansado e feio, mas sim feito... de sonhos, palavras e paixões... e do ânimo exuberante que tocava cada alma que nele habitava.

Saudades...

Sobre os meses sem novas postagens

Estudar é difícil. Você tem que usar seu tempo para isso e acaba não dando a atenção que devia para as outras coisas da sua vida, no meu caso, a escrita. E meu blog.

Então, o motivo para meu sumiço absoluto é esse (além de alguns acontecimentos no meio do caminho que sugaram minha força de vontade). Porém, estou ajeitando o caminho para voltar, talvez não com tudo ainda, mas voltar.

Preparem-se, "Letícia is coming".

Dentro em breve novas postagens, algumas de alguns textos escritos ao longo do ano e outras de textos escritos agora. E é isso aí.

Obrigada pela atenção!