Pular para o conteúdo principal

Tempestuosamente


Ploc, ploc, ploc.

Pisava no chão molhado com vontade, apressada. Se piorasse, não ficaria nada bonito.

Ploc, ploc, ploc, ploc.

Apressou-se. Faltavam tantos quarteirões. E ainda teria que passar por aquela enorme avenida sem árvores ou toldos que lhe cobrissem.

Ploc, ploc, ploc, ploc, ploc.

Começava a ofegar levemente. Tirou os óculos, para não molhá-los, e assim parou de enxergar. Colocou o capuz na cabeça, mas isso não pareceu melhorar em nada os pensamentos que zuniam em seu cérebro, como se ele fosse uma colmeia. As gotas de chuva escorriam-lhe pelo rosto como lágrimas.

Ploc, ploc, ploc, ploc, ploc, ploc.

E se tudo, afinal, desse errado? E se suas escolhas e fossem erradas? E se virasse a esquina errada na hora errada? Tinha tanto medo de errar o caminho em meio aquele aguaceiro... Decisões eram o pior que poderia ser forçada a fazer. Essa decisão implicaria em tudo na sua vida. O que estava fazendo agora era como um guia: tinha que saber interpretá-lo.

Ploc, ploc, ploc, ploc, ploc, ploc, ploc.

Mas que droga! Antes faltava tanto tempo, e agora já pareço tão perto, pensou. Chegou na grande avenida e agora tinha que ter o máximo de atenção para com onde estava indo. Começou a desacelerar e olhar ao redor, apertando os olhos (esse ato lhe apertava também o coração). Precisava decidir logo.

Ploc, ploc, ploc, ploc, ploc, ploc.

Afinal de contas, o que mesmo estava em jogo? Sua felicidade ou a dos outros? Seja lá o que seus amigos pensassem, ou sua família pensasse, o que importava era ela. Tão facilmente influenciada, não sabia mais o que queria. Seu misto de sentimentos a doía. Mas, por que não, simplesmente deixar acontecer?

Ploc, ploc, ploc, ploc, ploc.

Porque quem faria o seu futuro seria ela mesma. Se fosse para chegar ao topo ou ao fundo, não importava onde virasse, no fim chegaria lá. Ela e somente ela tem o poder. Então, porque ligava tanto?

Ploc, ploc, ploc, ploc.

Estava caminhando bem devagar agora. Abaixara o capuz (o cabelo? Que molhasse!). Colocou os óculos, que logo pareciam precisar de um pára-brisas. Mas nem se importou. Pela primeira vez em muito tempo enxergava maravilhosamente bem.

Ploc, ploc, ploc.

Seus passos agora estavam leves e descontraídos. Sabia a verdade agora, é claro. Andava desligada e seus pés a guiavam: que a levassem para onde quisesse.

Ploc, ploc.

Chegou, finalmente, a um complexo enorme com vários prédios. Imaginou que o outro teria sido ainda maior. Mas gostava de simplicidade. Afinal, estava andando na chuva. Percebeu que fazia muito tempo que não tomava chuva, e por um segundo aquilo pareceu-lhe belo.

Ploc.

Olhou para seu corpo e viu um casaco encharcado, uma mochila inundada e tênis ensopados. Deu de ombros. O máximo que aconteceria era alguém ter que secar o chão.

Um pequenino raio singelo de sol surgiu entre as nuvens. A garota entrou no prédio com a certeza de que, seja lá o que a esperasse, um belo entardecer ensolarado a esperaria na saída. Seria muito bom para se secar, pensou, depois daquela caminhada na chuva.




Comentários

  1. Matheus Vasconcellos: Me impressiona o fato da Lets conseguir fazer um fato do cotidiano tão simples pelo qual todos já passaram se tornar uma obra reflexiva desta magnitude, incrivel.
    P.S: Adorei a forma como você escreveu esse texto, ele cai na gente fazendo Ploc Ploc

    ResponderExcluir
  2. Let's muito bom. Um dia quero escrever tão bem assim como você. hehehe!! Nossa realmente faz refletir sobre nossas escolhas! Amei!!! Beeijinhos Camila

    ResponderExcluir
  3. Acho que eu posso dizer que cada vez que leio um texto da Lets, eu acabo crescendo. Eu tenho um jeito meio dfdramático e romântico de escrever, já a Lets traz um singelismo normal e ao mesmo tempo reflexivo. Pode ter certeza, eu irei comprar seus livros, devorá-los e se Deus quiser, crescer com você, trabalhar com você e dividir o pouco que eu tenho com o muito da sua arte. Beijos, Raay. Adoreeeei mesmo tooodos os textos *-*

    ResponderExcluir
  4. Math: Obrigada, adorei o "cai na gente fazendo ploc" *-*

    Camis: Obrigada, mesmo *-* me sinto honrada com você querer escrever como eu KKK

    Ray: Você acabou de acertar meu coração e fazê-lo derreter KKKK é muito importante pra mim ouvir (no caso ler) que meus textos fazem alguém crescer, de verdade. Você realmente não faz ideia. Também adoro sua escrita e espero de você tudo o que espera de mim hehe *-*

    Beijos yal, adoro vocês!


    Próximos leitores desse texto, aguardo seus comentários, irei respondê-los ;)

    ResponderExcluir
  5. Carolina Fortunato07/12/2011 16:30

    Eu comecei a ler esse blog com a indicação da Rayanne *-* , e eu to A-M-A-N-D-O ! em especial esse texto que é um dos meus favoritos ! adorei como você escreveu sobre esse assunto , me fez refletir muito sobre as minhas decisões , hahahh. Muito sucesso pra você ! beijos :*

    ResponderExcluir
  6. Carolina, muito obrigada! É legal saber que fiz você refletir :D Obrigada, de coração, continue vindo aqui se puder ;)

    ResponderExcluir
  7. Das minhas palavras dois anos atrás, nada mudou. Engraçado né? Contudo, muito bom!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

As Bolhas

Sigo uma filosofia de olhar todos como neutros. Cada dia, as pessoas são uma coisa. De vez em quando, bolhas de sabão. Outras vezes, são todos bonecos de papelão.
Não importa a figura do dia, todos são idênticos à minha frente.
Não os vejo assim porque penso em um mundo massificado onde todos são iguais, dominados e alienados. Nada disso. Mesmo porque, de qualquer forma, já vivemos mais ou menos assim.
Os vejo como bolhas de sabão porque sei que é o certo a se fazer. Enquanto não conhecer a pessoa, ela é uma bolha. Dentro há uma infinidade de curiosidades para se descobrir. Quando a bolha estoura descubro o nome e, depois, a pessoa em si. Como ela é, o que pensa, o que gosta.
E, ainda assim, mesmo depois de a bolha estourar, tenho em mente que todos fomos bolhas. Eu era a bolha dele, ele a minha, nós dois a sua.
Escolhi bolhas porque elas são simplesmente redondas, de sabão e ar, e flutuam por aí, iguais, livres. Mas todas têm um brilho especial ao sol e um quê de diversão... Quem não gost…

À Luz da Manhã

Para Matheus e João.
Ouça. Crescer é como correr descalço na areia. Os pequenos grãos tocam sua pele e você sente, mesmo com a maciez do movimento ou o impacto suave, a aspereza do solo. A sensação é incômoda, mas ao mesmo tempo libertadora. Você para, então, e olha ao redor. Olha as marcas de seu pé no caminho que fez e o modo como, em alguns momentos, eles foram suaves e quase imperceptíveis e, em outros, foram largos e espalhafatosos. Você olha para o outro lado e vê o quanto ainda há para ser marcado. O som do oceano chega aos seus ouvidos e a brisa sopra seus cabelos e você sorri: está bem ali, entre onde já correu e para onde ainda vai correr. Mas, no fim, você só quer sentir seus pés afundando na areia enquanto o mar sopra sua canção ao vento.
Crescer é como subir uma colina de grama verde molhada pelo orvalho da manhã. Você quer saber, mais do que tudo, o que há do outro lado: serão montanhas ou vales? Serão córregos ou lagos? Que tipos de árvores haverão para serem escaladas? …

Sobre os meses sem novas postagens

Estudar é difícil. Você tem que usar seu tempo para isso e acaba não dando a atenção que devia para as outras coisas da sua vida, no meu caso, a escrita. E meu blog.

Então, o motivo para meu sumiço absoluto é esse (além de alguns acontecimentos no meio do caminho que sugaram minha força de vontade). Porém, estou ajeitando o caminho para voltar, talvez não com tudo ainda, mas voltar.

Preparem-se, "Letícia is coming".

Dentro em breve novas postagens, algumas de alguns textos escritos ao longo do ano e outras de textos escritos agora. E é isso aí.

Obrigada pela atenção!