Pular para o conteúdo principal

Resenha: Lobo Alfa - Helena Gomes

Tive a alegria de conhecer a autora do livro, Helena Gomes. Ela foi no meu colégio e pude conversar com ela sobre escrita e tudo o mais. Porém, isso foi antes de eu ler qualquer livro dela, o que me deixa muito triste por não poder falar pessoalmente minhas impressões sobre esse livro.

O primeiro ponto importante pra ressaltar: Santos aparece na história. E como eu sou de Santos, foi maravilhoso imaginar todos aqueles personagens em lugares que eu realmente conheço. Além disso, adoro como ela critica os americanos e sua geografia falha (por exemplo, brasileiros falam espanhol e Buenos Aires é no Brasil).

Mas, sobre o livro, quando comecei a ler não estava dando tanto pela história. Lobisomens, grande coisa, tem muito disso por aí. Só que, de repente, Helena mexe o tapete e nós tropeçamos em um pequeno mistério; depois, quando você acha que já está tudo certo e vai ser aquilo mesmo, ela coloca outra coisa na nossa frente e nós quase caímos. Ela adiciona obstáculos e mais obstáculos e nós ficamos nessa montanha-russa de místério e resolução até um ponto em que eu pensei “pronto, agora acabou né?”.

Não tinha acabado.


Isso é muito bom, porque prende o leitor e faz com que ele queira engolir o livro, no seu desespero em saber o que raios está acontecendo.

Além do ritmo eletrizante, Helena criou personagens super carismáticos e nos faz sentir a repulsa, a simpatia, a dúvida e todos os outros sentimentos possíveis para com eles (além de puxar o tapete em alguns personagens, também; um em particular deu um puxão tão forte que eu caí de boca).

E tem toda a parte fantástica, que foi muito bem desenvolvida. Sai do clichê e tem um fundamento muito bom, sem ser absurdo ou manchar a imagem dos lobos originais, por exemplo.

A pesquisa dela foi realmente boa. Não podia ser diferente, já que ela me disse pessoalmente que pesquisava para escrever e que isso é uma parte importante da criação.

O livro é muito bom, tem comédia, leve romance (pode-se dizer sem nada de melodrama, bem realista e sobre determinado casal é até quente), muita ação, sangue na dose certa (a descrição do legista sobre os cadáveres é incrível e nauseante), mitologia e todo o resto.

Recomendo para quem gosta de histórias fantásticas e queira, também, prestigiar autores brasileiros.

Comentários

  1. Oi Le, tudo bem? Acabei de ler esse livro e amei, vir sua resenha no Skoob e é por isso que estou aqui, parabéns pela resenha bem escrita e por contar perfeitamente o que ser passa na estória sem dar nenhum spoiler. Queria ter conhecido a autora assim como você conheceu :( . Bom amei o livro, só fiquei confuso com esse final, dar para ter uma continuação, você não acha? . Bjs -Vinicus Alves- Fortaleza das Letras

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Vinicius, como vai? Muito obrigada pela visita ao blog, primeiramente. E fico feliz que tenha gostado da resenha, significa muito. O livro é muito bom, não é? Então, tem uma continuação sim, chama-se Código Criatura (ainda não li, mas pretendo ler logo). Bjs

      Excluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…