Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2012

As Bolhas

Sigo uma filosofia de olhar todos como neutros. Cada dia, as pessoas são uma coisa. De vez em quando, bolhas de sabão. Outras vezes, são todos bonecos de papelão.
Não importa a figura do dia, todos são idênticos à minha frente.
Não os vejo assim porque penso em um mundo massificado onde todos são iguais, dominados e alienados. Nada disso. Mesmo porque, de qualquer forma, já vivemos mais ou menos assim.
Os vejo como bolhas de sabão porque sei que é o certo a se fazer. Enquanto não conhecer a pessoa, ela é uma bolha. Dentro há uma infinidade de curiosidades para se descobrir. Quando a bolha estoura descubro o nome e, depois, a pessoa em si. Como ela é, o que pensa, o que gosta.
E, ainda assim, mesmo depois de a bolha estourar, tenho em mente que todos fomos bolhas. Eu era a bolha dele, ele a minha, nós dois a sua.
Escolhi bolhas porque elas são simplesmente redondas, de sabão e ar, e flutuam por aí, iguais, livres. Mas todas têm um brilho especial ao sol e um quê de diversão... Quem não gost…

Artistas Anônimos

Sentado em uma mureta numa esquina qualquer de uma das avenidas mais movimentadas. Apoiada na perna a pasta servindo de mesa, sobre ela a cartolina, na mão o giz.

Rosto sincero, sorriso de modéstia, olhar de gratidão.

Gratos são aqueles que tem o poder de ver cores surgirem sobre o papel, como enxurrada de estações, falando diante de seus olhos. Sortudos aqueles que podem encontrar em uma esquina qualquer de uma avenida movimentada as cores que aquele senhor usava para contar história.

Eram histórias de luz na escuridão. Era a bagunça da vida em formas deformadas. Soavam como sinfonia de vozes, compras, letras, carros, passos.

Um tinha sensibilidade tal que, ao olhar, atingia como flecha o coração mais aberto. Moça de cores quentes em ambiente frio que conversa com quem passa.

O que dar por uma honra daquelas? Conhecer em ocasião tão inusitada um talento escondido? Dar o que pode-se dar... o que tem no bolso e uma bela ilustração própria do belo momento vivido. No caso, ilustro com p…

A Era dos Quadrões

Escrevi este texto no outro blog para o qual escrevo, Seriedificador, vejam uma parte:

Olá, povo, eu voltei de viagem a uns dias e tenho bastante assunto pra falar! Não, não, não é sobre a viagem. É sobre um tipo de série que andou explodindo por aí ultimamente, conquistando muitos novos fãs e dólares de bilheteria.
Os filmes de quadrinhos!
Alguns são sequências de um mesmo herói, alguns são filmes independentes ligando heróis, alguns tem um histórico polêmico que deixa pessoas mais impressionáveis impressionadas (e daí elas acabam não assistindo o raio do filme), outros são completos fracassos. O fato é que adaptações dos quadrinhos existem a mais tempo do que a nossa geração idealiza na cabeça e que os filmes destas histórias emocionantes e cativantes fundaram um novo gênero cinematográfico!
Essa ideia do novo gênero não foi nem eu que tive; eu li um crítica no omelete e percebi como era verdade.
-> LEIA O RESTO!