Pular para o conteúdo principal

Uma Aula Sabor Café

Tive uma revelação para mim mesma de como o tempo passou e como foi rápido. Tenho certas lembranças que me parecem tão recentes mas que já se passaram a tanto tempo. Me lembro de como era olhar para pessoas do meu tamanho agora, quando era menor. Os via quase como Deuses. Hoje me vejo comum, sem nada demais; hoje eu recebo esses olhares. Parece até coisa de roleta, girando e girando...

Certa vez, esse ano, em uma reunião do clube de escrita no colégio foi dado como tema "leite com vodka". Usei leite como metáfora para a infância e a vodka para a adolescência. E então deixei em aberto o que viria a seguir. O grupo concluiu que seria café (mais tarde eu concluiria que, após o café viria o chá).

Então nessa fase em que estou vivo uma transição. É o fim de uma era, o começo de outra. Vou para o café. Sinto (como todos que estão nessa fase) uma expectativa e um medo angustiantes. Somos forçados a escolher o nosso futuro e tememos o que pode estar por vir. E, mais ainda, tememos não poder levar algo que temos conosco.

Nesse caminho para o fim de ano tirei fotos com meus professores de ciências naturais (como diria o ENEM), no que foi nosso último laboratório. Senti, depois, uma desolação incrível. Estava com os dias de despedida contados. A vinda dessa fase nova estava se aproximando. 

Algo que sei que ficará é o meu aprendizado. Tudo o que aprendi (não só nos livros, mas na vida e com meus amigos) será útil para o que terei que viver ainda e muito importante para me definir como pessoa. Algo que sei que virá é a realização dos meus sonhos. Acho que sou esses sonhos.

E se esse texto é uma autobiografia desse ano ou um epitáfio dessa fase, não importa. Se é uma autobiografia, fala do resultado de todas as coisas que coletei durante a vida até agora, uma aula. Se é epitáfio, finaliza essa fase para começar outra. Epitáfios não precisam ser só para a morte; podem ser um retrato de algo que se acabou. 

Esse ano encontrei muitos epitáfios. Muitas coisas que me acompanharam desde a infância parecem ter ido embora. Então está na hora de terminar essa parte do livro e começar uma nova. Meu epitáfio é um presente para todos aqueles que participaram do que vivi e que fizeram da minha aula de leite e vodka mais felizes. Espero agora pela aula sabor café.

Comentários

Postagens mais visitadas

Chá de cadeira

Se não quer tomar um, não leia. Eu falei pacas kk
Já ouviu essa expressão, chá de cadeira? É quando você fica muito tempo sentado esperando alguma coisa. Pois é. Ontem experimentei as delícias (ou não) de um chá de cadeira.
Guarda isso na cabeçinha. Arquivou? Beleza, vamos continuar.
Sabe quando você assiste aquele filme ou série de médico (tipo House, haha, amo) e você pensa "cara, como será que é trabalhar aí?!". Não digo na série filme, digo no hospital. Eu já pensei muito isso. Seria bem legal experimentar um corre-corre de hospital, ver como é um corpo humano DE VERDADE, sem esquemas em livros, ver médicos, ter os conhecimentos de médicos... seria tudo! Mas medicina não é pra mim, sabe, é tenso ter a vida de uma pessoa nas suas mãos. Muita responsabilidade.
Agora, lembra do que você tinha arquivado, do chá de cadeira? Não lembra? Ok, lê o começo do post de novo pra lembrar. Lembrou? Ok, então vem comigo.
Ontem fui com minha mãe para o hospital porque ela não se sentia …

A Música da Estrada

Lá estava ele novamente na estrada, caminhando tranquilamente e olhando ao redor. Na mão a maleta com o seu melhor amigo e companheiro de profissão: o violão. Não era nada demais, não. A marca não era daquelas mais caras e já não era tão novo. Mas cuidava tão bem do dito cujo... Sentava-se e limpava-o, afinava-o, olhava com paixão. Era o filho dele, a mulher de sua vida, seu pai, seu irmão. Era o mundo em suas mãos, ao seu comando.

Espera... Eu disse que o violão estava ao seu comando? Ah, nem o músico sabia quem comandava o que ali. Quando começavam com uma nota e não paravam nunca mais, ele tinha bastante certeza de que era um trabalho no qual os dois pensavam juntos.

O músico mandava apenas no caminho, pois era ele que tinha as pernas. E, sendo assim, escolhia as platéias. Tive sorte de ser uma delas. Caminhava, apenas, disseminando seu dom. Ensinava uns aqui e outros ali. Nunca parava. Diziam a ele que iria explodir se continuasse assim. Mas era do que ele vivia e do que gostav…

Hoje é o Seu Dia, Que Dia Mais Feliz!

Muita gente critica festas de crianças. Pessoalmente, acho que há mais para se elogiar do que para se criticar. Veja bem, quem não gosta de uma boa e velha bolinha de queijo? Tudo bem, velha talvez não (sabe, porque comer coisa mofada não é bom, confie em mim), mas ela é boa, muito boa. Festa de criança sempre tem essas comidas gostosas e elas fazem valer a pena.

Sempre que a festa é em buffet tem um determinado brinquedo legal que adulto pode ir. E aí é a hora de todo mundo que já passou da idade se juntar e usar o brinquedo, gritando e fazendo a maior bagunça. Um desses é o "la bamba", um hit da atualidade, um disco com cadeiras onde as pessoas sentam e ficam girando repetidamente. Acredite, é divertido. Claro que, criança ou adulto, alguém sempre tenta surfar e é aí que vemos uma criatura rolando pelo chão do brinquedo enquanto um monte de outras criaturas riem da cara do pobre coitado. Pois é.

E, pra finalizar, os doces. Ah, esperar as quatro horas, o parabéns com direit…