Pular para o conteúdo principal

Artistas Anônimos

Sentado em uma mureta numa esquina qualquer de uma das avenidas mais movimentadas. Apoiada na perna a pasta servindo de mesa, sobre ela a cartolina, na mão o giz.

Rosto sincero, sorriso de modéstia, olhar de gratidão.

Gratos são aqueles que tem o poder de ver cores surgirem sobre o papel, como enxurrada de estações, falando diante de seus olhos. Sortudos aqueles que podem encontrar em uma esquina qualquer de uma avenida movimentada as cores que aquele senhor usava para contar história.

Eram histórias de luz na escuridão. Era a bagunça da vida em formas deformadas. Soavam como sinfonia de vozes, compras, letras, carros, passos.

Um tinha sensibilidade tal que, ao olhar, atingia como flecha o coração mais aberto. Moça de cores quentes em ambiente frio que conversa com quem passa.

O que dar por uma honra daquelas? Conhecer em ocasião tão inusitada um talento escondido? Dar o que pode-se dar... o que tem no bolso e uma bela ilustração própria do belo momento vivido. No caso, ilustro com palavras o que aquele artista anônimo da esquina faria com giz sobre cartolina, no caos da cidade.

Pronto para tocar o próximo que passar e fazê-lo sentir-se de modo único. Olhar aquelas imagens levou-me à um mundo alternativo. Vê-lo ali, sentado, fez-me sentir um aperto no coração por tal arte ser desconhecida.

Porém, também trouxe um quê de crença nas pessoas: todos somos artistas anônimos que podem pintar seus próprios quadros, em todo estilo, formato e cor que quisermos.


Este texto é inspirado na experiência que tive esta noite de conhecer Getúlio, um artista talentosíssimo, sem muitas condições, que vende suas obras por qualquer trocado. Um senhor que deveria ser visto por todos, sentado e criando anonimamente.

Comentários

  1. Linda homenagem à Getúlio que trabalha na rua e tantas vezes nem tem reconhecido seu trabalho...beijos,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada! Este talento merece muito mais do que recebe.
      Beijos

      Excluir
  2. Letícia, faz um tempo que não nos "visitamos", rs.
    Seu post me chamou a atenção pelo lirismo que colocou ao descrever sua experiência com este artista que, é anônimo por não ter fama e dinheiro, mas não é anônimo a aqueles que, como você, conseguem ver o que ele tem de bom a oferecer. Todos temos e sempre haverá "uma Letícia" para valorizar.

    PS: Apenas um alerta, seu blogue está com verificação de palavras e, quem tem conexão lenta, por vezes, acaba perdendo um comentário enorme que fez. O melhor é retirá-la.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, vou visitá-lo agora rsrs
      Obrigada pela atenção e pelo comentário, fico feliz por gostar. Me sinto honrada quando as pessoas gostam do que escrevo, sério. Acho que fico como o sr. Getúlio ficou quando disse que seus quadros em cartolina eram lindos.

      Ah, obrigada por avisar, já retirei :D

      Excluir
  3. Engraçado, esse sentimento vosso de desejar o reconhecimento da singela arte alheia é mútuo sabia? Creio que todos aqueles que conseguem ouvir a voz da arte, seja qual for, por escutá-la tão sublime, com a sensação de paz, conhecimento e carinho que essas trazem, também desejam escancará-las para o mundo. Estes artistas anônimos... puxa vida, não porque me sinta uma deles, mas por saber exatamente o valor que eles tem e que se perde aos poucos, deveriam estar sobre todos os holofotes. Se todos soubessem o quanto essas artes iluminam, por mais pequeno que seja o feixe de luz... Aiai. Adorei a forma como montaste seu texto.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

As minhas Bienais do Livro

Mais um ano de Bienal do Livro de São Paulo passou por aí. Mais um monte de dias de livros, autores, leitores, cosplays, cenários e brindes.

Um dia em que fui eu.

Depois de um longo tempo sem ter vontade e energia para ler e escrever, comecei a voltar para este universo, pouco a pouco. Escrevi aqui e ali, voltei com o blog e comecei a ler um livro no meu Kobo.

Aí veio a Bienal e fiz minha listinha. Compraria coisas para dar aula e HQs que queria há muito tempo. Não achei as HQs, não comprei livros para dar aula, comprei outros que sempre quis ou que me interessei na hora. Comprei jogos. Comprei colecionáveis.

Mas a parte mais legal foi interagir com autores e leitores e divulgar o por-fora. Cumprindo, de certa forma, o que prometi há tanto tempo...

Vamos passear um pouco pelas minhas Bienais.

Há oito anos, quando estava no Ensino Médio, fui com a escola em minha primeira Bienal. Rendeu alguns livros, um botton que amo muito (eu coleciono e amo demais) e muitas fotos épicas com os amig…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…