Pular para o conteúdo principal

Sem Graça

Sou mó fã do CQC. São caras inteligentes de verdade, pra começar. Hoje em dia, humor inteligente é difícil (se levarmos em consideração que Pânico é o que mais vende e Zorra Total ainda não acabou, e nisso TODOS concordam). E daí vem um deles e dá uma de… de… nojento (você sabe bem que eu queria dizer outra coisa) e faz uma piada de mal gosto.

SIM, meus amigos, o Rafinha FEZ uma piada de mau gosto. Até eu que sou fã sei que ele faz muito isso. Mas por que, raios, SÓ AGORA que foram tomar uma atitude?

Um motivo é que ele vende (agora que foi afastado a empresa dona do formato do CQC foi reclamar querendo ele de volta). O outro motivo é que a insultada, dizem por aí, tem uns contatos lá dentro.

Então, senhoras e senhores, me vejo mais uma vez de cara com uma verdade dolorosa: vivemos em meio à um monte de hipócritas. Porque, veja bem, se o cara fosse mesmo um problema, já o teriam resolvido antes e, sendo que muita gente sempre achou ele um problema, só agora metade quer ele fora porque insultou um poderoso e outra metade é poderosa e quer ganhar dinheiro.


Dai vem a imprensa. Caindo em cima, rolando no assunto como jacarés que acabaram de aproveitar uma excelente refeição. O discurso é que ele é desrespeitoso, asqueroso. Volto aos programas citados mais cedo: Pânico na TV é inteiro asqueroso (mesmo que você goste e ria pra caramba, você sabe que eles usam e abusam de humilhação alheia, pelo amor de Deus); Zorra Total, bom, nem precisava comentar… mas enfim, a Globo tem investido absurdos e o programa, mesmo existindo mais que a minha vida toda e todo esse tempo sendo taxado de idiota e repetitivo (“é sempre a mesma piada!”), tá aí. E o problema da Zorra é que eles também fazem piadas sem graça usando esteriótipos (como toda a Globo faz, na verdade) e tudo o mais.

E ninguém caiu matando neles? Mesmo que todos saibam qual o problema? É que não tocou na ferida.
O que é o humor agora? Dizem que tem que ter liberdade de expressão pra humorista, pra imprensa, pra artista, pra todo mundo. Daí tá todo mundo lutando pelos direitos e igualdade social, então você não pode falar nada de ninguém. Não posso virar pro meu amigo e dizer “seu cabelo tá feio”. Vai que ele desenvolve problemas psicológicos porque fiz bullying?

Não to dizendo que bullying é certo, mesmo porque já me zoaram (por causa de cabelo inclusive). Demorei anos pra destraumatizar do cabelo. Também não quero que todo mundo saia se xingando. E também não acho que a piada do Rafinha foi engraçada (tem que explicar tudo isso porque se não vão dizer que eu sou má e mereço morrer também).

Mas você tem que escolher: liberdade de expressão ou de existência? Será que existe MESMO liberdade? Se eu for na padaria de short e camiseta ninguém vai pensar nada de mim, sequer vão me notar. Se eu usar uma peruca de palhaço, vão me olhar torto. ESTOU EXERCENDO MINHA LIBERDADE. E você a sua, de me achar estranha.

Então, se a questão é liberdade, Rafinha tinha todo o direito de falar todas as porcarias que quisesse. E o resto do mundo de falar que ele é um merda babaca. Entendeu onde quero chegar? Se não, bom… tenho pena de você. Vai ler de novo.

Pois é… essa discussão toda sobre liberdade veio de uma piada sem graça e de todo o sistema de poderosos por trás. Sabe o que é mais sem graça? A gente fica discutindo isso em textinho do tumblr ao invés de jogar uma bomba atômica na cabeça da humanidade e acabar com ela, porque parece que não tem mais jeito.

Comentários

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

Real Demais

Caminhou tremulamente até a ponta. Olhou para baixo e viu o mundo. Estava tão no alto, tão superior às pessoas e carros minúsculos lá embaixo... Até os outros prédios pareciam pequenos. Resolveu sentar-se.

Sua espinha congelava enquanto se movia lentamente, para sentar-se. Precisou forçar tanto sua coluna para baixo que sentiu que ela era um pedaço de gelo quebrando-se. Seu braço estava arrepiado. Ela odiava alturas.

Não poderia arriscar olhar para cima, porque seria tão ruim ou pior. A imensidão sobre sua cabeça lhe causava arrepios, principalmente estando sentada em um lugar tão... instável. Se desequilibraria mais facilmente ainda.

Ficou parada um tempo, decidindo para que ponto olhar. Percebeu que manter a cabeça reta e os olhos baixos não lhe trazia aquela sensação... horrível. A cabeça girava, tudo ficava preto, o coração acelerava...

Tum. Tum. Tum.

Ela se virou e revistou a mochila. Tirou algo de lá e, lentamente, esticou uma perna para baixo. Depois se arrastou para frente co…

Leite com Vodka

Sua bebida favorita sempre foi leite. Aquele líquido branco e um pouco denso, que bebês adoram. Bebia com tudo: chocolate, morango, groselha... Era um bebedor. Seus lanches não eram feitos sem leite. E se não o bebia, misturava em algum outro ingrediente. Sucrilhos, frutas batidas. Nutritivo da cabeça aos pés. O alimentava por dentro e ele consumia com orgulho.

Então cresceu. Você sabe, quando crescem eles mudam os interesses. Não mais desenhava os programas que via. Agora via apenas a parede do quarto e festas banhadas a vodka. Ah, a vodka. Virou sua bebida preferida, com toda certeza. Aquele cheiro forte no líquido transparente, que jovens usam para se mostrar descolados. Bebia com tudo: frutas batidas, sucos, refrigerantes, sem nada. Virava uma dose e outra. Descolado da cabeça aos pés, na moda, inteiramente parte do grupo.

Mas a vida não era só Leite ou Vodka. Pelo menos não mais. Foi em mais um dia de Vodka que a encontrou. Ela lhe sorriu e ele se aproximou. Parece que foi à …