Pular para o conteúdo principal

Artistas Anônimos

Sentado em uma mureta numa esquina qualquer de uma das avenidas mais movimentadas. Apoiada na perna a pasta servindo de mesa, sobre ela a cartolina, na mão o giz.

Rosto sincero, sorriso de modéstia, olhar de gratidão.

Gratos são aqueles que tem o poder de ver cores surgirem sobre o papel, como enxurrada de estações, falando diante de seus olhos. Sortudos aqueles que podem encontrar em uma esquina qualquer de uma avenida movimentada as cores que aquele senhor usava para contar história.

Eram histórias de luz na escuridão. Era a bagunça da vida em formas deformadas. Soavam como sinfonia de vozes, compras, letras, carros, passos.

Um tinha sensibilidade tal que, ao olhar, atingia como flecha o coração mais aberto. Moça de cores quentes em ambiente frio que conversa com quem passa.

O que dar por uma honra daquelas? Conhecer em ocasião tão inusitada um talento escondido? Dar o que pode-se dar... o que tem no bolso e uma bela ilustração própria do belo momento vivido. No caso, ilustro com palavras o que aquele artista anônimo da esquina faria com giz sobre cartolina, no caos da cidade.

Pronto para tocar o próximo que passar e fazê-lo sentir-se de modo único. Olhar aquelas imagens levou-me à um mundo alternativo. Vê-lo ali, sentado, fez-me sentir um aperto no coração por tal arte ser desconhecida.

Porém, também trouxe um quê de crença nas pessoas: todos somos artistas anônimos que podem pintar seus próprios quadros, em todo estilo, formato e cor que quisermos.


Este texto é inspirado na experiência que tive esta noite de conhecer Getúlio, um artista talentosíssimo, sem muitas condições, que vende suas obras por qualquer trocado. Um senhor que deveria ser visto por todos, sentado e criando anonimamente.

Comentários

  1. Linda homenagem à Getúlio que trabalha na rua e tantas vezes nem tem reconhecido seu trabalho...beijos,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada! Este talento merece muito mais do que recebe.
      Beijos

      Excluir
  2. Letícia, faz um tempo que não nos "visitamos", rs.
    Seu post me chamou a atenção pelo lirismo que colocou ao descrever sua experiência com este artista que, é anônimo por não ter fama e dinheiro, mas não é anônimo a aqueles que, como você, conseguem ver o que ele tem de bom a oferecer. Todos temos e sempre haverá "uma Letícia" para valorizar.

    PS: Apenas um alerta, seu blogue está com verificação de palavras e, quem tem conexão lenta, por vezes, acaba perdendo um comentário enorme que fez. O melhor é retirá-la.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, vou visitá-lo agora rsrs
      Obrigada pela atenção e pelo comentário, fico feliz por gostar. Me sinto honrada quando as pessoas gostam do que escrevo, sério. Acho que fico como o sr. Getúlio ficou quando disse que seus quadros em cartolina eram lindos.

      Ah, obrigada por avisar, já retirei :D

      Excluir
  3. Engraçado, esse sentimento vosso de desejar o reconhecimento da singela arte alheia é mútuo sabia? Creio que todos aqueles que conseguem ouvir a voz da arte, seja qual for, por escutá-la tão sublime, com a sensação de paz, conhecimento e carinho que essas trazem, também desejam escancará-las para o mundo. Estes artistas anônimos... puxa vida, não porque me sinta uma deles, mas por saber exatamente o valor que eles tem e que se perde aos poucos, deveriam estar sobre todos os holofotes. Se todos soubessem o quanto essas artes iluminam, por mais pequeno que seja o feixe de luz... Aiai. Adorei a forma como montaste seu texto.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Chá de cadeira

Se não quer tomar um, não leia. Eu falei pacas kk
Já ouviu essa expressão, chá de cadeira? É quando você fica muito tempo sentado esperando alguma coisa. Pois é. Ontem experimentei as delícias (ou não) de um chá de cadeira.
Guarda isso na cabeçinha. Arquivou? Beleza, vamos continuar.
Sabe quando você assiste aquele filme ou série de médico (tipo House, haha, amo) e você pensa "cara, como será que é trabalhar aí?!". Não digo na série filme, digo no hospital. Eu já pensei muito isso. Seria bem legal experimentar um corre-corre de hospital, ver como é um corpo humano DE VERDADE, sem esquemas em livros, ver médicos, ter os conhecimentos de médicos... seria tudo! Mas medicina não é pra mim, sabe, é tenso ter a vida de uma pessoa nas suas mãos. Muita responsabilidade.
Agora, lembra do que você tinha arquivado, do chá de cadeira? Não lembra? Ok, lê o começo do post de novo pra lembrar. Lembrou? Ok, então vem comigo.
Ontem fui com minha mãe para o hospital porque ela não se sentia …

A Música da Estrada

Lá estava ele novamente na estrada, caminhando tranquilamente e olhando ao redor. Na mão a maleta com o seu melhor amigo e companheiro de profissão: o violão. Não era nada demais, não. A marca não era daquelas mais caras e já não era tão novo. Mas cuidava tão bem do dito cujo... Sentava-se e limpava-o, afinava-o, olhava com paixão. Era o filho dele, a mulher de sua vida, seu pai, seu irmão. Era o mundo em suas mãos, ao seu comando.

Espera... Eu disse que o violão estava ao seu comando? Ah, nem o músico sabia quem comandava o que ali. Quando começavam com uma nota e não paravam nunca mais, ele tinha bastante certeza de que era um trabalho no qual os dois pensavam juntos.

O músico mandava apenas no caminho, pois era ele que tinha as pernas. E, sendo assim, escolhia as platéias. Tive sorte de ser uma delas. Caminhava, apenas, disseminando seu dom. Ensinava uns aqui e outros ali. Nunca parava. Diziam a ele que iria explodir se continuasse assim. Mas era do que ele vivia e do que gostav…

Hoje é o Seu Dia, Que Dia Mais Feliz!

Muita gente critica festas de crianças. Pessoalmente, acho que há mais para se elogiar do que para se criticar. Veja bem, quem não gosta de uma boa e velha bolinha de queijo? Tudo bem, velha talvez não (sabe, porque comer coisa mofada não é bom, confie em mim), mas ela é boa, muito boa. Festa de criança sempre tem essas comidas gostosas e elas fazem valer a pena.

Sempre que a festa é em buffet tem um determinado brinquedo legal que adulto pode ir. E aí é a hora de todo mundo que já passou da idade se juntar e usar o brinquedo, gritando e fazendo a maior bagunça. Um desses é o "la bamba", um hit da atualidade, um disco com cadeiras onde as pessoas sentam e ficam girando repetidamente. Acredite, é divertido. Claro que, criança ou adulto, alguém sempre tenta surfar e é aí que vemos uma criatura rolando pelo chão do brinquedo enquanto um monte de outras criaturas riem da cara do pobre coitado. Pois é.

E, pra finalizar, os doces. Ah, esperar as quatro horas, o parabéns com direit…