Pular para o conteúdo principal

Uma Aula Sabor Café

Tive uma revelação para mim mesma de como o tempo passou e como foi rápido. Tenho certas lembranças que me parecem tão recentes mas que já se passaram a tanto tempo. Me lembro de como era olhar para pessoas do meu tamanho agora, quando era menor. Os via quase como Deuses. Hoje me vejo comum, sem nada demais; hoje eu recebo esses olhares. Parece até coisa de roleta, girando e girando...

Certa vez, esse ano, em uma reunião do clube de escrita no colégio foi dado como tema "leite com vodka". Usei leite como metáfora para a infância e a vodka para a adolescência. E então deixei em aberto o que viria a seguir. O grupo concluiu que seria café (mais tarde eu concluiria que, após o café viria o chá).

Então nessa fase em que estou vivo uma transição. É o fim de uma era, o começo de outra. Vou para o café. Sinto (como todos que estão nessa fase) uma expectativa e um medo angustiantes. Somos forçados a escolher o nosso futuro e tememos o que pode estar por vir. E, mais ainda, tememos não poder levar algo que temos conosco.

Nesse caminho para o fim de ano tirei fotos com meus professores de ciências naturais (como diria o ENEM), no que foi nosso último laboratório. Senti, depois, uma desolação incrível. Estava com os dias de despedida contados. A vinda dessa fase nova estava se aproximando. 

Algo que sei que ficará é o meu aprendizado. Tudo o que aprendi (não só nos livros, mas na vida e com meus amigos) será útil para o que terei que viver ainda e muito importante para me definir como pessoa. Algo que sei que virá é a realização dos meus sonhos. Acho que sou esses sonhos.

E se esse texto é uma autobiografia desse ano ou um epitáfio dessa fase, não importa. Se é uma autobiografia, fala do resultado de todas as coisas que coletei durante a vida até agora, uma aula. Se é epitáfio, finaliza essa fase para começar outra. Epitáfios não precisam ser só para a morte; podem ser um retrato de algo que se acabou. 

Esse ano encontrei muitos epitáfios. Muitas coisas que me acompanharam desde a infância parecem ter ido embora. Então está na hora de terminar essa parte do livro e começar uma nova. Meu epitáfio é um presente para todos aqueles que participaram do que vivi e que fizeram da minha aula de leite e vodka mais felizes. Espero agora pela aula sabor café.

Comentários

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…