29 novembro 2012

Avareza

Espreguiçava-se preguiçosamente sobre sua maré de dinheiro e levantava-se, toda manhã, pronta para negar qualquer coisa que lhe exigisse o desperdício de uma gota sequer de seu oceano imperial.

Alimentava-se de riqueza. Vestia-se de capital. Não comprava nem mesmo status ou objetos que garantissem a aquisição dessa tal posição social. Negava esmola. Não compra para si, por que comprar para os outros?

Se perdia em suas posses e se reencontrava. Certa vez, Avareza precisou atender a porta e, ao negar mais uma vez um alimento, foi fadada a ser, eternamente, um pecado capital. "Maldita Consciência", praguejava.




Texto escrito nas reuniões da Oficina Criativa do colégio.

Comente com o Facebook:

Um comentário:

  1. Eu nem preciso dizer nada não é? Mentira!
    Preciso sim pois é merecido!
    "Uma gota se quer de seu oceano imperial" começaste já no topo, a comparação foi perfeita!
    Adorei o textículo. A personificação da 'avareza' foi perfeita. Como tudo o que tu escreves.
    "Certa vez, Avareza precisou atender a porta e, ao negar mais uma vez um alimento, foi fadada a ser, eternamente, um pecado capital. "Maldita Consciência", praguejava." - Não tem o quê explicar, é a lei da sobrevivência. Aqui se faz, aqui se paga. Contudo a explicação dada foi linda.

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Deixe um comentário dizendo o que achou! :)