Pular para o conteúdo principal

Sua Música



A primeira vez que vi essa cena eu tinha uns sete anos no máximo. Comecei a ouvir a música e me falaram "você ouvia essa música quando era pequena, era a sua música". Instantaneamente comecei a chorar, porque algo dentro de mim me fazia lembrar da melodia, da letra, do sentimento...

Minha mãe, ao descobrir que estava grávida, começou a ouvir essa música todos os dias, por minha causa. Depois, quando bebê, a mesma coisa.

Na época que vi o filme fazia muito tempo que minha mãe não colocava Elton John para tocar, ou pelo menos não Your Song.

O sentimento que ela me proporcionou naquele dia foi a coisa mais maravilhosa que já senti com uma música. Era como se, finalmente, minha identidade tivesse sido determinada; como se minha alma tivesse acendido; como se uma metade de mim tivesse voltado pra casa.

Foi intenso, foi forte e eu era uma criança que mal conhecia tais palavras. Uma criança que só chorava por machucado e por pedir mimos. Uma criança que não sabia das pequenas coisas da vida... até aquele momento.

Aquela noite foi a primeira vez que me comovi com algo que assisti. 

Your Song me acompanhou, mais tarde, em outros momentos. Eu e minha mãe começamos a compartilhar essa amizade de fã.

Minha mãe cantou para mim nos meus quinze anos. Em minha formatura do nono ano, no momento de homenagear os pais, colocaram essa música para tocar (e posso dizer que foi em nossa homenagem, poque o rapaz que fez a playlist era amigo dela e etc). Todas as vezes que essa música tocou, algo parecia fazer sentido e parecia ser para nós. Elton John é meu ídolo musical por ter composto a música e, às vezes, agradeço ao Bernie por compor a letra parecendo pensar em mim e em como me fazer sentir feliz.

Todos os momentos que foram ilustrados por esta canção remetem àquela noite, quando ouvi me dizerem "essa é sua música" e resolvi tomar isto como verdade absoluta, com olhos úmidos de felicidade. Era a mais pura e bela verdade.

Comentários

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

As minhas Bienais do Livro

Mais um ano de Bienal do Livro de São Paulo passou por aí. Mais um monte de dias de livros, autores, leitores, cosplays, cenários e brindes.

Um dia em que fui eu.

Depois de um longo tempo sem ter vontade e energia para ler e escrever, comecei a voltar para este universo, pouco a pouco. Escrevi aqui e ali, voltei com o blog e comecei a ler um livro no meu Kobo.

Aí veio a Bienal e fiz minha listinha. Compraria coisas para dar aula e HQs que queria há muito tempo. Não achei as HQs, não comprei livros para dar aula, comprei outros que sempre quis ou que me interessei na hora. Comprei jogos. Comprei colecionáveis.

Mas a parte mais legal foi interagir com autores e leitores e divulgar o por-fora. Cumprindo, de certa forma, o que prometi há tanto tempo...

Vamos passear um pouco pelas minhas Bienais.

Há oito anos, quando estava no Ensino Médio, fui com a escola em minha primeira Bienal. Rendeu alguns livros, um botton que amo muito (eu coleciono e amo demais) e muitas fotos épicas com os amig…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…