Pular para o conteúdo principal

Sobre o capô


Não sou do tipo romântico. Mas aquela noite estrelada, quando o carro quebrou e nós simplesmente sentamos sobre o capô e olhamos o céu, foi a cena perfeita dos meus sonhos. Neles, você parecia relaxado e eu tensa; você apontava estrelas cadentes e eu fazia desejos seguidos sobre você...

Me abrace.
Me olhe.
Sorria para mim.
Me beije.
Me ame.

Sorria interiormente a cada vez que você e eu trocávamos palavras sobre seja lá o que for. Naquela noite eu queria ser algo seu que nunca tive intenção de ser. Eu não sabia se gostaria ou não disso no futuro.

Mas naquela noite eramos só nós dois e as estrelas nos iluminando fracamente. E naquela noite eu não ligava.

Pena que aquilo não era um dos meus sonhos. Pena que as estrelas não estivessem me ouvindo realmente.

O máximo que chegarei de você será a distância de uma palma da mão, sobre o capô, com tantas estrelas refletidas entre nós. Um universo inteiro separando o que nunca deveria ser.

As vezes eu sinceramente me sinto grata por ser assim.




Comentários

  1. Já viu a promoção que ta rolando solta no blog O Leitor?
    Ainda não?
    Então corre, que até o dia 05 de Fevereiro você ainda pode concorrer a um dos 6 livros que estão sendo sorteados.
    Beijos e espero você lá,

    Pamela.

    ResponderExcluir
  2. Oi, tudo bem?
    O Refúgio das Palavras começa 2012 com grandes novidades, já viu?
    http://iasmincruz.blogspot.com/2012/01/novidades.html
    Tenha uma ótima noite.

    ResponderExcluir
  3. Muito bacana seu texto ! Parabéns :D
    seguindo vc !

    http://pensamentosflutuaam.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Oi!

    Tem um selinho pra você no meu blog!

    Beijos,

    Ana Carolina
    http://palavrasonhada.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Eu odeio gripe

Sabe, eu poderia falar de muitas coisas. Poderia falar do aquecimento global, das eleições, das pessoas babacas... Mas não.

Vou falar da minha garganta.

Porque estava indo tudo bem. O frio estava chegando sem nariz escorrendo, garganta inflamada ou coisa assim. Eu ia montar um altar pra alguém (não sei quem, mas ia) em comemoração a isso, porque é um milagre eu não ter ficado com absolutamente nenhuma marca da mudança de tempo.

Mas então hoje, do nada, minha garganta ficou irritada.

Sabe quando fica difícil de engolir, coça, e parece que você poderia tossir para sempre? É assim minha situação agora.

Eu, pessoalmente, acho que é castigo. Porque, mentalmente, "caçoei" das pessoas que tinham ficado assim. Não foi bem um "ahaha, você está doente e eu não". Na verdade foi mais um "nossa, ele tá doente e eu tô na boa!".

E agora aqui estou.

E, sabe o mais cômico? Tá um frio do caramba e a única coisa que alivia minha garganta (comprovado por mim mesma ao longo do…

Real Demais

Caminhou tremulamente até a ponta. Olhou para baixo e viu o mundo. Estava tão no alto, tão superior às pessoas e carros minúsculos lá embaixo... Até os outros prédios pareciam pequenos. Resolveu sentar-se.

Sua espinha congelava enquanto se movia lentamente, para sentar-se. Precisou forçar tanto sua coluna para baixo que sentiu que ela era um pedaço de gelo quebrando-se. Seu braço estava arrepiado. Ela odiava alturas.

Não poderia arriscar olhar para cima, porque seria tão ruim ou pior. A imensidão sobre sua cabeça lhe causava arrepios, principalmente estando sentada em um lugar tão... instável. Se desequilibraria mais facilmente ainda.

Ficou parada um tempo, decidindo para que ponto olhar. Percebeu que manter a cabeça reta e os olhos baixos não lhe trazia aquela sensação... horrível. A cabeça girava, tudo ficava preto, o coração acelerava...

Tum. Tum. Tum.

Ela se virou e revistou a mochila. Tirou algo de lá e, lentamente, esticou uma perna para baixo. Depois se arrastou para frente co…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…