Pular para o conteúdo principal

Real Demais


Caminhou tremulamente até a ponta. Olhou para baixo e viu o mundo. Estava tão no alto, tão superior às pessoas e carros minúsculos lá embaixo... Até os outros prédios pareciam pequenos. Resolveu sentar-se.

Sua espinha congelava enquanto se movia lentamente, para sentar-se. Precisou forçar tanto sua coluna para baixo que sentiu que ela era um pedaço de gelo quebrando-se. Seu braço estava arrepiado. Ela odiava alturas.

Não poderia arriscar olhar para cima, porque seria tão ruim ou pior. A imensidão sobre sua cabeça lhe causava arrepios, principalmente estando sentada em um lugar tão... instável. Se desequilibraria mais facilmente ainda.

Ficou parada um tempo, decidindo para que ponto olhar. Percebeu que manter a cabeça reta e os olhos baixos não lhe trazia aquela sensação... horrível. A cabeça girava, tudo ficava preto, o coração acelerava...

Tum. Tum. Tum.

Ela se virou e revistou a mochila. Tirou algo de lá e, lentamente, esticou uma perna para baixo. Depois se arrastou para frente com a outra. Ergueu aquela caixa preta e apertou um botão.

Deitou-se para trás, ofegante, largando a câmera de lado.

- Deixe-me ver! - pediu o rapaz que apareceu atrás dela - Uau, fantástico! Você foi genial com essa foto! - depois de uma breve pausa, olhou-a - Minha nossa! Está branca! Tem medo de altura? Eu não sabia, senão  poderíamos ter avisado o professor...

O rapaz ajudou-a a se levantar. Ela mantinha os olhos bem fechados. Era tão frustrante! Já tinha feito coisas tão piores e normalmente não tinha tanto medo assim de alturas. Muito menos...

- Seria legal uma foto de alguém caindo. Ou do ponto de vista de alguém que está caindo. - disse o rapaz, ao seu lado.

Um segundo depois, uma câmera foi colocada em suas mãos e ela foi puxada para a beirada novamente. O rapaz pegou outra câmera e disse:

- Você aguenta ficar aí parada na pontinha?

Não teve tempo, o garoto pareceu decidir por ela.

O vento zuniu enquanto tudo virava um borrão e seu dedo apertava o botão da câmera. Montes de fotos. Sentia-se cada vez mais perto do chão. Não via sua vida diante de seus olhos. Via apenas o rapaz com a câmera, fotografando de cima.

Então um chão macio tocou suas costas.




- Perfeito! - berrou o rapaz de cima de uma escada que imitava um prédio. Desceu os degraus e foi puxá-la. - Essa maquete é realmente muito real, não acha?
- Sim. Real demais.



Para a Aliane Soares, que gosta de se aventurar assim. 

Comentários

  1. LInda tua participação.Adorei o enfoque!!beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Por que tão amável?
    Adorei, parabéns, continue assim, etc etc etc.
    Me sinto lisonjeada de poder ser citada no seu blog ou de ter fotos minhas por aqui. Espero que saiba que pode pegar quantas você quiser.
    Orgulho de te chamar de melhor amiga. <3

    ResponderExcluir
  3. Parabéns leeh, delicia de texto! continue assim e o curso de letras só irá te ajudar,amei.*-* bjs, quel.

    ResponderExcluir
  4. Uma verdadeira obra de arte! Parabéns ao (a) autor(a)!
    Fantástico!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…