Pular para o conteúdo principal

Capítulos da Vida

Algumas pessoas me dão vontade de saber o que vem a seguir. Como um livro. Eu as olho e, depois, fico com uma eterna curiosidade para saber o que acontecerá com elas; só que, diferente de um livro, não tenho como ir para a próxima página e descobrir. Tenho que me contentar com uma simples sinopse, um pequeno parágrafo.

Lembro-me  de algumas que me trouxeram essa sensação. A primeira é o homem sentado na frente da vitrine de uma livraria, olhando os livros. Um mendigo. Não sei se estava chapado ou louco ou lúcido. Não li a introdução. Mas também não sei se algum dia alguém teve a bondade de perguntar-lhe se gostaria de um livro. Por que não? Ele pode ter sido um homem culto e importante que perdeu tudo, todas as suas páginas largadas em um canto para entupir bueiro; e então ele foi parar, afinal, em uma livraria, buscando o que perdeu e procurando o que estava por vir.

Uma história sem começo nem fim.

Outro episódio que me deixou com vontade de saber o que vem a seguir foi a mãe com a menininha, no ônibus. Eu estava no banco dos fundos e as vi subindo as escadas. A garotinha veio toda feliz e a mãe atrás, carregando a mochila, um cestinho e um presente. Entraram e sentaram-se em um banco. A menina entusiasmada com os presentes no cesto, a mãe conversando com ela... Imaginei que tivesse sido a festa de aniversário dela na escola. E então começou a chover, chover como se o céu estivesse devolvendo toda a água que as bocas secas precisavam. A mãe, com muita habilidade, pendurou a mochila de carrinho em um braço, segurou o cestinho com presentes em uma mão e desceu do ônibus, com a garotinha empoleirada no seu outro braço. Assim, foram mãe, filha e brinquedos apressadamente para casa.

Me pergunto o que aconteceu depois. Será que chegaram muito molhadas? Será que a menina iria passar a noite brincando com os presentes novos? Que será que a mãe fazia da vida? Me pergunto, também, se a menininha cresce saudável e se, quando fosse moça, iria querer brincar de passar batom com tanta frequência quanto no ônibus aquele dia, ou se gostaria de voltar no tempo e correr pela rua na chuva.

Será que as pessoas com quem brinquei por uma tarde na praia ou no playground ainda vão lá, ou será que perderam os velhos hábitos? Se eu for para meu antigo prédio, ainda encontrarei marcas de minha antiga bicicleta no chão?

Mesmo que eu volte aos lugares de minha infância e adolescência, não descobrirei o que foi escrito nas páginas dos que ali habitavam; minha mente é que terá de reviver o momento e fingir um futuro. Imagino que essas pessoas nem sequer lembram-se de mim agora.

De qualquer forma, tem algumas pessoas que escreveram no meu livro que minha curiosidade será mais forte: não vou deixar de perder um só capítulo de suas vidas.

Comentários

  1. Gostei!! Você aborda a sociologia de um jeito reflexivo!! Muito legal!! c=

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

Dia Três: Walmart e Downtown Disney

Dia 15... de Setembro, sábado.

A dois meses atrás, na hora que estou escrevendo isso, contando o fuso-horário, eu estava me arrumando, ou tomando café ou pegando o táxi. Alguma coisa assim.

Nosso café da manhã nesse dia foi o resto da pizza da noite anterior. Estive refletindo sobre o assunto e, sim, nós jantamos uma pizza enorme e linda e sobrou mais um monte para o café da manhã (e foi o que comi). A pizza americana não é tão boa quanto a nossa, mas também não é ruim. É aceitável, digamos assim. Apesar de que em certo ponto da viagem eu já não aguentava mais olhar pra dita cuja.

Só que eu adoraria olhá-la agora, afinal, significaria que estou lá, entende? Ok, prometo que parei.

Enfim, pegamos um táxi na porta do hotel. Vou falar um pouco do hotel, já que não tem muito o que ficar falando do Walmart. Tinha uma sala "Arcade", mas acabamos nem entrando nela porque não deu tempo, no mesmo corredor que (uma das) a entrada do "restaurante" e também a loja (uma miniatura…

Chá de cadeira

Se não quer tomar um, não leia. Eu falei pacas kk
Já ouviu essa expressão, chá de cadeira? É quando você fica muito tempo sentado esperando alguma coisa. Pois é. Ontem experimentei as delícias (ou não) de um chá de cadeira.
Guarda isso na cabeçinha. Arquivou? Beleza, vamos continuar.
Sabe quando você assiste aquele filme ou série de médico (tipo House, haha, amo) e você pensa "cara, como será que é trabalhar aí?!". Não digo na série filme, digo no hospital. Eu já pensei muito isso. Seria bem legal experimentar um corre-corre de hospital, ver como é um corpo humano DE VERDADE, sem esquemas em livros, ver médicos, ter os conhecimentos de médicos... seria tudo! Mas medicina não é pra mim, sabe, é tenso ter a vida de uma pessoa nas suas mãos. Muita responsabilidade.
Agora, lembra do que você tinha arquivado, do chá de cadeira? Não lembra? Ok, lê o começo do post de novo pra lembrar. Lembrou? Ok, então vem comigo.
Ontem fui com minha mãe para o hospital porque ela não se sentia …