Pular para o conteúdo principal

Parole

Fala. Por favor, fala!

Repetia olhando com olhos miúdos para a janela. O telefone enganchado na orelha. Vinha um som bacana do outro lado. Uma canção. Não tinha plena noção do que se passava nela, só sabia que o som entrava em seus ouvidos, bagunçavam tudo, e saiam repetindo...

Fala. Fala.

"E aí?", um pergunta. Dane-se, não quero responder, pensa.

Só precisava que falasse.

A fala tem um poder fantástico. Comunica o que se quer e o que não se quer. Pode comunicar uma coisa e não outra. A fala pode mudar a ordem dos fatos e da lógica. Pode ser ilógica. Ela usa palavras... ou não.

E se falasse, aquelas palavras... por que não falava?! O que perderia? O que ganharia?

Poderia ganhar o mundo. Poderia perder o mundo. Sentia gosto de terra e água em sua língua, enquanto seu cérebro pensava na melhor forma de colocar para fora. Tremia de nervoso, mãos suadas.

"Oi? Está me ouvindo?"

Não podia deixar demorar mais. Era uma conversa, precisava responder. Seu estômago doeu enquanto descobriu o melhor modo de falar o que queria, em uma mistura de línguas:

"Ich love você!"

O outro lado da linha riu divertido pelas palavras escolhidas e, subitamente, apareceu na janela com um sorriso. Esteve ali todo o tempo, então!

Para quê mais palavras? Elas só sabiam atrapalhar quando o assunto era mais do que elas podem significar ou ilustrar.

Comentários

  1. Você é incrível sabiiia? Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Li, gostei e estou comentando!

    Muito boas as suas palavras Letícia.

    Às vezes elas são desnecessárias... o corpo fala. Ou o silêncio fala. E todos os envolvidos entendem.


    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Olá Letícia.
    Gostei do texto, palavras tem muito poder. Tanto para criar quanto para destruir. Uma palavra dita de forma errada, sendo mal interpretada, pode detonar coisas grandiosas.
    A cada dia que passa venho percebendo a importância do silêncio em diversas ocasiões, boas ou más.
    Gostei do gif do cachorro.
    Seu link já está em Escritos Recomendados, eu fiquei uma semana sem conseguir postar os links dos seguidores novos por causa de um bug no Blogger.
    Boa semana.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…