Pular para o conteúdo principal

Televisão


Me é curioso como um número considerável de pessoas dizem que a televisão é coisa do demônio, outras que faz lavagem cerebral, mais outras que ela aliena e outras tantas que ela isola. Eu discordo de todos. Primeiro porque não acredito no demônio (e esse assunto não vem ao caso); sobre ela fazer lavagem cerebral, alienar e isolar... tá, em vários casos é isso mesmo. Só que posso te dar várias razões para você assistir a televisão.

Primeiro, tem os programas educativos que a maioria odeia. Mas eles são bem bacanas, pra falar a verdade. Mas também não é sobre eles que eu quero falar. Quero falar sobre como o mais singelo dos programas pode mudar um pouco o seu mundo.

Essa manhã sentei-me no sofá, sonolenta e cansada de fazer nada. Era uma visita, mas podia me sentir em casa pois estava na minha tia-avó. Junto comigo, sentaram-se meus primos, André e Pedro, que estavam cansados de pensar e correr, respectivamente.

A televisão estava ligada em um canal imensamente criticado pelos anti-televisão, passando programas imensamente elogiados pelo público infanto-juvenil da minha época para cima (no sentido dos anos noventa para agora, caso você não tenha compreendido). Os dois pequenos que escolheram.

Assistimos silenciosamente o primeiro desenho. Eu conseguia enumerar centenas de erros no programa e não foi surpreendente que o Pedro conseguisse também.

Mas a porcaria do desenho é tão legal! Já vejo ele passando daqui alguns anos e ao invés de meus primos, seremos nós três e nossos filhos assistindo. É um clássico.

Depois veio uma série. Bem bobinha e inocente, super engraçada e inteligente. Rimos muito.

Conversamos sobre gostos em comum. Programas que eu assistia todos os dias e que parei só por falta de tempo e que agora eles assistem. Comentamos sobre os apresentadores serem iguais ao Bieber e a Jennette McCurdy (ela só conhecemos nós e a galera da nossa idade).

O momento foi bonito, apesar de ser uma das coisas mais triviais do dia-a-dia. Os primos de idades tão diferentes compartilhando algo. Eu voltei a ser criança e, quem sabe, eles não tenham crescido um pouquinho também. Não precisei de uma brincadeira de criança pra virar uma... a televisão acabou fazendo isso. Então, acho que ela não pode ser tão má assim. E, certamente, ela não nos isolou, muito pelo contrário.

Enfim, se você não se convenceu, vá a um bar no próximo jogo do seu time favorito ou sente-se em um cafezinho com as amigas para comentar a novela... Entendeu agora?

Comentários

Postagens mais visitadas

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cri…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

À Luz da Manhã

Para Matheus e João.
Ouça. Crescer é como correr descalço na areia. Os pequenos grãos tocam sua pele e você sente, mesmo com a maciez do movimento ou o impacto suave, a aspereza do solo. A sensação é incômoda, mas ao mesmo tempo libertadora. Você para, então, e olha ao redor. Olha as marcas de seu pé no caminho que fez e o modo como, em alguns momentos, eles foram suaves e quase imperceptíveis e, em outros, foram largos e espalhafatosos. Você olha para o outro lado e vê o quanto ainda há para ser marcado. O som do oceano chega aos seus ouvidos e a brisa sopra seus cabelos e você sorri: está bem ali, entre onde já correu e para onde ainda vai correr. Mas, no fim, você só quer sentir seus pés afundando na areia enquanto o mar sopra sua canção ao vento.
Crescer é como subir uma colina de grama verde molhada pelo orvalho da manhã. Você quer saber, mais do que tudo, o que há do outro lado: serão montanhas ou vales? Serão córregos ou lagos? Que tipos de árvores haverão para serem escaladas? …