Pular para o conteúdo principal

Televisão


Me é curioso como um número considerável de pessoas dizem que a televisão é coisa do demônio, outras que faz lavagem cerebral, mais outras que ela aliena e outras tantas que ela isola. Eu discordo de todos. Primeiro porque não acredito no demônio (e esse assunto não vem ao caso); sobre ela fazer lavagem cerebral, alienar e isolar... tá, em vários casos é isso mesmo. Só que posso te dar várias razões para você assistir a televisão.

Primeiro, tem os programas educativos que a maioria odeia. Mas eles são bem bacanas, pra falar a verdade. Mas também não é sobre eles que eu quero falar. Quero falar sobre como o mais singelo dos programas pode mudar um pouco o seu mundo.

Essa manhã sentei-me no sofá, sonolenta e cansada de fazer nada. Era uma visita, mas podia me sentir em casa pois estava na minha tia-avó. Junto comigo, sentaram-se meus primos, André e Pedro, que estavam cansados de pensar e correr, respectivamente.

A televisão estava ligada em um canal imensamente criticado pelos anti-televisão, passando programas imensamente elogiados pelo público infanto-juvenil da minha época para cima (no sentido dos anos noventa para agora, caso você não tenha compreendido). Os dois pequenos que escolheram.

Assistimos silenciosamente o primeiro desenho. Eu conseguia enumerar centenas de erros no programa e não foi surpreendente que o Pedro conseguisse também.

Mas a porcaria do desenho é tão legal! Já vejo ele passando daqui alguns anos e ao invés de meus primos, seremos nós três e nossos filhos assistindo. É um clássico.

Depois veio uma série. Bem bobinha e inocente, super engraçada e inteligente. Rimos muito.

Conversamos sobre gostos em comum. Programas que eu assistia todos os dias e que parei só por falta de tempo e que agora eles assistem. Comentamos sobre os apresentadores serem iguais ao Bieber e a Jennette McCurdy (ela só conhecemos nós e a galera da nossa idade).

O momento foi bonito, apesar de ser uma das coisas mais triviais do dia-a-dia. Os primos de idades tão diferentes compartilhando algo. Eu voltei a ser criança e, quem sabe, eles não tenham crescido um pouquinho também. Não precisei de uma brincadeira de criança pra virar uma... a televisão acabou fazendo isso. Então, acho que ela não pode ser tão má assim. E, certamente, ela não nos isolou, muito pelo contrário.

Enfim, se você não se convenceu, vá a um bar no próximo jogo do seu time favorito ou sente-se em um cafezinho com as amigas para comentar a novela... Entendeu agora?

Comentários

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

Saudade

Saudade.

Saudade de palavras. Saudade de sonhos. Saudade de segurar em uma caneta e caçar palavras para compor sonhos. Saudade de ver as palavras e sonhos de outros.

Saudade.

Saudade de ânimo. Saudade de aprender. Saudade de aprender com ânimo, todos os dias, dia após dia. De sentir paixão pelo que se aprende.

Saudade.

Saudade de acordar. Saudade de sentir. Saudade de acordar e sentir que há muito para se ver. De então ver a vida e senti-la.

Mas a maior saudade é de quando não havia cansaço. Este cansaço de tudo. E desejar que passe, e desejar que escoe. Para que então voe de volta para o que se tem saudade.

Saudade, por fim, de quando o mundo não era cansado e feio, mas sim feito... de sonhos, palavras e paixões... e do ânimo exuberante que tocava cada alma que nele habitava.

Saudades...

Sobre os meses sem novas postagens

Estudar é difícil. Você tem que usar seu tempo para isso e acaba não dando a atenção que devia para as outras coisas da sua vida, no meu caso, a escrita. E meu blog.

Então, o motivo para meu sumiço absoluto é esse (além de alguns acontecimentos no meio do caminho que sugaram minha força de vontade). Porém, estou ajeitando o caminho para voltar, talvez não com tudo ainda, mas voltar.

Preparem-se, "Letícia is coming".

Dentro em breve novas postagens, algumas de alguns textos escritos ao longo do ano e outras de textos escritos agora. E é isso aí.

Obrigada pela atenção!