Pular para o conteúdo principal

Pequenas e Grandes Felicidades


Uma roda. Um violão. Vozes.

Uns afinados, uns desafinados, uns mais tímidos que os outros. Alguns nem abriam a boca. Um deles disfarçou que não tinha a voz, mas, ah, eu vi e todos viram que ela estava ali.

Há momentos na vida em que pensamos se estamos realmente vivendo. Se nossos dias estão sendo úteis para algo ou alguém, se estamos aprendendo coisas, se estamos colhendo momentos. O que a maioria das pessoas não sabe é que os momentos de aprendizado e de fazer algo importante residem em cada pedaço de nossas vidas.

A alegria não é difícil de ser encontrada. Na verdade, ela está dentro de cada pessoa que souber olhar a situação, o detalhe, o momento mais simples e ver a beleza nele. Apenas aqueles que aprendem a olhar, já dizia Cecília Meireles, é que conseguem vê-los assim.

Então, a relação entre pessoas não deve ser muito diferente. Está tudo no saber olhar para quem está ao ser redor e saber tocá-los. Fazer algo por eles, mesmo que eles nem saibam que talvez precisem.


Naquela noite, naquela roda, tive um desses momentos em que vi pessoas que em tão pouco tempo já estavam na minha vida e eu na deles. Entoando todos juntos a frase "é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã" me fez pensar... é preciso amar, viver, respirar, ver e sentir o mundo como se não houvesse amanhã. Cada momento é único para que você aprecie a beleza do mundo e sinta a alegria escondida naquele cantinho.

Depois, falaram sobre o sol: é claro que ele vai voltar amanhã. Isso é bom de saber. Faz com que, sempre que eu falhar e perder uma pequena alegria, eu pense como terei outras tantas para aproveitar, é só eu acreditar, nunca desistir.

Sobre a relação com as pessoas... vejo-as como um pote de alegria. Devo tentar abri-lo da melhor forma. Por vezes consigo, por vezes não e em outras desisto. Em geral, depois que descubro as alegrias do pote, percebo que outras alegrias posso dar à estas pessoas. Então eu faço algo. E, de vez em quando, dá certo.

Atingir este último sucesso é a maior de todas as pequenas e grandes felicidades. Mas, tanto faz o tipo de felicidade, eu nunca as conto para os outros. Guardo-as para mim e talvez use-as como impulso para trazer um pouquinho de felicidade para quem está por perto.

Para pessoas que já foram alegrias, para a roda de violão citada, para Renato Russo com suas belas letras, para Cecilia Meireles e Clarice Lispector que inspiraram-me a falar de felicidades e alegrias, com seus respectivos textos/poemas "A Arte de Ser Feliz" e "Felicidade Clandestina".

Comentários

  1. "Sobre a relação com as pessoas... vejo-as como um pote de alegria. Devo tentar abri-lo da melhor forma. Por vezes consigo, por vezes não e em outras desisto." que liiiiindo! *-*
    Sério, já virei sua fã! Seguindo e babando no seu blog *.* ahsuidhiaudhuahduahsidu


    beijinhos :*
    http://linguadoslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por achar lindo, awn *-*
      Aaah que linda, obrigada! Fico muito feliz por gostar! Vou visitar seu blog e aposto que vou adorar também! :D

      Beijos

      Excluir
  2. Seu trabalho é muito bom está de parabens,vc tem muita imaginação se baseia em fatos do cotidiano fica claro que na maioria dos seus textos ha um pouco de crônica,mas eu não consegui sentir vc nas palavras descritas,talvez eu esteja errada,pois não te conheço há tanto tempo.Sei que escreve textos academicos maravilhosos até melhores do que os meus(fato),porém fica a dica escreva um pouco mais com o seu coração....(Thaisi Lima)

    ResponderExcluir
  3. Ps:Gosto do seu trabalho e comprarei todos os seu livros se precisar estou aqui para ajudar,pois temos o mesmo sonho :)

    bjoso(Thaisi Lima)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thaisi, muito obrigada pelos lindos comentários e pelo apoio. Saiba que é recíproco!

      Bom, meio engraçado você falar sobre não achar que eu estou na maioria dos meus textos exatamente nesse, em que estou inspirada por dois dos textos que mais mudaram minha vida e descrevendo o momento que me moveu a criar esse texto. Um momento que aconteceu ano passado na faculdade, inclusive rsrs

      Não, não estou diretamente em todos os textos. Mas estou na grande maioria, às vezes de forma completamente direta, outras disfarçadas, mas muitos eu despejei uma grande carga emotiva de alguma forma. Então é porque você não me conhece a muito tempo mesmo KKKKKK

      Obrigada de novo por tudo! Beijos!

      Excluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

As Bolhas

Sigo uma filosofia de olhar todos como neutros. Cada dia, as pessoas são uma coisa. De vez em quando, bolhas de sabão. Outras vezes, são todos bonecos de papelão.
Não importa a figura do dia, todos são idênticos à minha frente.
Não os vejo assim porque penso em um mundo massificado onde todos são iguais, dominados e alienados. Nada disso. Mesmo porque, de qualquer forma, já vivemos mais ou menos assim.
Os vejo como bolhas de sabão porque sei que é o certo a se fazer. Enquanto não conhecer a pessoa, ela é uma bolha. Dentro há uma infinidade de curiosidades para se descobrir. Quando a bolha estoura descubro o nome e, depois, a pessoa em si. Como ela é, o que pensa, o que gosta.
E, ainda assim, mesmo depois de a bolha estourar, tenho em mente que todos fomos bolhas. Eu era a bolha dele, ele a minha, nós dois a sua.
Escolhi bolhas porque elas são simplesmente redondas, de sabão e ar, e flutuam por aí, iguais, livres. Mas todas têm um brilho especial ao sol e um quê de diversão... Quem não gost…

À Luz da Manhã

Para Matheus e João.
Ouça. Crescer é como correr descalço na areia. Os pequenos grãos tocam sua pele e você sente, mesmo com a maciez do movimento ou o impacto suave, a aspereza do solo. A sensação é incômoda, mas ao mesmo tempo libertadora. Você para, então, e olha ao redor. Olha as marcas de seu pé no caminho que fez e o modo como, em alguns momentos, eles foram suaves e quase imperceptíveis e, em outros, foram largos e espalhafatosos. Você olha para o outro lado e vê o quanto ainda há para ser marcado. O som do oceano chega aos seus ouvidos e a brisa sopra seus cabelos e você sorri: está bem ali, entre onde já correu e para onde ainda vai correr. Mas, no fim, você só quer sentir seus pés afundando na areia enquanto o mar sopra sua canção ao vento.
Crescer é como subir uma colina de grama verde molhada pelo orvalho da manhã. Você quer saber, mais do que tudo, o que há do outro lado: serão montanhas ou vales? Serão córregos ou lagos? Que tipos de árvores haverão para serem escaladas? …

Sobre os meses sem novas postagens

Estudar é difícil. Você tem que usar seu tempo para isso e acaba não dando a atenção que devia para as outras coisas da sua vida, no meu caso, a escrita. E meu blog.

Então, o motivo para meu sumiço absoluto é esse (além de alguns acontecimentos no meio do caminho que sugaram minha força de vontade). Porém, estou ajeitando o caminho para voltar, talvez não com tudo ainda, mas voltar.

Preparem-se, "Letícia is coming".

Dentro em breve novas postagens, algumas de alguns textos escritos ao longo do ano e outras de textos escritos agora. E é isso aí.

Obrigada pela atenção!