Pular para o conteúdo principal

O Soldado e a Menina


Sentado. O mundo se esvai ao seu redor, mesmo porque parece que não há mais mundo. Peso em suas costas e coração. Era um assassino. Era vítima. Era um peão. Por que devia ser colocado naquele tabuleiro sem propósito?

Mas ele não podia pensar assim. Devia honrar a pátria, honrar sua missão. Se na morte houvesse honra, certamente não seria este o tipo de honra que ele poderia querer.

Fora criado para odiá-los. E odiava, todos. Os que devia mirar e os que o mandavam mirar. Mas só odiava os segundos pelo que fora obrigado a fazer.

O outro rapaz estava agonizando. Olhos que imploravam pela morte se voltaram para o soldado; o que mais poderia fazer?

Matou um amigo.

Sentou-se, sem ar, em um lugar afastado. Depois de sujar as mãos com este sangue, percebeu com quanto sangue já estava sujo. Percebeu que estava no lugar errado. Percebeu que não havia mundo...

Uma garotinha se aproximou. Olhar assustado, pés descalços, mãos tremiam levemente.

Assustado no assustado, verde no preto, medo no medo. Os olhos se encontraram. Ofegaram.

O soldado não fez esforço para pegar a arma que tinha deixado ao lado do corpo. Era só uma menina, tão assustada quanto ele. Ela, por sua vez, avançou mais um passo.

- Entende o que digo? - perguntou o sodado.
- Um pouco.
- Vem cá... - a garota hesitou - venha, não vou te fazer mal.

Ela se aproximou lentamente. Dava pra ver uma travessura espiando pela beirada dos seus lábios.
Ele colocou a mão no bolso e tirou um biscoito. Esticou para a menina, que encarou o agrado como se fosse algo feio mas fantástico.

- Pega.

Pegou.

- Você é legal. - disse ela de boca farinhenta. Os olhinhos brilhavam de curiosidade.
- É claro que sou. - o soldado murmurou.
- Os outros homens de verde não são assim. Eles não sorriem e não têm biscoito.
- Se me olhar no rosto vai ver as tristes marcas no sorriso...
- Como?
- Já vi muita coisa ruim, criança. Meu sorriso está manchado.
- Eu também já vi. Mas ainda sorrio... quando olho para os animais brincando, para flores brotando, para biscoitos de homens de verde...

O rapaz sorriu para a menina, com olhos tristes. Gostaria de ter os olhos de uma criança de novo.

- Como funciona isso aí? - a garotinha apontou a arma.
- Ah, essa aqui - disse o soldado rindo, pegando-a. Explicou-lhe uma história fantástica. Contou sobre sua vida sem sentido em casa, que parecia ter mais sentido que a vida agora. Ela contou suas brincadeiras e aventuras.

Eles riram. O mundo explodia em fogo, lá fora, mas para eles era só risos. As vezes um não entendia o que o outro dizia, mas, quem se importa? Eram peões de um tabuleiro triste de sangue, o soldado e a menina. Acabavam de desistir de jogar.






Comentários

  1. Lindo teu conto e participação.Em meio àquele terror, havia tempo pra risadas , amizade e amor enquanto sós. beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Olá Letícia,de todos os contos que li sobre o tema (incluindo o meu), o seu foi o mais original na maneira de escrever. Foi quase uma poesia.

    Gostei do resultado final.


    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. AMEI TEU BLOG LINDA.

    Seguindo logico...
    Se puder me segue tbem?

    Ha e participa do sorteio ta?
    http://paulinhapiink.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. A menina desarma
    a arma verde do soldado
    com seu olhar encabulado.

    Luiz Alfredo - poeta

    ResponderExcluir
  5. Captou sentimento e ânsia de esperança nesse mundo tão simplório. Onde entra o amor À pátria se há ódio à outras pessoas ? Fiquei pensando ao acabar de ler seu conto. Fantástico Lets. Adoro aprender mais com você ! :D

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…