Pular para o conteúdo principal

Desejo de Aniversário


Uma vela solitária queima sobre a cobertura de chocolate. Ao redor, estalos e vozes entoam uma canção. Mas o momento é dela, parada ali, curvada para a vela. Dizem "faça um pedido!". Que pedir, afinal?

"Peço um bom ano?", ela pensa. "Peço sabedoria, criatividade, maturidade, força, saúde, dinheiro...? Peço ajuda para minhas decisões? Peço paciência para com aqueles que me tiram ela? Peço coragem para enfrentar meus desafios? Peço paz de espírito? Peço sorte no amor? Peço mais sorrisos? Que tal pedir menos lixo nas ruas, menos árvores cortadas, menos águas poluídas, menos animais mortos? Menos pessoas sofrendo, menos pessoas morrendo de fome, menos violência... Que tal pedir menos maldade?"

Um suspiro. Parece tão egoísta desejar algo para si, quando tem gente precisando mais do que você de um desejo.

Como se outra vela se acendesse em sua cabeça, ela tem uma ideia. "Assopre logo", lhe dizem.

Fecha os olhos, para que a mágica funcione melhor. Assopra e pensa "que o desejo bom de todas as pessoas boas se torne real".

Quando abre os olhos, sente-se leve e feliz e todas aquelas pessoas ao seu redor sorriem para ela, felizes. Ela parte o bolo, reforçando o pedido, e separa o primeiro pedaço para... "Você!" e entrega para o amigo que adora bolos. Seus olhos brilham e ele diz "você não tem ideia de como eu queria comer esse bolo!".

Ela sorri e, cortando mais pedaços e dando para mais pessoas, ela nem sente o peso dos dezoito anos e tudo o que a idade traz junto. Parecia só mais um dia despreocupado com seus amigos e familiares.

Talvez a vela estivesse começando a funcionar.


Feliz aniversário para mim! Obrigada a você, leitor que compartilhou comigo mais esse ano de vida!

Comentários

  1. Parabéns pelo teu niver!Felicidades SEMPRE!! E ótimo 2012! beijos,chica

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

À Luz da Manhã

Para Matheus e João.
Ouça. Crescer é como correr descalço na areia. Os pequenos grãos tocam sua pele e você sente, mesmo com a maciez do movimento ou o impacto suave, a aspereza do solo. A sensação é incômoda, mas ao mesmo tempo libertadora. Você para, então, e olha ao redor. Olha as marcas de seu pé no caminho que fez e o modo como, em alguns momentos, eles foram suaves e quase imperceptíveis e, em outros, foram largos e espalhafatosos. Você olha para o outro lado e vê o quanto ainda há para ser marcado. O som do oceano chega aos seus ouvidos e a brisa sopra seus cabelos e você sorri: está bem ali, entre onde já correu e para onde ainda vai correr. Mas, no fim, você só quer sentir seus pés afundando na areia enquanto o mar sopra sua canção ao vento.
Crescer é como subir uma colina de grama verde molhada pelo orvalho da manhã. Você quer saber, mais do que tudo, o que há do outro lado: serão montanhas ou vales? Serão córregos ou lagos? Que tipos de árvores haverão para serem escaladas? …

Dia Três: Walmart e Downtown Disney

Dia 15... de Setembro, sábado.

A dois meses atrás, na hora que estou escrevendo isso, contando o fuso-horário, eu estava me arrumando, ou tomando café ou pegando o táxi. Alguma coisa assim.

Nosso café da manhã nesse dia foi o resto da pizza da noite anterior. Estive refletindo sobre o assunto e, sim, nós jantamos uma pizza enorme e linda e sobrou mais um monte para o café da manhã (e foi o que comi). A pizza americana não é tão boa quanto a nossa, mas também não é ruim. É aceitável, digamos assim. Apesar de que em certo ponto da viagem eu já não aguentava mais olhar pra dita cuja.

Só que eu adoraria olhá-la agora, afinal, significaria que estou lá, entende? Ok, prometo que parei.

Enfim, pegamos um táxi na porta do hotel. Vou falar um pouco do hotel, já que não tem muito o que ficar falando do Walmart. Tinha uma sala "Arcade", mas acabamos nem entrando nela porque não deu tempo, no mesmo corredor que (uma das) a entrada do "restaurante" e também a loja (uma miniatura…