Pular para o conteúdo principal

Dia Dois: Animal Kingdom e meio-Walmart

Aí, finalmente, estamos no dia 14 de Setembro, sexta-feira.

O despertador tocou e eu acordei correndo, super animada. Nos arrumamos e fomos tomar café. Achávamos que já era tipo 9h da manhã, que tínhamos perdido a hora mágica e que íamos chegar super tarde no hotel. Enfim, comemos um croissaint lindo. Depois compraríamos a caneca, naquele momento compramos o café individual mesmo.

O restaurante/lanchonete/como queira do hotel é a coisa mais linda! Não tenho fotos, exatamente, tenho filmagem e não estou achando (acho que ainda não passei pro pc) pra tirar print, então tenha uma levíssima ideia aqui clicando em "dining". O mais legal era bebida à vontade (pra quem tinha a caneca, se não me engano compramos a nossa quando voltamos do parque ou do Walmart) na "ilha" no meio do salão, sério.

Depois fomos para o ponto e pegamos o ônibus para o parque. Os ônibus da Disney são lindos. Têm ar condicionado, suspensão a ar, os bancos ficam de frente um para o outro, como duas mega-fileiras encostadas na janela, e toca músicas Disney, além da voz que fala "Welcome to the Walt Disney World transportation system" ou algo assim e fala para onde vamos.

Quando descemos e fomos em direção à placa escrito "Animal Kingdom"... meus olhos brilharam e eu senti uma coisa muito maravilhosa no meu coração. Era uma sensação indescritível... eu pensava só "estou na Disney, estou entrando em um parque da Disney!" e eu estava prestes a chorar.

Eu prestes a chorar. Mas não, não chorei.
Quando entramos e pegamos os mapas, olhamos mais ou menos a parte do oásis, mas não muito porque a maioria dos bichos ali eram animais parecidos com os do orquidário daqui de Santos. Inclusive, a entrada do parque é um orquidário, se você for ver.

Daí seguimos para a parte dos dinossauros. Vi a camiseta "vegetarian" que eu nem imaginava que era de lá; fomos numa montanha russa bem light mas que dava uns trancos incríveis e que me deu aflição de altura (como tudo lá que me permitisse ver a altura). Depois seguimos em frente e fomos para a Ásia. Lá é lindo, mais ainda não dá mais sensação de estar no lugar do que na África. Bom, não vou pular de continente, vamos se manter na Ásia.

Eu encharcada haha
Logo que chegamos lá, fomos no Kali River. Estávamos super animadas e o fato de ter um compartimento para guardar bolsas dentro do barco nos fez refletir sobre o quanto nos molharíamos (se não contarmos com a situação de quem saía do brinquedo, que observamos enquanto estávamos na fila). Para resumir bem: o brinquedo é massa, mas jogou uma onda enorme BEM EM CIMA de mim e da minha tia. Só que eu ainda molhei mais que ela, porque minha camiseta inteira se encharcou, a dela foi só as costas (o resultado da roupa molhada o dia todo e ter que andar tanto fez com que a bermuda machucasse lindamente minha perna, mas enfim).

Depois andamos em todos os viveiros (quando víamos os Tigres começou a chover e nós nem corremos muito porque né, já estávamos encharcadas mesmo). E aí fomos para o Everest.

FOI MUITO LOUCO. Sério. Quase morri com a subida, porque era muito alto, mas o resto foi na boa. Gritei bastante, mas também ri bastante. Antes da queda de costas, eu ainda consegui ver a bola do Epcot e consegui berrar "OLHA O EPCOT!" antes de cair.

O Everest

Depois, fomos no show das formiguinhas. A primeira vez eles tiveram "problemas técnicos" e todo mundo teve que sair, mas depois funcionou direitinho. Foi lindo. Uma coisa a dizer sobre os 3D dos parques todos é a seguinte: nunca mais ficarei maravilhada com outro 3D na vida. Mesmo porque lá é 4D pra cima, mas enfim. É muito legal.

Em algum momento entre isso (acho que antes de ir pra África, ou entre a parte dos Dinos e a Ásia, não tenho certeza porque fomos e voltamos no mesmo lugar lá muitas vezes), eu vi um Tigrão andando no parque e o segui;  fui parar em um lugar pra tirar foto com ele, o Pooh e o Bisonho (recuso-me a chamar o burrinho de "Ió"). Eu falei a ordem de tirar foto ao contrário, mas enfim... Quando tirei com o Bisonho, estava quase chorando. Depois veio o Pooh, todo quentinho e fofo e depois o Tigrão, super engraçadão. Foi lindo e foram os primeiros personagens com quem tirei foto. E ainda tive sorte de o fotógrafo da Disney que tirou minha foto com o Tigrão (minha tia tirou também, tenho um quilo de foto com cada um) ter pegado um momento lindo... Ah, veja:




Daí nós fomos almoçar e ainda não tínhamos visto a árvore da vida. Comemos uma espécie de yakisoba frio, uma salada de macarrão meio diferente... só sei que era muito bom e o copo de refri com tema de Halloween era lindo. Havia uns patos andando ali no meio das mesas e pedindo comida, estilo cachorro mesmo, e eu parei pra filma-los e filmar o lago.

Só depois quando cheguei em casa e vi a filmagem é que notei a minha retardância... Porque, bem, quando minha tia chegou com o almoço dela, ela olhou pra frente (atrás de mim) e disse "Lê, olha pra trás" e BAM lá estava a árvore. Por isso que sou muito anta, eu filmei ela com o lago e não me toquei de nada.

Enfim, demoramos o dia todo andando no parque, de qualquer forma, pra ver onde entrávamos pra chegar pertinho dela... Nem preciso dizer que ela é a coisa mais maravilhosa do mundo, certo? Ok, que bom. Foi emocionante quando, mais pro fim do dia, depois da parada, chegamos perto das raízes dela... foi lindo ver aqueles animais esculpidos com perfeição e meio que conectados, como se um se inserisse no outro de alguma forma... Foi exatamente como se estivesse vendo a natureza toda na minha frente, o ciclo da vida.

Voltando no assunto passado, depois do almoço fomos para a África. Era perfeito e minha tia babou nos drinks que ela viu o pessoal tomando, foi muito engraçado. Fomos para o safari, que é a coisa mais fantástica do mundo (como tudo o que existe na Disney, como vocês perceberão): você entra no jeep/jardineira (não sei o nome daquilo) e vai realmente andar na savana. Além dos animais típicos, a vegetação, junto com o calor e todo o ambiente montado... é perfeito! É lindo ver as girafas, o hipopótamos, elefantes, os leões e mais aquele monte de outros bichos lindos. Foi maravilhoso, divertido e excelente para descansar um pouco (porque ainda tínhamos sono de termos dormido pouco antes da viagem e depois de chegarmos em Orlando).

Bom, entramos em uma loja, em algum momento, pra fazer hora para a parada (eu babei em tudo mas ainda não comprei nada... só depois mais pro fim do passeio no parque é que comprei um joguinho de imãs lindos pra geladeira daqui de casa, bottons para mim e uma camiseta do Mickey de safari... Aliás, a respeito das lojas, impressionante como TODAS tem uma área Phineas e Ferb! Tirando as de coisas de uma cultura específica, tanto no Animal Kingdon quanto no Epcot - que só na parte futurista eu vi Perrys -, todas tem). Quando saímos (da loja, caso você tenha se perdido com meu último parênteses), encontramos um quadro com os horários do parque e um relógio.

Nossos relógios estavam uma hora adiantados, porque o do nosso quarto estava uma hora adiantado não sei como. Então nós realmente chegamos cedo (lembra que falei que estávamos achando que iriamos chegar super tarde no parque, lá no começo do post? Pois é... a situação de como estava vazio quando entramos se explicou depois dessa). E ainda tínhamos uma hora antes da parada para fazer algo, então fomos pegar o trenzinho para a área do Rafiki, só que tivemos que voltar correndo pra não perder a parada.

E ai chega a parte em que eu choro. Descemos do trem e corremos para o aglomerado que se formava para assistia à parada. Fiquei MUITO perto de tudo, tinham acho que duas pessoas sentadas na minha frente, e filmei tudinho. Foi mágico demais! Ver todos os personagens animais que formaram minha infância ali, na minha frente... QUANDO O RAFIKI APARECEU? Foi meio que logo no começo e BANG já comecei a chorar. Eu parei de chorar na hora que vi o Tico e o Teco, porque eles eram muito fofos e engraçados e tinham duas moças com bonequinhos deles e o Tico (ou o Teco, tenho problemas pra diferenciar e também não lembro mais a cor do nariz do dito cujo) olhou pra elas com os bichinhos e começou a ter o chiliquinho, chamou o outro esquilo e os dois foram lá no maior estilo "olha, olha, elas tem a gente em bonequinhos!", foi muito fofo!


Veio a Minnie: linda, fofa, acompanhada de bolhas de sabão e meu começo de soluços; daí apareceu o Pateta cantando Mais Que Nada... Nossa, nem acabou comigo e me encheu de orgulho! E não vou falar que foi lindo, já to dizendo isso muitas vezes. Daí veio o Donald, muito fofo e simpático (tenho impressão que  a pelúcia que imita as penas dele deve ser daquelas super deliciosas que você quer abraçar e não largar mais). Por último o Pluto andando e... o Mickey.

Quando o Mickey apareceu, eu comecei a chorar mesmo. Muito. Pra valer. E ainda filmei com tanto zoom uma hora que ele fez positivo que parece que foi pra mim, foi perfeito. Bom, no meio disso vi caras tipo o Balu e o Timão.


Depois da parada, ainda demos mais uma volta para fazer coisas que ainda não tínhamos feito e comprar as coisinhas que queríamos. E então sentamos para tomar um sorvete (eu tomei um que era a cabeça do Mickey!). Nessas alturas minha perna estava insuportavelmente machucada. Quando nos levantamos para ir embora, eu ainda estava tomando o sorvete e um funcionário do parque parou para falar comigo algo sobre ele (o sorvete), e eu disse que era delicioso e ele concordou... Acho muito legal a simpatia dos funcionários lá. Todos. Teve um cara que eu fiquei observando de longe, falando com uma criancinha... parecia de mentira, coisa de filme... parecia que eu estava vendo um filme na vida real! Acho que é porque ainda não tinha me acostumado com ouvir o inglês o tempo todo, não sei.

Enfim, voltamos pro quarto, trocamos de roupa (porque né, a outra ainda estava molhada) e pegamos um táxi para o Walmart.

SIM, caro leitor, ainda tem mais! Meus parabéns se você chegou até aqui, eu realmente te admiro!

Eu imaginava que o Walmart era enorme; mas chegar lá e ver de fato a sua enormidade é uma coisa completamente diferente. Era praticamente a perder de vista!!! A primeira coisa que fizemos foi pegar o remédio pro meu machucado da perna (que apareceu por causa da bermuda molhada). Depois começamos a rodar o lugar, e rodar, e rodar... Como começamos a ficar muito exaustas e não tínhamos visto nem a primeira metade, decidimos que voltaríamos lá no dia seguinte (mesmo porque, além de querermos ver tudo as coisas lá estavam muito baratas) e fomos para a parte da comida.

Foto Bônus: coisas de Perry e Phineas & Ferb, que existem
em todo canto por lá.
É engraçado como um lugar que dá uns três Extras daqui de Santos tem um pequeno Pão de Açúcar como área de comida. Sério, a feira/quitanda deles é uma gôndola só; daí além disso existem inúmeras prateleiras e mais um monte de geladeiras, tudo com coisas industrializadas e coisa e tal... E noventa por cento era em tamanho família (por exemplo, cinco litros de suco, um pote gigantesco de pasta de amendoim, e por aí vai). Me foi engraçado ver como a cultura alimentar deles é completamente diferente da nossa. A banana no hotel, por exemplo, é uma nota preta e não vem um cacho, é uma só. Temos que agradecer como nossa alimentação é vasta e farta, viu?

Bom, com os pés doídos, as pernas "empomadadas", os bolsos alguns dólares mais leves (especialmente com o táxi  um absurdo de caro) e a felicidade de uma criança interior que renasce e se realiza, eu fui dormir naquela noite mais feliz do que poderia imaginar nos meus sonhos mais loucos, mais feliz do que disseram que eu ficaria e mais feliz do que eu posso descrever aqui (principalmente porque este texto já está muito longo).

O bom é que essa sensação só aumentaria.


Comentários

  1. Ah meu, vocÊ me faz chorar e brisar muito. Brisei aqui pensando que no dia em que eu tiver meus filhos terei a obrigatoriedade de levá-los. Até porque minha casa será cheia de livros disney e desenhos antigos para eles assistirem os melhores, enfim. Estou ansiosa para a próxima aventura. Cruj, cruj, tchau tchau Lets :*

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

Leite com Vodka

Sua bebida favorita sempre foi leite. Aquele líquido branco e um pouco denso, que bebês adoram. Bebia com tudo: chocolate, morango, groselha... Era um bebedor. Seus lanches não eram feitos sem leite. E se não o bebia, misturava em algum outro ingrediente. Sucrilhos, frutas batidas. Nutritivo da cabeça aos pés. O alimentava por dentro e ele consumia com orgulho.

Então cresceu. Você sabe, quando crescem eles mudam os interesses. Não mais desenhava os programas que via. Agora via apenas a parede do quarto e festas banhadas a vodka. Ah, a vodka. Virou sua bebida preferida, com toda certeza. Aquele cheiro forte no líquido transparente, que jovens usam para se mostrar descolados. Bebia com tudo: frutas batidas, sucos, refrigerantes, sem nada. Virava uma dose e outra. Descolado da cabeça aos pés, na moda, inteiramente parte do grupo.

Mas a vida não era só Leite ou Vodka. Pelo menos não mais. Foi em mais um dia de Vodka que a encontrou. Ela lhe sorriu e ele se aproximou. Parece que foi à …

Outro Estranho na Janela

Leia a primeira parte dessa história: Um Estranho Na Janela
Texto para a oficina criativa do colégio, inspirado na imagem de uma edição do Bloínquês que não consegui participar porque não consegui escrever o texto a tempo.
Dedicado aos Chapeleiros e Alices do mundo.
O sol dourado de outono brilhava a meio caminho do chão. A moça sentava-se em uma telha mais macia, no telhado de sua casa. Usava um vestido confortável e tinha os pés descalços. Largou o pequeno livro amarelo que lia no peitoril da janela e viu as árvores se espreguiçarem.

Nas casas ao redor, cachorros latiam para os donos que chegavam mais cedo. Crianças vinham sorrindo da escola. Um dia comum e pacato.

Alice gostava de sentar-se no telhado desde a noite em que seu irmão disse ter visto Papai Noel na janela. Fora tão surpreendente ouvir Felipe dizendo aquilo, já que ele costumava ser tão chato e estraga-prazeres, que seu passatempo virou sentar-se no telhado e esperá-lo.

Mas um dia todos crescem e Alice parou de acredit…