Pular para o conteúdo principal

Capítulos da Vida

Algumas pessoas me dão vontade de saber o que vem a seguir. Como um livro. Eu as olho e, depois, fico com uma eterna curiosidade para saber o que acontecerá com elas; só que, diferente de um livro, não tenho como ir para a próxima página e descobrir. Tenho que me contentar com uma simples sinopse, um pequeno parágrafo.

Lembro-me  de algumas que me trouxeram essa sensação. A primeira é o homem sentado na frente da vitrine de uma livraria, olhando os livros. Um mendigo. Não sei se estava chapado ou louco ou lúcido. Não li a introdução. Mas também não sei se algum dia alguém teve a bondade de perguntar-lhe se gostaria de um livro. Por que não? Ele pode ter sido um homem culto e importante que perdeu tudo, todas as suas páginas largadas em um canto para entupir bueiro; e então ele foi parar, afinal, em uma livraria, buscando o que perdeu e procurando o que estava por vir.

Uma história sem começo nem fim.

Outro episódio que me deixou com vontade de saber o que vem a seguir foi a mãe com a menininha, no ônibus. Eu estava no banco dos fundos e as vi subindo as escadas. A garotinha veio toda feliz e a mãe atrás, carregando a mochila, um cestinho e um presente. Entraram e sentaram-se em um banco. A menina entusiasmada com os presentes no cesto, a mãe conversando com ela... Imaginei que tivesse sido a festa de aniversário dela na escola. E então começou a chover, chover como se o céu estivesse devolvendo toda a água que as bocas secas precisavam. A mãe, com muita habilidade, pendurou a mochila de carrinho em um braço, segurou o cestinho com presentes em uma mão e desceu do ônibus, com a garotinha empoleirada no seu outro braço. Assim, foram mãe, filha e brinquedos apressadamente para casa.

Me pergunto o que aconteceu depois. Será que chegaram muito molhadas? Será que a menina iria passar a noite brincando com os presentes novos? Que será que a mãe fazia da vida? Me pergunto, também, se a menininha cresce saudável e se, quando fosse moça, iria querer brincar de passar batom com tanta frequência quanto no ônibus aquele dia, ou se gostaria de voltar no tempo e correr pela rua na chuva.

Será que as pessoas com quem brinquei por uma tarde na praia ou no playground ainda vão lá, ou será que perderam os velhos hábitos? Se eu for para meu antigo prédio, ainda encontrarei marcas de minha antiga bicicleta no chão?

Mesmo que eu volte aos lugares de minha infância e adolescência, não descobrirei o que foi escrito nas páginas dos que ali habitavam; minha mente é que terá de reviver o momento e fingir um futuro. Imagino que essas pessoas nem sequer lembram-se de mim agora.

De qualquer forma, tem algumas pessoas que escreveram no meu livro que minha curiosidade será mais forte: não vou deixar de perder um só capítulo de suas vidas.

Comentários

  1. Gostei!! Você aborda a sociologia de um jeito reflexivo!! Muito legal!! c=

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

Real Demais

Caminhou tremulamente até a ponta. Olhou para baixo e viu o mundo. Estava tão no alto, tão superior às pessoas e carros minúsculos lá embaixo... Até os outros prédios pareciam pequenos. Resolveu sentar-se.

Sua espinha congelava enquanto se movia lentamente, para sentar-se. Precisou forçar tanto sua coluna para baixo que sentiu que ela era um pedaço de gelo quebrando-se. Seu braço estava arrepiado. Ela odiava alturas.

Não poderia arriscar olhar para cima, porque seria tão ruim ou pior. A imensidão sobre sua cabeça lhe causava arrepios, principalmente estando sentada em um lugar tão... instável. Se desequilibraria mais facilmente ainda.

Ficou parada um tempo, decidindo para que ponto olhar. Percebeu que manter a cabeça reta e os olhos baixos não lhe trazia aquela sensação... horrível. A cabeça girava, tudo ficava preto, o coração acelerava...

Tum. Tum. Tum.

Ela se virou e revistou a mochila. Tirou algo de lá e, lentamente, esticou uma perna para baixo. Depois se arrastou para frente co…

Leite com Vodka

Sua bebida favorita sempre foi leite. Aquele líquido branco e um pouco denso, que bebês adoram. Bebia com tudo: chocolate, morango, groselha... Era um bebedor. Seus lanches não eram feitos sem leite. E se não o bebia, misturava em algum outro ingrediente. Sucrilhos, frutas batidas. Nutritivo da cabeça aos pés. O alimentava por dentro e ele consumia com orgulho.

Então cresceu. Você sabe, quando crescem eles mudam os interesses. Não mais desenhava os programas que via. Agora via apenas a parede do quarto e festas banhadas a vodka. Ah, a vodka. Virou sua bebida preferida, com toda certeza. Aquele cheiro forte no líquido transparente, que jovens usam para se mostrar descolados. Bebia com tudo: frutas batidas, sucos, refrigerantes, sem nada. Virava uma dose e outra. Descolado da cabeça aos pés, na moda, inteiramente parte do grupo.

Mas a vida não era só Leite ou Vodka. Pelo menos não mais. Foi em mais um dia de Vodka que a encontrou. Ela lhe sorriu e ele se aproximou. Parece que foi à …